Clínica ganhou 25 mil dólares com venda de bebês abortados em três meses, nos EUA

Documentos da 'Planned Parenthood' acessados mostram um 'contrato' entre uma empresa de biotecnologia e uma unidade da rede de clínicas de aborto.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: sexta-feira, 17 de abril de 2020 15:10
Militante pró-vida segura nas mães uma representação de bebê em idade gestacional. (Foto: AFP)
Militante pró-vida segura nas mães uma representação de bebê em idade gestacional. (Foto: AFP)

Documentos da maior rede de clínicas de aborto dos EUA foram acessados recentemente e mostraram que, ao longo de três meses em 2012, a ‘Planned Parenthood’ nos EUA, recebeu milhares de dólares pelas partes dos corpos de bebês abortados. Os valores correspondem às vendas de partes, tecidos e corpos inteiros de bebês abortados, que foram vendidos clandestinamente em razão de sua "utilidade".

Embora a gigante abortista tenha negado por muito tempo as acusações de que lucrava com essa troca — insistindo que só seria reembolsada por custos relevantes — as faturas anteriormente não lacradas, que foram redigidas, mostram, por exemplo, que a unidade Planned Parenthood, em Mar Monte, na Califórnia faturou cerca de US$ 25.000 de uma empresa de biotecnologia chamada ‘StemExpress’ em julho, Agosto e setembro de 2012 para amostras de órgãos fetais colhidos de abortos e sangue materno, segundo vários relatórios.

Outros documentos mostram um contrato renovável entre o mesmo local da Planned Parenthood e o StemExpress a partir de abril de 2010, a StemExpress pagaria US$ 55 por cada espécime "determinado na clínica como utilizável" e US $ 10 por cada amostra de sangue. O contrato designa os pagamentos como reembolso por "custos razoáveis".

O contrato também define como um “produto” da concepção, "qualquer órgão fetal ou outro material fetal ou placentário retirado de um útero humano durante um aborto".

Um órgão fetal é definido como "o rim humano, coração, pulmão, pâncreas, medula óssea, córnea, olho, osso e pele ou qualquer subparte do mesmo e qualquer outro órgão humano ou subparte como proveniente de um feto".

Histórico

O surgimento dos documentos é resultado de longas investigações sobre a Planned Parenthood, à luz da investigação secreta do jornalista pró-vida David Daleiden, ligado ao Centro pelo Progresso Médico. No verão de 2015, o grupo começou a postar imagens de vídeo obtidas enquanto por David, que disfarçado, entrevistando os principais executivos e médicos da Planned Parenthood. Os profissionais falavam com desdém sobre os procedimentos de aborto que executam para obter órgãos e tecidos fetais intactos.

Desde então, a Planned Parenthood entrou com ações contra Daleiden no Texas e na Califórnia, enquanto continuava afirmando que seus vídeos foram “editados enganosamente”. As acusações contra ele no Texas foram descartadas, mas na Califórnia, a gigante abortista foi indenizada em mais de US $ 2 milhões em novembro. Os advogados de Daleiden disseram que vão recorrer da ação.

Fato é que, contraditoriamente, após negar as acusações de que fazia a venda clandestina, a Planned Parenthood disse após a publicação dos vídeos que “deixaria de fornecer esse tecido e não aceitaria mais o pagamento”.

Embora os documentos tenham sido citados recentemente, eles já haviam sido referenciados e publicados em uma investigação do Congresso em 2016. A fatura de 2012 mostrando o pagamento de aproximadamente US $ 25.000 para a Planned Parenthood também foi publicada, mas com as partes envolvidas, número da fatura e condições de pagamento redigidos.

Siga-nos

Mais do Guiame