Bebês prematuros exigem mais atenção e cuidados

Bebês prematuros exigem mais atenção e cuidados

Atualizado: Quarta-feira, 29 Abril de 2009 as 12

Todos os bebês precisam de muito cuidado, carinho e atenção. Os bebês prematuros, normalmente precisam de um pouco mais. Isso acontece porque a maioria deles enfrenta problemas de saúde específicos e que precisam de acompanhamento rigoroso. É muito importante que os pais, a família e os amigos se mantenham informados sobre estas doenças, seus sintomas comuns e possíveis tratamentos, sem dispensar jamais a orientação do médico.

1) Anemia

Os bebês prematuros podem apresentar anemia (redução da hemoglobina no sangue) que é originada por diversos fatores. O tratamento da anemia é feito de formas diversas, de acordo com o grau de gravidade de cada caso. Em casos mais graves pode envolver uma transfusão de sangue ou medicação que estimule o aumento da produção de glóbulos vermelhos.

2) Canal arterial persistente

O vaso sanguíneo que liga a artéria pulmonar à artéria aorta antes do nascimento é denominado canal arterial. Essa abertura é necessária antes do nascimento, mas normalmente fecha-se durante as primeiras horas, ou dias, após o parto. Nos bebês prematuros poderá não se fechar sozinha, tendo como resultado uma situação conhecida por persistência do canal arterial. Nestes casos, normalmente o médico poderá prescrever uma medicação para auxiliar o fechamento desse vaso ou recomendar uma cirurgia para reparar o problema. Essa situação poderá parecer muito alarmante, como qualquer cirurgia, mas, de acordo com a maior parte dos médicos especialistas, pode ser feita com relativa facilidade.

3) Distúrbios da glicose no sangue

É comum que bebês prematuros apresentem uma variação na quantidade de açúcar (glicose) no sangue: poderá estar muito elevada ou muito baixa. Na maior parte dos casos, os níveis de açúcar no sangue são facilmente corrigidos através do aumento ou da diminuição da concentração de açúcar nos líquidos administrados ao bebê. Os problemas de açúcar no sangue nesta fase não significam necessariamente que a criança irá desenvolver mais tarde diabetes.

4) Enterocolite necrotizante (ECN)

Alguns bebês podem desenvolver inflamação em parte dos intestinos, o que pode levar ao desenvolvimento de enterocolite necrotizante. É uma situação muito grave e caso se suspeite dessa doença, os médicos provavelmente interromperão a alimentação regular e passarão a administrá-la por via intravenosa. O bebê irá necessitar de radiografia(s), medicação e exames de sangue freqüentes, mas a maior parte dos bebês com esta doença se recupera e não volta a apresentar dificuldades.

5) Icterícia (cor amarelada da pele e mucosas)

Não é raro que bebês prematuros desenvolvam icterícia durante os primeiros dias após o nascimento. Normalmente ela é causada por níveis excessivos de bilirrubina. Isto acontece pelo fato do fígado dos bebês prematuros ainda não ser capaz de processar esta bilirrubina com a rapidez necessária.

6) Pressão arterial baixa (hipotensão)

Os bebês prematuros podem apresentar pressão arterial baixa logo após o nascimento. Isso é causado pela perda de sangue durante o parto, pela perda de líquidos após o nascimento, por infecção ou por medicação administrada à mãe antes do parto. O tratamento geralmente inclui a administração extra de líquidos, de medicação para aumentar a pressão arterial ou de uma transfusão de sangue.

7) Retinopatia da prematuridade (ROP)

Um crescimento anormal dos vasos sanguíneos oculares, denominado ROP, pode por vezes ocorrer nos bebês prematuros, especialmente naqueles que nascerem com antecedência de 12 semanas ou mais. Os médicos decidirão se a ROP desaparecerá sem intervenção externa ou se necessita de tratamento. . O tratamento poderá envolver cirurgia para impedir que o crescimento anormal se mantenha.

8) Taquipnéia transitória do recém-nascido

Respiração rápida, que gradualmente melhora durante as primeiras horas ou dias e que não reaparece. Geralmente é devida ao líquido pulmonar fetal não ser tão bem reabsorvido no bebê prematuro quando comparado ao que acontece nos bebês com gestação completa. Os sintomas da taquipnéia transitória do recém-nascido assemelham-se aos da síndrome do desconforto respiratório e o tratamento em geral envolve a administração suplementar de oxigênio ao bebê através de um capacete de oxigênio ou por pressão respiratória positiva contínua (CPAP).

9) Infecção por Vírus Sincicial Respiratório (VSR)

A infecção originada pelo vírus sincicial respiratório (VSR) é a principal causa de doenças do trato respiratório inferior em bebês prematuros até um ano de idade. O VSR pode causar apnéia, bronquiolite e pneumonia em bebês. Os prematuros fazem parte de um grupo de crianças mais vulneráveis em virtude de seus pulmões estarem fracos, seu sistema imunológico estar pouco desenvolvido e de haver ausência de anticorpos maternos contra o VSR, que são normalmente transferidos da mãe para o bebê através da placenta nos últimos meses de gravidez.

veja também