Casamento perfeito: como ser feliz a dois

Casamento perfeito: como ser feliz a dois

Atualizado: Terça-feira, 6 Julho de 2010 as 10:15

Deus sabe que isso não é o tipo de coisa que os homens costumam alardear. Mas minha mulher e eu temos um casamento ridiculamente feliz. Verdade, é quase revoltante. Nós nos tocamos em público, fazemos tolices, como dois bobalhões. Fundamentalmente, nós agimos como recém-casados. Algumas vezes chegamos a fazer coisas totalmente infantis - como sentar na cama e desenhar rostos sorridentes na sola dos pés um do outro. Isso, aliás, aconteceu na semana passada.

Nem sempre foi assim. Não me envergonho de admitir que nossa atual felicidade conjugal é, na verdade, resultado de quase um ano de aconselhamento - anos atrás parecíamos destinados ao fracasso. O que nós aprendemos é algo que todo casal feliz no final das contas acaba descobrindo: um bom casamento é em parte como um bicho de estimação - ou você o alimenta direito todo dia ou coisas ruins acontecem. ''Hábitos diários ajudam a produzir relações sólidas'', diz a terapeuta de casais Tina Tessina. ''Se está interessada em fazer seu relacionamento funcionar, pequenos rituais são uma ótima forma de chegar lá.''

Quer exemplos? Nem é preciso ir longe. Tessina e seu marido desenvolveram um banco de dados com rituais diários durante seus 19 anos de casamento. Toda manhã eles repetem juras de amor um para o outro, preparam encontros românticos regulares e, antes de sair, Tina deixa um post-it para o marido (''Olá, amor! Tenha um ótimo dia!'') colado na tampa da privada. "Todo casamento tem o que eu chamo de reservatório, a energia emocional armazenada da relação'', diz Tessina. ''Embora esses hábitos diários sejam todos muito simples, eles ajudam a encher o reservatório. Quando o relacionamento estiver sob stress, vocês terão exatamente o que precisam para superar isso.''

Pedimos a casais felizes para revelar seus pequenos rituais, capazes de fortalecer a relação. Tente incorporar alguns deles no seu cotidiano e talvez você possa ser tão ridiculamente feliz no casamento como eu sou.

Hábitos dos casais felizes

Conheça as 5 atitudes que deixarão o seu casamento ainda melhor

Hábito diário 1 - conversar um com o outro

Quer saber o que é mais importante para um casamento bem-sucedido? Casais felizes dizem que o relacionamento funciona melhor quando sentem que podem sentar e conversar sobre tudo. Mas quem tem tempo para isso? Qualquer pessoa que durma à noite - se você seguir o exemplo de Julia e Tom. ''Tudo começou em uma noite de inverno, anos atrás, depois de a Julia ter tido um dia péssimo no trabalho'', conta Tom, um diretor de marketing de 33 anos. ''Nós estávamos debaixo das cobertas e a Julia disse que as pessoas que estragaram o seu dia eram uns ursos polares terríveis e que nenhum deles entraria no quarto, pois a nossa cama era um abrigo. Aí batizamos a cama de iglu.''

Julia, 31 anos, completa: ''É o nosso pequeno santuário, onde somente coisas boas acontecem''. Julia e Tom aproveitam as excursões noturnas ao iglu para conversar sobre vários assuntos - e isso se transformou em uma parte vital do casamento de cinco anos. ''Se nós não reservássemos esse tempo apenas para nos conectarmos, a vida não seria tão fácil'', diz ela.

Claro que você não precisa dar apelidos engraçadinhos aos principais móveis e utensílios para melhorar a comunicação no seu casamento. Vocês simplesmente têm de destinar alguns minutos todos os dias para bater papo a dois. E há várias formas de fazer isso.

Lorena, 34 anos, e Jorge, 29, casados e felizes, mantêm um ritual noturno que eles chamam de ''momento de aconchego''. É quando Lorena se aninha no ombro de Jorge e eles tagarelam. ''O nome é uma pequena debilidade nossa'', admite Lorena. ''Mas é uma maneira agradável de estarmos juntos.'' Toda noite, outro casal, Angela e Eric, caminha com seu cãozinho chihuahua, Thor, pelas ruas. Enquanto o mantêm longe de brigas com cachorros que ele nunca teria condições de enfrentar (''Thor tem um pouco de complexo de Napoleão'', diz Eric), aproveitam o tempo para fortalecer seu relacionamento de 11 anos.

Tim e Jenifer, mais um casal feliz, ficam um tanto envergonhados ao confessar que se falam do trabalho ''três e até quatro vezes por dia''. ''Pode chegar a uma meia dúzia de vezes'', admite Tim. (Jenifer diz, um pouco mais audaciosamente: ''Ele é meu melhor amigo e o nosso casamento é uma grande parceria. Então, não há ninguém com quem eu goste mais de conversar''.)

Hábito diário 2 - flertar

Quando estava com 14 anos, você provavelmente imaginava que, a partir do momento em que se casasse, teria sexo todo dia. (Bem, talvez mocinhas adolescentes não pensem dessa forma. Mas, deixe-me dizer, garotos nessa idade com certeza pensam.)

