Acidentes envolvendo veículos são os maiores responsáveis pela morte de crianças

Acidentes envolvendo veículos são os maiores responsáveis pela morte de crianças

Atualizado: Quinta-feira, 16 Outubro de 2008 as 12

Cuidado no trânsito é também uma forma de garantir a saúde (e até mesmo a vida) de seu filho. De acordo com dados do governo, os acidentes no trânsito são os que causam o maior número de mortes por fatores externos em crianças de um a nove anos de idade. Neste período de vida, as mortes por estes acidentes em 2006 representaram 29,3% dos óbitos por causas externas, seguidas por afogamento (21,1%). Com o objetivo de tentar mudar esse quadro, os Ministérios da Saúde e das Cidades lançaram a Campanha Nacional de Trânsito- pela primeira vez com foco nas crianças-, que vai até o dia 11 de novembro.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, declarou que o Brasil hoje assiste a uma redução da mortalidade infantil por diarréia, doenças infecciosas, relacionadas ao parto, desnutrição e pneumonia, resultado das políticas sociais, da melhoria das condições de vida e do grau de educação das famílias. Por outro lado, ele lamenta o aumento das mortes por violência e relacionadas ao trânsito, incluindo com crianças.

"Daí a importância dessa campanha que visa conscientizar os pais, os responsáveis e, principalmente, as crianças para que elas cobrem dos adultos que não coloquem menores no banco da frente, que todos estejam com cinto de segurança no banco de trás, que observem as condições de tráfego do veículo, que respeitem os limites de velocidade e que em hipótese alguma dirijam depois de beber", alertou Temporão, frisando a importância da parceria dos ministérios da Saúde e das Cidades e o Denatran, que vai dar uma continuidade às campanhas antes realizadas esporadicamente.

O ministro das Cidades, Márcio Fortes- que perdeu um filho em um acidente de trânsito e, quando criança, quase foi atropelado ao correr atrás de seu cachorro que havia fugido- afirma que a conscientização é para pais e crianças."Acho que o principal para a garotada é lembrar que não se deve correr atrás de pipa, gato, cachorro e segurar a mão de um adulto para atravessar a rua. No carro, as crianças devem andar no banco de trás e com o cinto de segurança", alerta.

Outros dados divulgados pelo Ministério da Saúde

Os dados indicam também que 50,8% das crianças vítimas do trânsito morrem por atropelamento e 19,9% por acidentes com ocupantes de automóveis. No universo de crianças menores de um ano de idade, a principal causa de morte são os acidentes com ocupantes do veículo.

Uma das medidas recomendadas para evitar acidentes fatais com crianças de menos de um ano é o uso da cadeirinha no banco traseiro do carro, principalmente, se levado em conta o crescimento da frota nacional de veículos. Em agosto de 2006, o Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde, implantou a Vigilância de Violências e Acidentes (Viva) em Serviços de Sentinelas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O objetivo era conhecer melhor a dimensão e a gravidade dos acidentes e violências como problema de saúde pública. Em 2007, o projeto alcançou 85 unidades de urgência e emergência de 37 municípios brasileiros. A pesquisa mostrou 1.225 notificações de atendimentos a crianças de zero a nove anos de idade por acidentes de transporte.

A bicicleta foi o principal meio de transporte usado pelas vítimas (52,7%). Em seguida, vieram os atropelamentos quando a vítima se encontrava a pé (25,3%) e, por último, ocupantes de automóvel (8,6%). A maioria dos acidentes envolvendo crianças ocorreu durante o dia, com tendência de aumento a partir das 10 horas e atingindo um pico às 17h.

A campanha

Inspirada nos contos de fadas, a campanha"Ajude a salvar nossas crianças. Cuide delas no trânsito" estará nas ruas até o dia 11 de novembro em peças publicitárias nas rádios, tevês, jornais e também em panfletos que serão distribuídos nos sinais de trânsito. O investimento do Ministério da Saúde será de R$ 12,6 milhões e tem como finalidade despertar a consciência dos pais e responsáveis para que redobrem os cuidados ao volante.

veja também