Apertem os cintos, a babá sumiu

Apertem os cintos, a babá sumiu

Atualizado: Quarta-feira, 30 Março de 2011 as 10:33

MÃE DE PRIMEIRA VIAGEM DE GÊMEAS, MICAELA SE SUPRENDEU COM A FORÇA-TAREFA QUE APARECEU PARA SOCORRÊ-LA

MICAELA GOES, MÃE DAS GÊMEAS LARA E JULIA, DE MESES, É ATRIZ E EMPRESÁRIA, DONA DA REFORMULAR – CONSULTORIA EM ORGANIZAÇÃO, QUE AUXILIA PESSOAS A "ORGANIZAREM SUAS VIDAS"

Sempre ouvi dizer que a parte mais difícil de ter filho é ter de lidar com essa nova entidade que surge em nossas vidas com a chegada do bebê: a babá. Primeira lição aprendida: é mesmo!

Era uma sexta-feira como outra qualquer, a babá saiu de folga e simplesmente desapareceu, não voltou mais. Assim… Sem explicação!

Num primeiro momento fiquei desesperada, me vi sozinha com dois bebês recém-nascidos e sem saber por onde começar. Segunda lição aprendida: manter a calma mesmo em situações que te convidem ao surto!

NO FINAL DA GRAVIDEZ, RESOLVI PROCURAR UMA AJUDANTE PARA QUE TIVESSE TEMPO DE TRINÁ-LA NAS TAREFAS DA CASA. AFINAL DE CONTAS, ESPERÁVAMOS POR GÊMEAS. EU ME PLANEJEI PARA ESTAR TOTALMENTE ENTREGUE A ELAS - SE SER MÃE JÁ É UM GRANDE ACONTECIMENTO NA VIDA DE UMA MULHER, SER MÃE DE GÊMEOS DE PRIMEIRA VIAGEM ERA UMA DESCOBERTA DOBRADA PRA MIM.

Consideramos a possibilidade de ter uma enfermeira nos primeiros meses, mas depois concluímos que seria suprir uma necessidade que ainda nem existia. Na realidade, penso que, intuitivamente, eu queria primeiro tentar cuidar de minhas filhas sem depender de babás e enfermeiras e essa foi a minha sorte!

O Pedro, meu marido, tirou férias assim que as meninas nasceram e nós quatro passamos o primeiro mês em casa nos conhecendo, nos descobrindo, aprendendo.

Terceira lição aprendida: nós não controlamos nada. Pedimos uma e vieram duas. Nos organizamos e nos preparamos com toda antecedência e tivemos de ter jogo de cintura para improvisar.

Quando a babá sumiu, pedimos socorro pra todo mundo. O fato de serem gêmeas muda toda a logística em relação à necessidade de ajuda de mais uma pessoa além da mãe, pois se faz necessário mais de um colo.

Formou-se, então, uma rede de ajuda de pais, avós, irmãos, comadres e amigos. Todo mundo se alternando em escala para nos dar suporte. Foi a coisa mais maravilhosa do mundo. Toda a família envolvida nos cuidados com os bebês, acompanhando cada passo, cada novidade, cada descoberta.

Podia ter dado tudo errado, mas deu muito certo. Minhas filhas são muito alegres, tranquilas e saudáveis. Não estranham o colo de ninguém e riem pra todo mundo que sorri pra elas. Eu me dediquei totalmente e as duas mamaram exclusivamente no peito até os 5 meses – e continuam mamando, mas agora já comem outras coisas. Elas continuam sendo acompanhadas de perto por todos que nos ajudaram a cuidar delas.

A parte boa é que aprendemos que podemos cuidar de nossas filhas sozinhos. Contamos, sim, com a ajuda de uma babá, mas não dependemos dela, não somos reféns, somos independentes. Estamos presentes e atentos a todos os detalhes de seu desenvolvimento e, durante o fim de semana, ficamos sozinhos com as meninas para aproveitar cada momento. Sempre ouvi os pais dizendo como passa rápido e agora eu sei: passa mesmo. Então, aqui vai a quarta lição aprendida: vale aproveitar cada momento com nossas filhas!

veja também