Beijo na boca

Beijo na boca

Atualizado: Terça-feira, 30 Novembro de 2010 as 2:14

Quem foi adolescente nos anos 60 sabe que só tinha graça ir ao cinema acompanhado se fosse para sentar na última fila. Era ali que se podia beijar à vontade. O beijo era o limite da decência e o máximo permitido, portanto, deveria ser muito bem dado. Beijar bem ou mal se transformou numa grande questão e servia de critério para valorizar ou desprestigiar um namorado. O primeiro beijo, então, nem se fala. Revestia-se de importância especial e era aguardado com ansiedade.

Em muitos grupos circulava um caderno de recordações em que os jovens respondiam a várias perguntas, sendo que uma nunca faltava: "Já beijaste alguém?" Nem todos diziam a verdade, claro, mas as meninas que já haviam sido beijadas, demonstrando superioridade, se dispunham a ensinar às outras como fazer. E o beijo na cena final dos filmes de Hollywood prosseguia na missão de alimentar o ideal romântico de toda uma geração.

Às vezes, o beijo desperta paixões, como aconteceu com Scarlett e Rhett em "E o vento levou", quando a heroína descobre no poder mágico de um beijo a dimensão até então desconhecida da felicidade física, que muda toda a história. Pode também deixar marcas indeléveis na memória, como dizia Brigitte Bardot a Jean-Louis Trintignant em "E Deus criou a mulher": "Se me beijares, nunca mais me esquecerá."

Entretanto, em alguns casos o beijo promove o efeito contrário: o desencanto amoroso. E ninguém sabe bem explicar por quê. Talvez seja mesmo uma questão de química pessoal e a resposta, meramente biológica. Segundo os cientistas, existem substâncias produzidas por glândulas sebáceas dentro da boca e nas bordas dos lábios que, passadas de uma pessoa para outra, provocariam intenso desejo sexual ou sensação de desagrado.

Por tocar tão fundo na alma, apesar de desejado, o beijo também encerra a ideia de perigo. É sabido que as prostitutas se protegem do envolvimento amoroso com seus clientes se recusando a beijá-los. Há mais de dois mil anos, na Grécia, já se temiam as consequências do beijo. Xenofonte, em "Memoráveis", faz seu mestre Sócrates dizer que o beijo de um belo rapaz é mais perigoso do que a picada de uma tarântula, porque o contato dos lábios com um jovem reduz instantaneamente à escravidão o mais velho que se arriscou a ele.As mulheres são as que mais reivindicam o beijo nas relações amorosas, por experimentarem o corpo todo como zona erógena e não, como os homens, predominantemente os órgãos genitais. Shere Hite encontrou várias respostas nesse sentido entre as mulheres que entrevistou para sua pesquisa sobre sexualidade feminina: "Mais beijos, menos pressa, mais ternura."; "Gostaria que nos beijássemos mais frequentemente na boca."; "Quando eu lhe explico que os beijos e as carícias me excitam, ele trata logo de se esquecer."; "O que desejo ardentemente são toneladas de beijos."; "Para mim beijar é muito importante. Às vezes chego quase a gozar."

Pelo jeito, a maioria das mulheres reivindica longos beijos na boca. Entretanto, muitos homens, por conta de uma ideologia machista, aprendem a dar valor somente às sensações de prazer sentidas no pênis, desprezando qualquer outra área do corpo. Trocar um beijo na boca demorado poderia também ter, para alguns, a conotação de estar se entregando demais à mulher e isso ser vivido como ameaça ao controle exercido no ato sexual.

Certa vez, perguntei a algumas pessoas sobre a importância do beijo. Ouvi respostas bem interessantes:

Márcia Peltier (jornalista)

O beijo é uma das coisas mais sinceras do relacionamento humano. É uma doação muito grande. Os gregos diziam que com o beijo se tocava as almas, havendo a união entre elas. A alma sairia da boca pelo beijo. É fundamental para um relacionamento ser verdadeiro. Quando falta beijo, falta amor.

Cláudio Nucci (cantor e compositor)

O beijo é uma das coisas mais gostosas que existem no mundo. Eu não dispenso e sinto que a mulher adora o beijo. E ela sempre terá o meu beijo (risos).

Marília Pêra (atriz)

O beijo na boca é muito íntimo, mais do que o sexo. É uma demonstração enorme de amor, de confiança e de carinho. Acho muito mais difícil numa relação deteriorada um beijo na boca do que uma transa.

Domingos de Oliveira (diretor e ator de teatro e cinema)

Fomos criados pelo cinema americano. Os filmes acabam no beijo, com o casamento estava tudo resolvido pra sempre.

Elza Soares (cantora)

Está tudo aí, na saliva mesmo. Quando o beijo é profundo é que você sente que pode ser a sua alma gêmea. Você vai tomar banho, o beijo está na boca, vai dormir, o beijo está na boca...Tem tanto beijo frio, que não diz nada. Tudo começa pelo beijo.

Arlete Salles (atriz)

O desejo de beijar é a primeira coisa que se manifesta quando se sente atração sexual por alguém. Se o beijo é bom é porque a boca encaixa direito, é gostoso o contato com a pessoa.

Paulo Müller (cirurgião plástico)

O beijo é muito importante, fundamental. É o primeiro contato amoroso que você tem com alguém.

Cristina Pereira (atriz)

Acho que o beijo é a coisa mais esperada numa relação entre duas pessoas. Se o beijo é bom, a chance de o resto ser bom é muito grande.

Tônia Carrero (atriz)

Ai, meu Deus! A coisa que eu mais sinto falta é o beijo. O beijo na boca é uma coisa tão maravilhosa...

veja também