Consumo de isotônicos pode prejudicar crianças

Consumo de isotônicos pode prejudicar crianças

Atualizado: Terça-feira, 16 Dezembro de 2008 as 12

Com chegada do Verão, os cuidados com a hidratação corporal devem ser redobrados. Em dias quentes, a transpiração é maior para que o organismo se refresque e mantenha a temperatura regular de 36 graus. Conseqüentemente, há a perda de água e eletrólitos (sódio, potássio, magnésio e cloro), causando a desidratação.

"É importante beber muita água e sucos naturais, principalmente na beira do mar e da piscina, onde a sensação térmica é maior e a eliminação de líquidos também", afirma Patricia Ramos, coordenadora do Serviço de Nutrição e Gastronomia (SNG) do Hospital Bandeirantes.

Apesar de ser moda, principalmente entre jovens e esportistas, o uso de isotônicos deve ser evitado. "A indicação deste tipo de bebida é para pessoas que praticam exercícios físicos de alta intensidade (atletas ou esportistas com acompanhamento médico ou nutricional)", informa a nutricionista.

Segundo Patrícia Ramos, os isotônicos possuem uma concentração de 6% a 8% de carboidratos, além de sódio, potássio e cloreto e por este motivo, as suas principais funções são repor os líquidos e os sais minerais perdidos durante uma atividade física.

Se mesmo assim, indivíduos sadios quiserem consumir isotônicos devem fazê-lo em quantidades moderadas. Hipertensos, diabéticos, doentes renais, gestantes ou lactantes poderão ingerir somente com orientação médica ou da nutricionista, devido à concentração de minerais que compõe a bebida.

Alguns pais dão isotônicos aos filhos, mas esta ingestão pode levar à sobrecarga renal. "Somente em casos de desidratação, diarréias e sob orientação médica é que pode ser ofertado às crianças", alerta.

Atualmente, a ANVISA (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária) defende a regulamentação para a venda de bebidas isotônicas, colocando no rótulo a frase "alimento para atleta", mas esta questão ainda está em discussão.

veja também