Casar por que? Casar pra que?

Casar por que? Casar pra que?

Atualizado: Segunda-feira, 28 Janeiro de 2008 as 12

Coluna: Pr. Luciano Avelino

Casar por que? Casar pra que?

Um dos fatores determinantes, se não o mais importante deles, para o sucesso conjugal são os "porquês" do casamento. No aconselhamento pré-nupcial estamos sujeitos aos mais diversos motivos possíveis e imagináveis apresentados como razões para o casamento. Desde o desejo de se ver livre de pais severos e repressores, passando pela busca da ascensão social, pressões sociais pela idade avançada, expectativas irreais da conquista da felicidade, dificuldade em conter o desejo sexual, conselhos de irmãos da igreja, solidão, curiosidade etc. Tudo isso faz parte de uma relação de razões que podem estar ocultas no coração de pessoas que se dizem prontas para o casamento.

Antes de tomar a importante e definitiva decisão de se casar, é preciso que os noivos tenham bem claras na mente quais são as motivações para esse amor. Eles precisam detectar se são do tipo dos que "amam porque" ou dos que "amam apesar de", pois quando o "porque" acaba o amor não resiste.

Um "príncipe encantado" alto, loiro e de olhos azuis é o protagonista dos sonhos de dez entre dez adolescentes. Mas, na hora de decidir com quem se vai casar, os atributos físicos não podem e não devem ser determinantes. O amor vai muito além das aparências e dos padrões. E, sem risco de errar, tem mais chances de sucesso o casamento em que os noivos se amam apesar de. Apesar dos quilinhos a mais, da careca, da baixa estatura, da condição social humilde etc. do que os baseados em valores efêmeros, como beleza, dinheiro e posição social.

Lembro-me de uma ilustração na qual um rapaz casadoiro pedia a Deus uma mulher com sorriso lindo, cabelos lisos e longos e que cantasse bem. Estes, segundo ele, seriam os pré-requisitos básicos para a sua felicidade no casamento. Pois bem, diz a história que, aos vinte e poucos anos, o rapaz encontrou sua musa. Maria tinha dentes brancos, lábios carnudos, sorriso encantador. Seus cabelos eram negros, longos e lisos e, para completar a bênção, ela cantava como um pássaro. Casaram-se e foram felizes até que, meses depois, Maria sofreu um acidente onde perdeu todos os dentes, teve o couro cabeludo queimado e, conseqüentemente, ficou careca e banguela. Diante desse novo quadro, todas as noites ao se deparar com figura tão desprovida de beleza, o rapaz sonhador virava-se para o outro lado da cama e dizia: "Canta, Maria, canta". Afinal, a voz foi o único atrativo que restou à sua "princesa encantada".

Essa história é engraçada, mas tem seu fundo de realidade. Os noivos devem estar conscientes de que o que realmente contará para o sucesso do casamento serão valores inabaláveis como a fé, o amor, a fidelidade e a firmeza de caráter.  A beleza passa, o dinheiro pode se acabar, o bom emprego pode ir embora, mas as qualidades valorizadas e cultivadas por Deus permanecerão para sempre.

Luciano Avelino é pastor e teólogo. Juntamente com sua esposa, Myrian Rosário, atua no ministério de aconselhamento de casais, noivos, jovens e adolescentes.

veja também