Clínica abrirá 50 centros para falar de aborto em escolas dos EUA

Embora os centros não ofereçam abortos cirúrgicos, haverá aconselhamento sobre contracepção de emergência, teste e tratamento de DST e opções de controle de natalidade.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Quarta-feira, 18 Dezembro de 2019 as 11:55

Disfarçados com a proposta de serem "centros de bem-estar", os locais servirão para falar sobre possibilidades de controle parental com as adolescentes, sobretudo um aborto cirúrco. (Foto: Getty Immages)
Disfarçados com a proposta de serem "centros de bem-estar", os locais servirão para falar sobre possibilidades de controle parental com as adolescentes, sobretudo um aborto cirúrco. (Foto: Getty Immages)

A gigante abortista americana Planned Parenthood de Los Angeles, CA, anunciou seu esforço conjunto com a cidade para abrir 50 centros de "saúde" nas escolas do condado de LA.

O condado fornecerá US$ 10 milhões em financiamento para o novo projeto nos próximos cinco anos, com a maior provedora de abortos do país, faturando US$ 5 milhões, segundo o The Los Angeles Times.

Em um comunicado à imprensa, a Planned Parenthood apontou esse novo empreendimento como uma "colaboração inédita" para atender às "necessidades sociais, emocionais e de saúde sexual das jovens em todo o condado de Los Angeles".

Cinco desses centros, que a Planned Parenthood chama de "Centros de Bem-Estar", já foram abertos em áreas de baixa renda do distrito escolar. A Planned Parenthood diz que esses centros devem oferecer um local "seguro" dentro da própria escola, "onde os alunos possam receber os serviços de educação e saúde necessários para levar uma vida saudável".

Embora os centros não ofereçam abortos cirúrgicos, eles oferecerão "aconselhamento sobre opções de gravidez", contracepção de emergência, teste e tratamento de DST e opções de controle de natalidade.

"Encontrar apoio para lidar com essas questões geralmente exige que os alunos saiam do campus e isso significa tempo longe das aulas, dinheiro para transporte e dar satisfação a outras pessoas, todos os obstáculos que parecem grandes para os adolescentes", disse Sue Dunlap, CEO da Planned Parenthood em Los Angeles.

Estratégia camuflada

Tony Perkins, presidente do Conselho de Pesquisa da Família, critica este novo empreendimento no site da FRC, dizendo que esse novo modelo é uma maneira da Planned Parenthood obter acesso a novas perspectivas de negócios e ignorar os pais por completo.

"Com a ajuda dos distritos locais, o lobby do aborto não precisa esperar que os adolescentes os procurem. Eles podem ir diretamente aos estudantes - sem que os pais descubram. Para a Planned Parenthood, que está tentando desesperadamente arranjar novos negócios, isso é um sonho tornado realidade ", escreveu Perkins.

Esse novo modelo de negócios para a maior provedora de abortos do país ocorre em um momento em que o número de mulheres que fazem abortos cirúrgicos é o mais baixo de todos os tempos, o menor desde a decisão Roe v. Wade de legalizar o aborto em todo o país em 1973.

O jornal 'The Times' fornece informações sobre como o novo sistema funciona. O jornal entrevistou uma estudante de uma escola que queria começar a ter relações sexuais com o namorado, mas não queria falar com a mãe sobre contracepção e não poderia ir a uma consulta médica sozinha. A Califórnia permite que menores de 13 anos obtenham controle de natalidade sem o consentimento dos pais. Assim, como noticiou o jornal, com o novo "Centro de Bem-Estar" convenientemente na escola, o problema foi resolvido; foi fácil. Mamãe nunca precisou saber.

"A estudante do ensino médio, que pediu para não ser identificada para proteger sua privacidade, disse que, com o aconselhamento da clínica, decidiu iniciar a pílula anticoncepcional. Sem essa ajuda, ela disse, ela pode não ter procurado nenhuma experiência".

"[O centro] Está no campus - não havia desculpa para não ir", disse ela.

Obviamente, se a pílula falhar, ela poderá obter um encaminhamento pronto para um aborto em uma clínica da Planned Parenthood.

E é certo que as pílulas anticoncepcionais não protegem contra doenças sexualmente transmissíveis.

Contexto

Os Centros de Controle de Doenças (CDC) relatam que as infecções sexualmente transmissíveis (DST) têm aumentado em todo o país desde 2013. Na Califórnia, as pessoas de 15 a 24 anos representavam metade das infectadas por gonorreia e quase um terço dos casos de clamídia no Golden State. no ano passado, embora representem apenas 20% da população, de acordo com o Departamento de Saúde Pública da Califórnia.

Portanto, a pergunta torna-se: a educação sexual abrangente, como a promulgada pela Planned Parenthood em seus novos centros escolares, é a resposta para esses problemas?

Um relatório do Centro de Controle de Doenças dos EUA (CDC) de 2016 mostrou o que funciona melhor. O estudo descobriu que os jovens que são virgens têm os hábitos de vida mais saudáveis.

Em seu relatório, o Federalist observou a singularidade deste estudo.

"O que torna este relatório particularmente interessante, além de categorizar por atividade sexual, é examinar comportamentos de saúde e segurança variados, desde o uso de capacete e cinto de segurança até abuso de substâncias, dieta, consultas médicas, exercícios e até uso de camas de bronzeamento", autor Glenn T. Shannon escreveu para o site de notícias.

Com cinco centros já operacionais antes do anúncio público, o plano da Planned Parenthood é abrir mais 16 clínicas em todo o condado de LA no próximo ano e continuar até atingir um número total de 50.

Barbara Ferrer, chefe do Departamento de Saúde Pública do condado de L.A., disse ao Times que o objetivo "depois de cinco anos, será reduzir o absenteísmo e ver uma diminuição nos testes positivos de DST nas clínicas".

veja também