Crianças brasileiras lideram ranking de acesso à internet

Crianças brasileiras lideram ranking de acesso à internet

Atualizado: Quarta-feira, 24 Março de 2010 as 12

Uma pesquisa brasileira, realizada pela Millward Brown Brasil em 12 países, aponta as crianças brasileiras, de 4 a 12 anos, como as que mais acessam a internet no mundo todo. De acordo com os resultados apresentados, elas passam cerca de 13 horas online por semana e, como já era de se esperar, o entretenimento é o que mais os anima: do tempo gasto conectado, a maior parte é passada em jogos e similares.

"Muita gente fala que as crianças antes brincavam de bola, na rua, com jogos de tabuleiro. A verdade é que as crianças continuam brincando, só que elas têm à sua disposição agora outras ferramentas", explica uma das realizadoras da pesquisa, Aline Souza. Gisele Agnelli, a outra autora do estudo, complementa: "Nosso foco são as crianças que já nasceram na era da web 2.0", e que, claro, seguindo o raciocínio das pesquisadoras, possuem uma outra relação, quem sabe uma outra visão, de entretenimento. É hora de aceitar que, por questões de avanços tecnológicos, segurança e novas rotinas da sociedade, as brincadeiras mudaram, assim como os pequenos.

Mães e crianças das classes A, B e C participaram d a pesquisa, que também mostrou que, apesar das longas horas na frente do computador, dos novos métodos de diversão, ideias antigas permanecem, só que reformuladas. O antigo diário , por exemplo, virou blog. Os tabuleiros são on-line e, mesmo dentro de casa, é possível interagir com outras pessoas, muito além dos vizinhos e colegas de escola.

"A internet abre um mundo de possibilidades para as crianças e, sem dúvida, estimula o cérebro em inúmeras formas. Uma simples pesquisa é uma forma de estimulação", explica a pedagoga Cristiane Padilha.

Em um de seus livros mais comentados, iBrain: Surviving the Technological Alteration of the Modern Mind, o psiquiatra americano Gary Small, diretor do Centro de Memória e Envelhecimento da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, explica que pesquisar no Google ativa áreas no cérebro mais extensas que normalmente não são estimuladas durante a leitura. De acordo com seus estudos, crianças antenadas com as modernidades são melhores tomadoras de decisões e têm capacidade maior de lidar com vários estímulos sensoriais ao mesmo tempo.

Mas, como toda novidade, há prós e contras. A individualização da criança é uma das consequências inevitáveis das longas horas passadas em frente ao computador, mas a culpada não é só a internet. "A tendência hoje é das crianças terem ou quererem ter televisão e computador no quarto", explica Gisele. A televisão, sabemos, já está mais presente e o computador segue o mesmo caminho. "Crianças muito acostumadas a usarem somente a internet podem acabar tendo dificuldade de interpretar emoções ao vivo, por exemplo", complementa o psicólogo João Rogério Lima.

É extensa a lista de vantagens e desvantagens desta superutilização da internet por crianças pequenas, mas há um consenso: bom senso. Com supervisão e sem excessos, é possível aproveitar os benefícios da modernidade.

Adepta do MSN, Ruth Favres, mãe de Diogo e Marina, 6 e 8 anos, respectivamente, confessa que seu diálogo com seus filhos melhorou a partir do momento em que ela começou a usar a ferramenta. "Parece que o fato de eu não estar fisicamente presente, na frente deles, faz com que eles se abram mais facil comigo".

Mas como saber o que eles estão realmente fazendo?

Outro dado intrigante apontado pela pesquisa mostra que, na verdade, os pais não sabem o que os filhos fazem na internet e, por mais que falem que saibam, ou realmente achem isso, não é verdade. "As crianças normalmente passam o dobro de tempo na internet do que o período apontado pelos pais. E a maioria deles realmente não sabe o que fazer para controlar a navegação, nem como fazer isto. Essa lacuna de tempo entre uma geração e outra acaba dificultando este monitoramento.", explica Aline.

por Aline Ridolfi

veja também