Como se reabilitar de uma decepção ou da perda de um amor

Como se reabilitar de uma decepção ou da perda de um amor

Atualizado: Quinta-feira, 19 Maio de 2011 as 9:50

Quem nunca teve a impressão de que o coração estava literalmente partido diante da perda de um amor ou de uma decepção amorosa? Saiba que não é só impressão. Segundo a medicina, o coração realmente sofre, e muito, quando acabamos um relacionamento ou perdemos um ente querido, por exemplo. Essa dor não é apenas uma metáfora, simbólica, é sentida e pode trazer riscos à saúde física. É a chamada Síndrome do coração partido. Mas o que exatamente significa isso e quais são os sintomas?

“A Síndrome do coração partido, ou Takotsubo, foi descrita por pesquisadores japoneses no início da década de 90. É uma cardiopatia induzida pelo estresse, depois de emoções intensas, onde o coração apresenta movimento anormal da parede do ventrículo esquerdo (principal câmara cardíaca que ejeta sangue para todo o organismo), levando a sintomas semelhantes aos do infarto e com características transitórias. É temporária e reversível”, diz o cardiologista Hélio Castello, da Angiocardio, em São Paulo.

Sintomas

 “São semelhantes ao infarto do miocárdio, com dor no peito, falta de ar e alterações do eletrocardiograma. Apenas 20% podem evoluir de forma grave e uma vez revertido o quadro, não há sequelas ao coração”, afirma Castello.

Outras emoções negativas também corroboram para a evolução de doenças cardíacas. “O estresse emocional é um fator de risco para desencadear crises de doenças cardiovasculares, com pioras clínicas, pois pode levar ao aumento dos níveis de pressão arterial, a uma maior chance de desencadear arritmias e contrição dos vasos, levando a menor oxigenação dos órgãos. Dessa forma, o estresse deve ser controlado com medidas que propiciem melhores condições de saúde e um estilo de vida mais saudável”, salienta o médico.

Vivenciando a dor

Se do ponto de vista clínico a decepção faz mal ao coração, do ponto de vista psicológico também. Mas de que forma podemos nos curar de uma decepção amorosa?  Silmar Coelho, doutor em psicologia e liderança pela Universidade de Tulsa, nos Estados Unidos, aconselha a refletir sobre essa dor e entender que a experiência deve ser olhada pelo lado positivo. “É importante refletir sobre o fim de um relacionamento, não ver apenas o lado negativo, mas tirar lições dali que possam acrescentar. Também é importante conversar com alguém que possa dar conselhos plausíveis e continuar com o coração aberto para um novo relacionamento”, explica.

Outro ponto que deve ser levado em consideração, segundo o psicólogo, é nunca começar um relacionamento se ainda não se livrou de mágoas e decepções do passado. “Nunca se deve iniciar uma nova relação com assuntos inacabados. Quem está magoado precisa se curar e perdoar antes de partir para um novo relacionamento”.  E para quem foi tão magoado e fechou-se para o amor ele aconselha: “Amar é sempre melhor do que não amar. Quem se fecha para a vida acaba doente em todos os sentidos.”

Dando a volta por cima

Mas será que dá pra sair de um relacionamento sem sofrer tanto? Como colocar em prática a frase sacudir a poeira e dar a volta por cima? “Em primeiro lugar, perdoando, não guardando rancor ou amargura, encarando o acontecido como algo normal, que a dor faz parte da vida. Mas não é preciso carregá-la para sempre, não se sentido culpado nem diminuindo a sua autoestima”, finaliza Coelho.   “Achei que fosse morrer”   Cris, 26 anos, profissional de Marketing que prefere não ter o seu sobrenome revelado, relata uma decepção que sofreu e como deu a volta por cima: “Estava tudo pronto para nos casarmos. Eu achava que ele era o homem da minha vida. Nos conhecíamos desde criança, foi meu namorado desde a adolescência. Ficamos 7 anos juntos. Pouco tempo antes do casamento, ele colocou um ponto final em nosso compromisso. Só pelo fato de terminar o noivado já foi um grande baque pra mim. E quando descobri então que ele tinha outra pessoa, que estava grávida dele, achei que fosse morrer.

Sofri muito. Tive várias crises de choro. Cheguei a me achar a última pessoa da face da Terra. Fora os sentimentos que entravam em conflito: era uma saudade intensa, um amor que não tinha fim, uma decepção muito grande e uma dor terrível. Achava que meu coração não fosse aguentar.

Demorou muito, mas depois de um tempo, melhorei. Me voltei para Deus, busquei a minha cura através da fé e hoje, 3 anos depois, estou conhecendo uma outra pessoa e, graças a Deus, estou livre do passado. Sozinha eu sei que não conseguiria me livrar dessa decepção. Foi com muito choro, mas, principalmente, com força de vontade e muita oração, que consegui me recuperar.”  

veja também