Já crescidos, porém, os casais entendem que isso não é possível. Não significa que você não possa ao menos falar de sexo todo dia - e é o que Ed e Sofia têm feito nos seis anos em que estão juntos. ''Sabemos que muitos casais brigam demais por causa da freqüência com que fazem sexo. O marido acredita que não transam o suficiente, a mulher, por sua vez, acha que ele só pensa nisso'', diz Ed, 33 anos. ''Nunca tivemos tal problema e eu creio que isso tem muito a ver com o fato de vivermos falando de sexo um com o outro.'' Sofia, 32 anos, detalha: ''Fazemos elogios mútuos, confessamos nossas fantasias, contamos como estamos excitados. É como se ele pudesse ter sexo sempre, enquanto eu me sinto tranqüila por não precisar transar o tempo todo para parecer atraente''. Sofia vai ainda mais longe. ''Costumo colocar de outra forma: digo que sexo é como bolo de chocolate.

Depois de cinco dias comendo aquilo, até mesmo um bolo de chocolate não parece mais tão gostoso assim.'' Ed arremata: ''Mas depois de cinco dias falando disso... bom, aí, aquele bolo vira algo pra lá de delicioso''.

Hábito diário 3 - permitir-se bobeiras a dois

Acompanhe a divertida conversa de Eric e Angela sobre o passatempo predileto deles.

Nós somos tão bobos. Isto é verdadeiramente patético, quase uma doença.''

Mas isso nos faz felizes!''

É tão estúpido que nos diverte.''

É o nosso prazer culpado.''

Eles parecem um tanto tímidos, mas é que estão envergonhados de admitir que o ritual diário que traz alegria para o casamento nada mais é do que... programas de tevê no estilo baixaria, às vezes bem sem graça.

''Honestamente, eu acho que nós precisamos ser tolos de vez em quando'', diz Eric, 37 anos, que é designer de calçados. ''Somos muito dedicados à carreira. E, no trabalho, você sempre enfrenta muito stress. Então, gosta de chegar em casa e relaxar.'' Ou, como diz Angela, executiva de marketing de 36 anos: ''A vida já é bastante séria, não é mesmo? Às vezes você precisa fazer algo tonto. E, se não puder ser tonta com o seu marido, com quem mais poderá ser?''

Hábito diário - 4 declarar sua independência

Pense bem: será que é bom, para a alegria doméstica, deixar o parceiro sufocado em rituais diários obsessivos (''Amorzinho, não se esqueça, às 7h15 temos nosso momento de aconchego, seguido da confirmação de nossas juras de amor e do flerte diário. Aí, a partir das 8 horas, vamos assistir aos programas de tevê que adoramos'')? Dificilmente. Aliás, Tessina afirma que, para qualquer casamento, apenas repetir uma série de rotinas vazias é pior do que não ter rotina alguma.

A solução é planejar freqüentemente programas individuais. ''Acho que todo mundo lembra aquele dito: & O ponto não é ficar arrumando desculpa para afastamentos, mas perseguir seus próprios hobbies e interesses. Uma distinção que Jorge tentou arduamente explicar para Lorena durante as delicadas negociações pré-nupciais quatro anos atrás. ''Como mulher, você aprende que deve gastar cada segundo acordada com o seu marido, e ponto final'', diz Lorena. ''Acontece que os meus pais realmente gastam cada segundo juntos - e são felizes. Então, cresci achando que é assim que tem de ser. Mas, quando toquei no assunto com o Jorge, ele não concordou. Jorge, cujos pais se divorciaram há sete anos, quando ele estava com 22, explica por quê: ''Sim, meus pais gastavam cada momento juntos - mas estavam o tempo todo se esgoelando, batendo boca.'' Lorena continua: ''O Jorge precisou me convencer de que ter vida própria era uma boa idéia pra nós. E estou agradecida por ele ter feito isso''.

Jorge, funcionário de uma organização não-governamental, gasta suas noites de independência tendo aulas de pintura e de violão e fazendo trabalho voluntário. Lorena, uma professora universitária, usa todas as suas horas livres dirigindo peças de teatro amador e assistindo a filmes e mais filmes na tevê a cabo & Hábito diário 5 - compartilhar algum momento espiritual

Partilhar uma vida espiritual - o que pode significar apenas umas palavras de agradecimento na hora do jantar ou algum momento dedicado à meditação - ajuda a manter próximos vários casais. Douglas e Beth já descobriram os benefícios da oração diária. ''Estamos casados há sete anos, mas rezamos juntos há cerca de um'', conta Douglas, um bioquímico de 32 anos. ''No passado, se estávamos diante de grandes decisões, tínhamos discussões e mais discussões. Nunca chegávamos realmente a uma conclusão definitiva.''

Depois de duas mudanças de cidade, do nascimento dos três filhos e de duas trocas de emprego - tudo no intervalo de quatro anos -, as grandes decisões começaram a desgastar o relacionamento. Então, quando Beth convidou Douglas, que nunca foi praticante, para momentos de recolhimento espiritual a dois, ele calculou que eles não tinham nada a perder.

''Logo descobri que, quando a gente recorre a um poder superior, seja qual for, pedindo pelos outros, entende o sentido das palavras generosidade e integração. Eu nunca havia previsto isso para nós, mas funciona'', diz Douglas. Beth acrescenta: ''Por pior que um problema possa parecer, rezar juntos sempre nos ajuda a ver além. Nem é preciso dispor de muito tempo. Bastam uns minutos por dia. Acho que é a coisa mais íntima que você pode fazer com outra pessoa.''

Por: Ty Wenger

veja também