Conheça as tecnologias que permitem realizar o sonho da maternidade

Conheça as tecnologias que permitem realizar o sonho da maternidade

Atualizado: Terça-feira, 9 Dezembro de 2008 as 12

Os avanços na área da reprodução humana são a esperança para muitos casais que desejam gerar um bebê. Entretanto, as dúvidas ainda são muitas quando o assunto é a técnica mais indicada. "Mesmo os casais com diagnóstico negativo têm a possibilidade de ter filhos. Por isso, é importante buscar ajuda especializada para indicar um tratamento específico e individualizado, considera o ginecologista e diretor do Centro de Reprodução Humana Curitiba, Dr. Ricardo Beck.

O médico e a bióloga Elisângela Böhme, do Centro de Reprodução Humana Curitiba, explicam as técnicas de reprodução assistida e congelamento e qual a indicação para cada caso.

• Inseminação intra-uterina ou artificial

A técnica: É uma das técnicas mais simples de reprodução assistida. Consiste em estimular a ovulação e melhorar as condições do sêmen em laboratório, para então depositá-lo em lugar mais próximo do local da fecundação. A chance de sucesso dessa técnica é de 20% por ciclo, índice semelhante ao de casais que não apresentam problemas de fertilidade.

Indicação: Para alguns casos de esterilidade masculina, quando há alterações na interação entre os espermatozóides e o muco do canal cervical da mulher e em casos de esterilidade sem causa aparente.

• Inseminação artificial com sêmen de doador

A técnica: Semelhante à inseminação intra-uterina, difere somente pelo fato dos espermatozóides serem obtidos de um doador previamente selecionado.

Indicação: Nos casos de azospermia (ausência total de espermatozóides) e em situações em que existe risco de transmitir uma doença genética para os filhos.

• FIV – Fertilização In Vitro

A técnica: Existem duas variações de Fertilização In Vitro. A clássica e a ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozóides). Na clássica, os óvulos são colocados em ambiente propício e inseminados com um número predeterminado de espermatozóides, ocorrendo então a fertilização de forma espontânea. Na ICSI, os óvulos são inseminados com o auxílio de um microscópio, que permite a colocação de um único espermatozóide no interior do óvulo, aumentando a chance de ocorrer a fertilização.

Indicação: Quando outras técnicas, como a inseminação intra-uterina, não obtiveram êxito ou nos casos de obstrução ou danos das trompas, endometriose moderada ou severa, infertilidade sem causa aparente e para casos de números de espermatozóides baixos, quando a ICSI é mais indicada.

• Vitrificação e Criopreservação

A técnica vitrificação: É uma técnica de congelamento dos óvulos ou embriões, na qual se faz um resfriamento rápido, não dando chance para a formação de cristais de gelo no interior das células e reduzindo a perda do material.

A técnica criopreservação: Consiste no congelamento gradual do sêmen em nitrogênio líquido, que inicia com a temperatura ambiente até ser totalmente congelado.

Indicação: A vitrificação e a criopreservação são indicadas para pessoas que queiram preservar sua fertilidade ao longo do tempo e também pode ser uma opção para pacientes de ambos os sexos, que estão em tratamento de câncer ou que têm algum problema de saúde que pode comprometer a capacidade reprodutiva.

Depois de congelados, os materiais são guardados em contêineres de nitrogênio líquido, divididos em recipientes com paletas coloridas. O processo para engravidar é descongelar os óvulos ou espermatozóides que foram preservados com as técnicas de congelamento, e em seguida fazer a fertilização In Vitro. "No Brasil, o tempo de armazenamento do material é indeterminado e não há perigo de ser danificado", ressalta a bióloga Elisângela Böhme.

veja também