As mães maravilhosas também mentem

As mães maravilhosas também mentem

Atualizado: Quarta-feira, 11 Maio de 2011 as 11:26

Sabe aquela mãe maravilhosamente perfeita? Um estudo acaba de dissolver todas as suas tentativas de chegar lá: a maioria delas mente para parecer assim, tão ideal, como você imaginava. Entenda por que elas fazem isso   O êxtase era a estampa nos olhos dela quando disse o quanto seu filho seguia os horários propostos desde cedo. “Imagina se dá pra viver de outro jeito?” – era assim que intimidava toda a mesa. Mãe aos 40 anos, Regina havia lido todas as edições das mais didáticas enciclopédias, abastecia suas dúvidas maternas com frases de especialistas renomados, e seguia feliz pelas festinhas de criança, com sua sabedoria assustadora. Com um sorriso irritante, ninguém ousava interrompê-la. Seu filho Joãozinho fazia isso, fazia aquilo. Ela, claro, o estimulava muito. Alimentação hipernutritiva. TV só no final de semana. Tanto que João aprendeu a ler com 4 anos, vejam só!

A coisa toda realmente aconteceu, numa festinha de criança, gerando comentários depois entre as chocadas mães que sobraram quando ela saiu. Eu, que assistia calada, tentava entender a real necessidade de Regina contar tudo aquilo, já imaginando que metade das frases se dissolvia na prática. Uma amiga, confirmou: na verdade Regina “exagerava”! Suspeita que uma pesquisa realizada por um site britânico acaba de comprovar. Cerca de 70% das mães admitiram já ter contado uma dessas mentirinhas sobre seus filhos, de acordo com um estudo realizado pelo site britânico Netmums e divulgado pela rede BBC. E acredite, entre as mesmas mulheres, 64% acreditam na impossibilidade de ser uma mãe perfeita – para você ver a distância entre a teoria e a realidade. Aposto que o nariz de Regina cresceu desde então!

Bem, fato é que tudo isso, afinal, grita em números a pergunta que ronda conversas de mães: por que elas precisam mentir para parecerem perfeitas? “Em geral, as pessoas mentem para se proteger de alguma punição ou para se apresentar bem diante de algum fator”, explica a psicóloga carioca Mônica Portella, autora do livro Como Identificar a Mentira (Ed. Quality Mark). No caso das mães, as razões motivadoras da mentira têm valor bem parecido. E isso não é totalmente ruim, como observa a psicóloga. Afinal, embora seja um tabu, na realidade, a mentira de certa forma sempre esteve presente na sociedade como uma estratégia de preservação das relações humanas. Ela pode ser inofensiva, por exemplo, quando uma mãe tenta encurtar a conversa chata dizendo um “meu filho também tem horários pra tudo”.

O problema é quando essa mentira está enraizada no orgulho de ser uma mãe acima das outras – e a maioria das mentiras maternas nasce aí, principalmente na hora de comparar as crianças. Comparações são uma das formas que as mães buscam para se integrar a outras, ou mesmo para saber se seus filhos estão “no caminho certo”. Isso explica porque 75% delas admitiram que comparam os filhos aos de suas amigas. Já caí nessa armadilha algumas vezes e até concordei com uma mãe que dizia o quanto seu filho adorava frutas e verduras. Mas a única fruta que o meu come é maçã... Verdura, só camuflada na comida.

Para a antropóloga mineira Gilda de Castro, a vida em condomínio, em redes sociais e em núcleos fechados facilita a exposição, e, assim, a grama do vizinho fica ainda mais visível. As mães se comparam, também, perdidas nas várias regras que a sociedade aconselha, a cada dia. “Elas têm um vínculo muito forte com os filhos, mas, ao mesmo tempo, precisam se aproximar do modelo de mãe que a sociedade exige”, acredita a antropóloga. Nessa discrepância mora a Síndrome da Mãe Perfeita, tema de Gilda em seu livro O Dilema da Maternidade (Ed. Annablume), uma verdadeira busca por padrões irreais.

