A música tem poder?

A música tem poder?

Atualizado: Terça-feira, 4 Março de 2008 as 12

Na bíblia, a música tem um papel importantíssimo na religião e cultura judaica.

Elen White conta uma história que nos faz pensar sobre o que ouvimos."Anjos estão observando uma casa distante. Os jovens estão ali reunidos; há som de música vocal e instrumental. Cristãos estão reunidos ali, mas o que se ouve? È um cântico, uma canção leviana, própria para dançar. Veja, os puros anjos recolhem a luz para si, e as trevas envolvem os que estão naquela casa. Os anjos se afastam da cena. Estão tristes."

Quando passamos a prestar atenção no que as letras das músicas dizem percebemos o quanto elas são vazias e muitas delas incompatíveis com os princípios cristãos.Será que o que ouvimos, vemos, lemos, poderia ser feito pelos nossos anjos? Jesus nos acompanharia nesta atividade? Mas será que a música tem mesmo tanto poder assim?

A música na bíblia tem um papel importantíssimo na religião e cultura judaica. Davi por exemplo a usou como terapia para Saul (Sm 16:14-23), o cântico de Moisés reafirma o ato triunfal de libertação de Deus (Ex 15) e Esdras relatou a vinda de 200 cantores para restabelecer o louvor no novo templo de Jerusalém (Esdras 2:62) e em Salmos e Cantares Salomão sempre mostra a sua importância.

Esta é a era da "música". Ela é a paixão deste mundo. Nada é mais estimulante. Se ela realmente é influente, imagine o alcance. O primeiro potencial da música é sua capacidade para manipular as emoções, podendo alterar estados de consciência e despertar êxtase.

Se a bíblia e a igreja reconhecem a influência da música e a utilizam para o louvor, libertação, enfim, para o bem, é claro que o inimigo também usará este acessível instrumento para alcançar seus objetivos malignos. Não podemos esquecer que Lúcifer era o regente dos coros angelicais, no Céu.

Os dominadores deste mundo têm conseguido com muito êxito aproximar o sagrado do profano, por isso é preciso saber distinguir se o inimigo está colocando um "cavalo de tróia" dentro da igreja ou até mesmo influenciando os valores morais. Segundo David Tame, a música tem o poder de formar o caráter, pois o "ritmo, com efeito, atinge não só o corpo, a mente e as emoções, mas até o subconsciente."

Lúcifer ainda trabalha do mesmo jeito como no Jardim do Éden, e ele sempre quer nos convencer de que não morreremos, ou seja, as músicas seculares não interferem na nossa vida, no nosso humor, nos nossos sentimentos, na nossa intimidade com Deus etc, são simplesmente músicas boas de se ouvir ou dançar, nada, além disso. Gostar e ouvir músicas que não edifiquem não tem nenhum problema, "È claro que não morrerás".

Escolhendo o que ouvir:

?A música tem algo valioso a me dizer? Há alguma substância moral e profundidade de mensagem na música, tanto na letra como na melodia?

?Qual a intenção por trás dela? Comunica essa música uma mensagem positiva ou negativa? Ao ouvir a música, você acha que ela se conforma com o que Paulo oferece em Filipenses 4:8 ?

?Temos que sacrificar os nossos gostos e preferências. Elas simplesmente devem tornar-se santificadas.

?Escute cuidadosamente as palavras pra saber se são ou não boas do ponto de vista espiritual.

veja também