Carícias no namoro. Qual o limite de velocidade? - Coluna Edmilson Mendes

Carícias no namoro. Qual o limite de velocidade? - Coluna Edmilson Mendes

Atualizado: Segunda-feira, 25 Maio de 2009 as 12

Carícias no namoro. Qual o limite de velocidade?

"Foge das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor." - II Timóteo 2:22

Somos apaixonados por carros. Homens e mulheres, em sua maioria, sonham com um carrão.

Imagine a cena, a campainha toca e a surpresa é anunciada: você acaba de ser sorteado no concurso do magazine COMPRE-AQUI-E-PAGUE-CARO-PENSANDO-QUE-PAGA-BARATO-YES! Seu prêmio é este Civic 0Km! Pegue a chave, o carro é seu!

O mensageiro vai embora, você imediatamente entra no seu Civic, coloca a chave no contato, percebe que o carro não é automático e, ops! Falta algo, o acelerador e o freio!

Que problemão, um carrão sem freio e acelerador! É exatamente assim que parece viver boa parte da nossa moçada, como se não tivesse freio e acelerador. Aí, como não usam estas peças, no dia que resolvem usar, usam mal. Ou só freando ou só acelerando.

Somos muito mais que um carrão. Somos a máquina mais perfeita que já fora criada, a obra-prima de Deus e, como tal, Ele exige cuidados e uma ótima manutenção.

Hoje os jovens estão acelerando todo o processo rumo ao paredão das paixões. O resultado é que muitas vezes, na hora H, dada à aceleração e velocidade além do limite, o freio simplesmente não funciona. E então, alta velocidade rumo a um paredão termina em tragédia certa.

A aceleração dos jovens tem uma explicação, eles querem chegar rápido. Mas, invariavelmente, o excesso de velocidade provoca acidentes, riscos, multas, transtornos, perdas e às vezes, até mesmo morte.

Como corrigir esta situação? Paulo recomenda ao jovem Timóteo que acelere, mas na direção oposta do paredão das paixões. Paulo coloca o verbo no imperativo e ordena: Foge! Para Paulo, o freio deve ser usado para brecar a prática das paixões e, o acelerador, para nos levar o mais distante possível delas.

O que são as paixões de que Paulo fala? A palavra grega original é "epithumia". Dentre seus vários significados, destaco dois: cobiça e preocupação pelo desejo desenfreado, sem controle.

Primeiro significado: cobiça. Como sabemos, é um sentimento pecaminoso que não agrada a Deus, praticá-lo é transgredir o décimo mandamento e, como conseqüência da cobiça no namoro, ao usufruir de intimidades abençoadas por Deus somente às pessoas casadas, você está fazendo algo com quem ainda não é totalmente seu ou sua.

Já o segundo significado fala da preocupação por um desejo sem freio e envolvente. Portanto o desejo aumenta, vai ficando incontrolável e, finalmente, ele gera preocupação, desconforto, peso na consciência.

Assim, Paulo apresenta como única e eficaz alternativa a fuga. Qualquer ação diferente, Paulo diria mais ou menos desta forma: "Fique e tente resistir às paixões da mocidade. Quando você estiver totalmente envolvido e fora de controle, cuidado, o paredão das paixões já arrebentou e continuará a arrebentar muita gente!"

Então, qual o limite de velocidade nas carícias do namoro? Até onde se pode ir? Os limites são estabelecidos pelo bom senso e desejo de agradar a Deus, ou seja, Deus não autoriza o sexo no namoro, portanto o limite das carícias termina onde o desejo sexual dá o mais pequenino sinal de despertamento, afinal, um incêndio devastador e destruidor começa com uma pequena faísca.

O que fazer então no tempo de namoro? Paulo tem uma ótima sugestão. Quando manda fugir ele aponta uma direção: "Siga a justiça, a fé, o amor e a paz com os que..." Interessante, não? Ao mandar fugir Paulo orienta a moçada a se refugiar na terra da verdadeira comunhão.

Em muitas páginas da Bíblia eu encontro justiça, fé, amor e paz, mas vale destacar algumas. No livro de Cantares, onde o amor de um homem e uma mulher é magnificamente narrado e, nos evangelhos, onde o amor de José e Maria chama a atenção. O amor, com todas as suas virtudes e desejos, não surgiu para estes personagens bíblicos somente após o casamento, antes já existia e, sem dúvida, era expressado com respeito e carinho, atitudes indispensáveis para se demonstrar justiça, fé, amor e paz.

Por último, quem consegue fugir? O final do versículo responde: aquele que tem um coração puro e invoca ao Senhor! Tal pureza e paz na consciência para falar ousadamente com Deus, só conseguimos longe das paixões. Pois as paixões nos oprimem, nos escravizam e nos derrubam.

Namore com sabedoria. Transmita com seu carinho respeito pelo outro, amor pela vida e salvação do outro. Eu sei, é difícil, se fosse fácil Paulo não mandaria fugir, concorda? Então, como máquina perfeita criada por Deus, sabe o que você deve fazer? Convide Jesus para andar no seu carrão. Já convidou? Não deu certo? Lógico que não deu. Você o convidou para ver seu desempenho ao volante. O que estou sugerindo é que dê a chave da sua vida a Jesus, deixe-O dirigir, Ele sabe a direção, o limite e a velocidade. Com Ele você chegará à sua tão sonhada e plena realização, com brilho, prazer, carícias e muito amor.

Paz!

Edmilson Ferreira Mendes é teólogo. Atua profissionalmente há mais de 20 anos na área de Propaganda e Marketing. Voluntariamente, exerce o pastorado há mais de dez anos. Além de conferencista e preletor em vários eventos, também é escritor, tendo escrito quatro livros: '"Adolescência Virtual", "Por que esta geração não acorda?", "Caminhos" e "Aliança".

veja também