Acomodação no casamento

Acomodação no casamento

Atualizado: Terça-feira, 4 Outubro de 2011 as 9

v Se namorar é tão bom, por que será que muitos casais – até mesmo jovens – descuidam disso? Perdem aquele interesse e gradativamente deixam de fazer gestos de carinho. Quem vive nos grandes centros urbanos costuma culpar o ritmo acelerado que está obrigado a vivenciar, de maneira que ao chegar em casa, só quer saber de “hibernar” diante da tv, diante do mesmo e velho roteiro das novelas. Observando o amor em vez de vivê-lo.

Nessa trajetória, o casamento aos poucos se desgasta, perde a vibração e quase não há mais envolvimento. No vazio resultante, começam a ganhar cada vez mais espaço a irritabilidade e a intolerância. Muitas vezes esses desentendimentos acontecem na própria cama, que em vez de refúgio de prazer e relaxamento, vira arena de agressões.

Um sinal claro da tendência ao afastamento, ainda quando mal se delineia, é que os beijos vão ficando cada vez mais raros. Quando muito se resumem a um “selinho” descuidado, nas idas e chegadas. Ambos evitam sair sozinhos, certos de não ter muito o que conversar. Muitos passam meses sem ter relação sexual, e quando um deles reclama, o ato acontece, mas de forma biológica, mecânica, sem emoções ou mesmo prazer.

OS PERIGOS DO MORNO

Esse distanciamento muitas vezes acontece com quem está casado há vinte, trinta ou quarentas anos. É aquele casamento morno, sem brilho nem intimidade. O casal convive mas parece que em mundos distintos, embora convivendo no mesmo espaço.

A conseqüência evidente de uma situação como essa é a perda de interesse sexual, de ambos os lados. O homem se angustia, o que leva à insegurança, ao medo de falhar, portanto, se fecha. A mulher, mesmo que ainda deseje aproximação amorosa, fica frustrada e envergonhada, com receio de agravar ainda mais a situação, se tomar a iniciativa; ela também se retrai e o desejo vai desaparecendo.

A SOLIDÃO A DOIS

O número de casais que procuram os consultórios de médicos e psicólogos apresentando dificuldades na área afetiva e sexual mostra que, ambos, tendem a varrer as frustrações para debaixo do tapete. O surgimento de novas técnicas psicológicas e medicamentos para a retomada da potência sexual, ainda não tem sido utilizados com freqüência necessária. No universo de 12 milhões de homens no Brasil com dificuldades sexuais, apenas 20% deles buscam solução para o seu problema.

No entanto, é necessário o casal procure, diante de Deus, trabalhar as dificuldades do dia-a-dia. O diálogo sincero, a mutualidade, o respeito, o carinho, o interesse pelas necessidades pessoais um do outro, regados com muita oração, podem propiciar, em meio às adversidades e ao ritmo frenético em que vivemos, um saudável e agradável relacionamento conjugal e familiar.

Por: Pr. Lugon

veja também