As coisas que o amor ensina

As coisas que o amor ensina

Atualizado: Segunda-feira, 23 Agosto de 2010 as 11:43

Escuto o telefone tocar.

Gabi sai para atender. "Sim, aqui é a Gabi. Sim. Sim. Fiz". Olhos marejados, sorriso contido, olhar que me encontra.

Eu: "Menina? Não, menino? Fala?!".

Gabi: "Sim, obrigada!".

Nesse exato momento, enquanto ela vinha correndo pelo corredor, recebo uma mensagem no celular. Desde o dia em que fizemos o exame, fiquei grudado no celular, dia e noite, esperando o resultado.

Olho para a Gabi, olho para o celular… e leio no título da mensagem: Y… não entendi! Por um momento, me esqueci quem é Y, quem é X.

Gabi me disse: "É um menininho!!!".

Fiquei trêmulo. Pensei em mim. Lembrei de mim quando era pequeno. Tudo em menos de um segundo!

Nasce algo nesse instante…

Uma das experiências mais emocionantes e sensacionais da vida é o nascimento do amor. Um amor que não nasce somente de uma explosão de vida, mas um amor que nasce aberto para uma construção diária, presente em cada pensamento. Estou aprendendo a amar! Amar um menino que está a crescer, dentro de minha amada, dentro de mim, em todo o seu pequeno corpo. Estou aprendendo a amar esse pai, que nasceu junto com a concepção de uma vida. Estou aprendendo a amar o mundo, as coisas cotidianas, os gestos das pessoas, as coisas da vida. A concepção da vida é a chance que temos de nos reconectar com as coisas que importam nesse mundo. As pessoas que escolhemos, os lugares que queremos, os sonhos que desejamos. Sinto-me diferente. Inteiro, completo!

Eis uma primeira lição que os filhos nos passam: amar de novo, diferente! Um amor renovado na emoção do nascimento!

Estou aprendendo a amar o menino que chegará. Estou amando o menino que nasceu em mim. Sinto-me menino nesse sentimento novo. Sinto-me menino, pois o que sinto é terno, doce, sensível e parece que deu sentido ao "te amo para sempre!".

Marcelo Cunha Bueno - blogueiro colaborador da Revista Crescer

veja também