Criança à moda antiga - Coluna Pr. Moisés Romero

Criança à moda antiga - Coluna Pr. Moisés Romero

Atualizado: Quarta-feira, 24 Junho de 2009 as 12

Lembro-me quando saíamos com o papai de carro, não havia a preocupação com a loucura do trânsito e nem com a segurança pessoal, não tínhamos cintos de segurança, apoio de cabeça ou air-bags, tínhamos apenas a consciência de que o papai estava nos levando para passear e isso nos bastava.

Que saudade da velha bicicleta! Que nos fazia suar quando andávamos velozmente a cinco km por hora, sem capacetes, joelheiras, caneleiras, cotuveleiras etc.

Quando tínhamos sede, bebíamos água da primeira torneira de jardim que encontrávamos, aliás, água era sempre uma festa, principalmente quando chovia e podíamos tomar banho nas enxurradas, fazendo barreiras de pedras com barro e colocando nossos barquinhos pra navegar, interessante é que ninguém ficava doente por isso.

Todos os dias era uma aventura diferente ...

Depois veio a modernidade, o asfalto chegou e com ele, a maior sensação já inventada, o carrinho de rolimã. Nunca existiu uma invenção tão boa, a sensação de ser um piloto de baratinha, isso era demais, mas, como velocidade não é tudo, precisava sobrar tempo para soltar pipa, jogar bolinha de gude, jogar finca e tudo mais, desde que respeitássemos a única lei que nossos pais nos impunham: Voltar para casa ao anoitecer.

Quando íamos e voltávamos do colégio a pé  não carregávamos celulares, nossos pais não se preocupavam onde estávamos, eles não nos prendiam em casa, pois tínhamos o melhor entretenimento que uma criança podia ter: amigos, muitos amigos.

Depois do almoço, do dever de casa, vinha o melhor, tarde livre para brincar, e isso nós sabíamos fazer.

Todos tínhamos cachorros, aos quais dávamos banho de torneira, ensaboando com bola de sabão caseiro, não raras vezes, compartilhávamos o mesmo banho, depois corríamos com eles pelas ruas para secá-los, interessante é que eles gostavam , principalmente do resto do almoço da família, e isto não lhes fazia mal, posto que nem eles nem nós adoecíamos, e quando acontecia de ficarmos doentes, papai até deixava o cachorro ficar no quarto nos fazendo companhia.

Tudo era seguro, jogar bola na terra, tomar banho no córrego, soltar pipa na rua e até puxar cobrinha no portão à noite só para ver os adultos correndo de medo.

Que saudade de ser criança à moda antiga!

Moisés Romero é pastor do Ministério Shalom, uma igreja que tem impactado o Estado de Goiás. Autor de 4 livros. Formado em Direito com pós em Direito Civil; Publicidade, com pós em Marketing em Empresarial; Política e Estratégia, com pós pela ESG (Escola Superior de Guerra). É também empresário do ramo de Shopping Centers, diretor da MCR, empresa responsável por sete Shoppings no Brasil Central. Conferencista e palestrante da ABF(Associação Brasileira de Franchising) e da ABRASCE(Associação Brasileira de Shopping Centers).  

veja também