Atitude - Seu maior capital

Atitude - Seu maior capital

Atualizado: Sexta-feira, 8 Maio de 2009 as 12

Às vezes fico me perguntando porque, apesar de termos tantas pessoas desempregadas e muitas atrás de um emprego, ainda sou tão mal tratado ao ser atendido nas lojas e nos atendimentos dos call center da vida por aí afora. Por que pessoas até com uma boa formação escolar e acadêmica não conseguem resolver problemas relativamente simples. Ainda outro dia, ao ser atendido num desses serviços de call center, e após várias tentativas mal sucedidas, tive que ameaçar cancelar o serviço para só então falar com alguém que rapidamente solucionou meu problema. Mas felizmente há também o inverso da moeda, o que me impressiona positivamente. Poucas pessoas que fazem o máximo para atender bem e resolver nossos problemas da melhor maneira possível.

Formação escolar

Fui bom aluno em minha carreira escolar. Acho que meu perfil me ajudou a adaptar-me ao esquema tradicional de ensino. Hoje, no entanto, tenho dificuldades com o ensino clássico. Primeiro porque acho que o conteúdo precisa ser melhorado. Estudamos muitas coisas completamente apartadas da realidade da vida, e outras que poderiam ser inseridas no conteúdo dos programas escolares (educação financeira, por exemplo), ficam longe de serem contempladas. O método de ensino então é mortal. Dezenas de alunos ouvindo um professor nem sempre disposto a dar o melhor de si. Mas o ponto a que quero chegar é o de que, mesmo uma boa formação escolar e acadêmica poderão adiantar pouco se não tivermos uma atitude correta em relação à vida e ao trabalho. Ou seja, na prática, você pode encontrar pessoas com boa escolaridade, mas sem atitude e vice versa.

Por que atitude é essencial?

Imagine uma pessoa com uma formação escolar limitada, mas com atitude. Mesmo com suas deficiências, ela se dispõe a aprender a como melhor atender o cliente, a buscar soluções alternativas para problemas aparentemente difíceis a até mesmo a complementar sua formação escolar e acadêmica. O que quero dizer é que, uma pessoa com atitude não se prende aos problemas, mas encontra maneiras de solucioná-los.

Parábola dos talentos: Um exemplo prático

Na chamada parábola dos talentos temos um exemplo bem prático de como as coisas funcionam no mundo real: Um senhor deu quantidades diferentes de dinheiro a seus servos e se ausentou por um certo período de tempo. Ao retornar, exigiu a prestação de contas de cada um. Pois bem, a história diz que os que tinham ganho cinco e dois talentos (dinheiro da época) conseguiram dobrar o capital e por isso receberam o elogio do Senhor. Mas o que tinha recebido um talento não teve atitude. Não fez o dinheiro render e nem sequer colocou no banco que obter pelo menos os juros da aplicação. A falta de atitude lhe rendeu uma repreensão severa do seu senhor: ‘Mau e negligente servo’. E qual é a conseqüência prática da falta de atitude aqui? O servo infiel foi retirado de sua posição, pois como diz o senhor: ‘a quem tem, mais será dado. Mas, a quem não tem, até o que tem lhe será tirado’ e o senhor conclui: ‘lancem fora o servo inútil". (Registrado no livro de Mateus 25.14-28).

Trabalho x Emprego

Estamos vivendo uma nova era nas relações de trabalho. Nesta era, o emprego tende a ficar cada vez mais escasso. Neste novo contexto, pais e filhos estarão diante da realidade de que, apenas a formação escolar e acadêmica não será suficiente para os desafios da pós modernidade. É necessário uma atitude proativa, de se buscar trabalho fora das fronteiras do emprego. Necessitamos de pessoas cada vez mais empreendedoras, que façam diferença onde quer que estejam, e para isso uma qualidade será essencial para estes novos tempos:atitude.

Paulo de Tarso é engenheiro civil e mestre em teologia. É o idealizador e organizador do Site, Palestra e Seminário Finanças para a Vida e do Projeto Educação Financeira para Todos ([email protected] ).  

veja também