“Entre o ideal e o real há uma grande distância. Só quem nunca ficou com uma criança imagina que seja possível ter paciência a todo momento com ela, ou que seja possível controlar seus horários, por exemplo”, avalia a psicóloga capixaba Angelita Scárdua, estudiosa do desenvolvimento humano e da felicidade. Com isso, ela quer dizer que ter suas convicções e não as perder de vista na hora de educar é o melhor conselho. Assim, é fácil fugir das mentiras e admitir com toda a sinceridade que nem sempre você brinca com seu filho, por exemplo (acredite, 20% das mães mentem dizendo que brincam).

Há, no momento, tantas regras ditadas na educação que é até difícil escolher uma sem ser recriminada. “Há algum tempo, era bem claro o que era permitido e o que não era. Assim, cabia às crianças obedecerem, não havia muita escolha”, observa a psicóloga capixaba Angelita Corrêa Scardua.

Na prática, isso implica em coragem – e muita! Assim, da próxima vez que o seu filho fizer birra no shopping, vai ser mais fácil não ligar para os olhares tenebrosos de quem passa por perto. Nessas horas, em vez de ficar preocupada com o que os outros estão pensando, siga o que realmente acredita. E esqueça as comparações, já que cada criança é única, como faz questão de frisar a psicóloga norte-americana Linda Papadopoulos, que avaliou a pesquisa do site Netmums . "Nessa atitude, você está competindo com ninguém além de você mesmo", diz.

As exigências do dia a dia No estudo divulgado, 69% das mães também admitiram que escondem a verdade sobre a forma com que lidam com as exigências da vida familiar. O que acaba escondendo um outro problema que elas vivem diariamente: a confusão de regras a ser adotadas. Nessa geração de limites bem delineados, os conflitos tinham bem menos impacto na família – e na vida, já que essas regras se estendiam claras, por todos os lados.

O mundo começou a mudar na década de 50, quando as ideias de Freud abriram espaço às dúvidas sobre a criação dos filhos. Na mesma época, Skinner, famoso psicólogo norte-americano, passou a pregar o “bater, jamais”, na televisão. Pronto: balançou as estruturas de um modelo que era bem assertivo. Daí para frente, pipocaram mundo afora especialistas ditando novas formas de educação – sem castigos, com negociações. Resultado: as mães passaram a não confiar mais em suas próprias teorias e absorveram inúmeras novas regras dentro de suas casas. “Essa geração cresceu sem definições de como educar uma criança”, avalia Angelita Scárdua. Pois bem, os especialistas mudam de opinião, mas, ainda assim, o que continua a pesar nos ouvidos maternos são as palavras deles e os números da ciência (como a nossa pesquisa, tema desta reportagem...). E realmente, são tantas novidades na área, que as mães não sabem mais que regras colecionar – afinal, muitas nem têm tempo de pensar nisso. Diante de todos os conselhos, o melhor, de acordo com os especialistas, é adotar suas medidas com coerência e sinceridade. Nem que seja para escancarar que você não é tão perfeita quanto outras mães, mas mentirosa, jamais.

  Os números da pesquisa

69% admitiram que escondem a verdade sobre a forma com que lidam com as exigências da vida familiar

46% escondem dificuldades financeiras

20,6% mentem em relação ao tempo que brincam com os filhos

23 % mentem sobre o tempo que as crianças veem televisão

17% escondem a verdade sobre a alimentação dos filhos

Outros papos que elas também escondem:

13,6% não contam a verdade sobre a satisfação com a vida sexual

64% reconhecem que é impossível ser a mãe perfeita

75% acreditam que a comparação com as amigas é inevitável

54% compara a sua forma de educar com a de familiares próximas (mãe, avó, cunhada)

6% acreditam que a pressão vem da comparação com a vida das celebridades retratada na mídia

8% das mulheres garantem não cair na armadilha das comparações que acabam em competições

veja também