Crianças otimistas são mais saudáveis

Crianças otimistas são mais saudáveis

Atualizado: Sexta-feira, 21 Janeiro de 2011 as 2:04

Seu filho fica muito emburrado quando perde a final do campeonato? Dorme mal na época das provas? Chora se chove no dia em que vocês iam ao parquinho? Pois saiba que adotar uma postura positiva perante as situações do dia a dia traz mais benefícios do que simplesmente melhorar o humor. Estudo realizado com mais de 5 mil adolescentes australianos de 12 a 14 anos e publicado no início deste ano pela Academia Americana de Pediatria mostra que níveis altos de otimismo reduzem pela metade a incidência de depressão, além de diminuir o uso de drogas, álcool e cigarro. E não é só: os otimistas também se envolvem menos em situações de risco, como brigas, dirigir sem carteira de motorista, fugir de casa, ser suspenso da escola ou pichar locais públicos.

Já há algum tempo médicos e psicólogos costumam ligar atitudes otimistas à saúde física e mental, mas o que você pode fazer para ajudar seu filho a enxergar o copo meio cheio? Confira algumas dicas que reunimos com especialistas.

Ajude-o a ser independente

Para ter uma postura positiva, a criança precisa se sentir segura. A construção da identidade emocional ocorre dos 3 aos 9 anos e, nesse período, é importante que você permita que ela desenvolva duas características: independência nas atividades de vida diária (como fazer o próprio prato e arrumar o quarto, por exemplo) e autonomia (não precisar tanto da aprovação dos pais).

Aceite-o como ele é

A criança precisa ser aceita como ela é. Procure reconhecer suas capacidades e evite compará-la com irmãos, primos, colegas ou até celebridades (como um esportista ou um músico, por exemplo). Você pode, sim, colocar limites e impor disciplina, mas faça isso de maneira cuidadosa, sem tirar o otimismo natural dos pequenos.

Diga não

Faz parte do instinto materno proteger a cria e é uma delícia fazer o possível para que os filhotes fiquem sempre felizes. Mas é importante deixar que as crianças e os adolescentes lidem com as situações difíceis e aprendam a conviver com as frustrações. Para isso, é fundamental falar não nos momentos certos – não ceder a uma manha, por exemplo. Só assim, os pequenos conquistarão autonomia e independência para a vida adulta, quando os pais não estiverem mais por perto o tempo todo.

Não seja alarmista

Tudo bem, o mundo de hoje guarda muito mais perigos do que no tempo de nossas avós. Você precisa, sim, ensinar que algumas situações são perigosas, mas tenha cuidado para não ser alarmista. Uma boa maneira de começar é deixá-lo tomar um ônibus para a escola, mas avisar para não entrar caso uma pessoa mal encarada suba na mesma condução, por exemplo.

Seja otimista você também

O modelo dos pais influencia muito as crianças. É mais fácil o seu filho olhar a vida por um prisma positivo se você também estiver satisfeito com as próprias escolhas. Um ambiente descontraído, em que os problemas são enfrentados com bom humor, estimula toda a família a ser otimista. Da mesma forma, pais muito críticos podem retrair uma criança naturalmente bem-humorada. Caso o pai ou a mãe seja depressivo, os especialistas aconselham que os filhos convivam também com outros adultos, como avós e tios, que não tenham o problema.

veja também