Como manter um casamento

Como manter um casamento

Atualizado: Quinta-feira, 9 Junho de 2011 as 10:38

Para viver em harmonia, qualquer casal precisa, além de muito amor, de uma boa dose de dedicação mútua. Confira, a seguir, dicas de especialistas no assunto para fortalecer o compromisso a dois e manter sua relação feliz e estável

Para muitos, comprometimento é sinônimo de aprisionamento, de limitação, de perda da individualidade. Porém, em uma relação profunda, cooperativa e afetuosa, esta palavra ganha uma conotação bem mais leve e positiva e passa mesmo a ser algo natural e muito bem-vindo que só tende a aumentar o vínculo entre o casal.

  "Sentir-se comprometido é o que denota a estabilidade de uma relação", afirma Ailton Amélio, mestre e doutor em psicologia e professor de Relacionamento Amoroso dos cursos de graduação e pós-graduação do Instituto de Psicologia da USP. Para Ailton, o vínculo está longe de ser uma amarra na vida da pessoa quando esta tem ao seu lado um parceiro que "dá apoio, é compreensivo, assume o ponto de vista do outro e é aliado incondicional".

  A seguir, você acompanha algumas práticas sugeridas por Ailton Amélio e Mônica Martinez no livro Para viver um grande amor (Editora Gente) para fortalecer ainda mais o compromisso entre você e a pessoa amada.  

Dialogo

A conversação é um dos pilares fundamentais de uma relação saudável. É por meio dela que os acontecimentos que afetam o casal são compreendidos, validados e compartilhados. Existem estudiosos que colocam a comunicação como um instinto tão vital quanto o da sobrevivência. O fato é que ela influencia fortemente a criação da intimidade e das ligações afetivas com o parceiro. "Vários mecanismos de apego são disparados quando percebemos, por meio da comunicação, que o outro nos aceita e nos acha importantes", explica Dr. Ailton. Conversas significativas apóiam, validam o parceiro, ampliam as informações e permitem momentos de auto-revelação. "Compartilhar com o parceiro o que se passa com você intimamente – suas motivações, projetos e preocupações – e em atividades onde ele não estava presente reaviva de forma prazerosa o relacionamento", aconselha o psicólogo.

Confiança

A confiabilidade de uma pessoa é requisito para quase todos os tipos de relacionamento (profissional, amoroso ou em amizades). Ter alguém confiável na vida é uma espécie de seguro: mesmo que não o usemos, saber que ele existe nos dá tranqüilidade e nos faz sentir bem. Para manter a confiança, vale tomar certas precauções, como evitar ativamente pessoas e situações que possam ameaçar o comprometimento com o parceiro (ficar a sós com pessoas pelas quais existe uma certa atração física, por exemplo)

Companheirismo

Mostre que seu parceiro pode recorrer a você sempre que precisar. Ligue, pergunte, se interesse por coisas que estão ocorrendo com ele. "Uma das principais formas de criar a sensação de compromisso com outra pessoa é incluí-la nos planos: onde passar o fim de ano, as férias, como construir uma casa ou simplesmente programar o final de semana. Isso habilita ao outra a fazer sacrifícios no presente em prol da relação no futuro. Obviamente, não basta falar. Tem de incluir ações, senão as promessas perdem a credibilidade", orienta Dr. Ailton.   Vida sexual Há quem subestime a compatibilidade sexual. Porém, o sexo é um dos ingredientes essenciais da parceria amorosa e a satisfação nesse setor afeta todas as áreas do relacionamento. "Ainda hoje, na hora de escolher o parceiro, muita gente não dá a devida importância para o fato, confiando que a vida sexual vá se desenvolver posteriormente – o que é uma loteria, pois você corre o risco de se casar com uma esperança sexual que jamais se concretize", afirma Dr. Ailton. Como acredita o psicólogo, decisivo para uma boa relação sexual não é o aprendizado de técnicas, mas o vínculo emocional: "a consideração entre os parceiros, o quanto eles se gostam, quanto respeitam seus ritmos, preenchem o ideal de parceiro um do outro e se entregam ao ato... Enfim, em vez de sexo centrado em sexo, o que funciona é o sexo centrado na pessoa", conclui.

veja também