Cuidado! Leia antes de casar

Cuidado! Leia antes de casar

Atualizado: Segunda-feira, 12 Abril de 2010 as 12

As alianças já foram escolhidas, o buffet contratado, as mobílias tomam seus lugares nesse lar prestes a nascer. Tantos convites a serem entregues, será que alguém foi esquecido?  Em pouco tempo a casa dos pais se tornará um local para passeio e para os almoços dominicais. As mudanças na vida dos noivos vão além das físicas. Uma nova família será constituída, e juntamente com ela, novos papeis sociais - marido e mulher, pai e mãe, economistas e administradores. Porém, com tantas mudanças e adaptações, é possível manter o relacionamento feliz?

Segundo o pastor Ciro Lima de Paula, líder do Ministério Edificando um novo Lar, da Igreja Batista da Lagoinha (BH), um matrimônio saudável é resultado de uma vida sem interesses egoístas: "O casamento feliz é determinado pela maturidade do casal ao enfrentar as dificuldades do dia-a-dia, permitindo-se conhecer um ao outro cada vez melhor, à medida que o tempo passa. Um casamento feliz é determinado pelo tanto que o casal permite que o Senhor edifique o seu lar", afirma.

Os pastores Jessé e Suely Oliveira, diretores nacionais da Marriage Ministries International (MMI) do Brasil, acrescentam : "Onde Jesus verdadeiramente habita há paz, alegria e amor. Podem vir as chuvas, as tempestades, mas o casamento não é abalado porque está firmado sobre a rocha. Um casamento precisa estar fundamentado em princípios da Palavra de Deus".

A psicóloga e sexóloga, Marluce Nery complementa: "É necessário não idealizar o outro, ou seja, construir pra si alguém que não existe. Vida a dois é renúncia, compromisso, ternura e tantos outros ingredientes que adicionados ao dia-a-dia, fazem parte desse processo que vai se modificando no tempo. O casal resulta da interação de duas individualidades, constituídas por histórias de vida compartilhada, desejos, projetos e maneiras de perceber o mundo de forma diferenciada. É uma plantinha que necessita ser regada todos os dias para se desenvolver e firmar raízes quando vierem as tempestades".

Antes de dizer sim

O namoro e noivado podem ser momentos de avaliação. Por meio da convivência e do conhecimento mútuo é possível notar se há uma grande diferença de crença, objetivos e personalidade, assim como a intensidade que tais fatores irão influenciar na relação conjugal.

"Quando o casal não consegue se encontrar um dia sequer sem que haja um conflito, para nós é um sinal claro de que tal casamento não deve ser realizado", afirmou o líder do Edificando um Novo Lar.

O pastor Ciro de Paula acredita que a reprovação da união pelos pais é um dos principais indícios de que o casamento pode dar errado: "Ressaltamos a necessidade de observarmos os mandamentos da Palavra quanto a honrar e obedecer aos pais. Sempre orientamos os noivos para avaliarem quais são os motivos que levam seus pais a se posicionarem contra o casamento. Devemos tentar entender suas razões e observar até que ponto são válidas. [...]Convivemos com diversas pessoas que se casaram contra a vontade dos pais e hoje passam por problemas tais em seu casamento que, se pudessem voltar atrás, não teriam se casado", testemunhou.

Na opinião dos líderes do MMI, ao se observar o futuro cônjuge e constatar a presença de jugo desigual ou  uso de álcool e drogas ou ciúmes excessivo, agressão verbal ou física, traição no namoro, mal tratamento aos pais ou noivo desempregado, o melhor a se fazer é romper a relação: "Nós temos o curso do MMI Brasil chamado ONE - Curso para Noivos, no qual muitos casais que estão fazendo o curso para se casar acabam desistindo do casamento. Porque neste curso falamos a verdade sobre o casamento e das responsabilidades que eles irão assumir  (diante de Deus e dos homens) e muitos não querem assumir estas responsabilidades", afirmam.

Encaixando as peças

As pessoas que acreditam que a melhor parte de um casamento é a Lua-de-Mel podem estar enganadas, segundo os diretores da MMI. É durante essa fase que há adaptação e é percebida a dificuldade em romper os laços com seus progenitores. A dica, de Jessé e Suely, é não fazer da vida à dois "um livro aberto": "Os pais se sentem na liberdade de dar opiniões quando o casal ou um dos cônjuges falam questões do relacionamento com eles. Assuntos que, na maioria das vezes, só interessam ao casal. Assim, eles acabam interferindo e muitas vezes um dos cônjuges sente sua privacidade invadida.  Uma das coisas que nos ajudou muito em relação à interferência dos nossos pais foi entrarmos em acordo com o que devíamos falar ou não", contam.

O diálogo sem restrições com os pais é fundamental durante o noivado, na opinião do líder do Edificando um novo Lar, porque assim os casais podem aprender com os erros de quem pode ter passado por situações semelhantes. Todavia, durante o matrimônio essas relações sofrem mudanças: "Existe o deixar emocional, financeiro e geográfico. Quando o casal cumpre este princípio, estará definindo bem os limites na relação com os pais, evitando assim sua interferência", explicou.

O modo de criação pode ser também um fator importante para que aconteça os conflitos, acredita o pastor Lima: "Devemos reconhecer que viemos de famílias diferentes e, mesmo que professem a mesma fé, ainda assim as pessoas são criadas de maneiras distintas. Como no início do casamento tudo é novo, até mesmo dormir com outra pessoa na mesma cama, existe a tendência de pequenos problemas serem maximizados. Mas, à medida que o casal se permite conhecer e procura se adaptar um ao outro, estas dificuldades serão reduzidas", explicou.

Juntando os bens e as contas

Beijos, abraços e carinhos podem ser provas de amor, mas o compromisso em quitar contas como de água, luz, aluguel, prestação da casa se integram às manifestações de sentimento que uniram o casal.

"É muito importante a transparência e disciplina na área financeira, tudo o que for gastar é necessário o princípio do acordo. Devem conversar, planejar, executar seus planos financeiros sempre juntos. Onde não há acordo, há falta de paz e é uma grande brecha para o inimigo entrar no relacionamento.  Jamais gastar além de suas possibilidades e não viver uma vida de aparência acima do padrão financeiro que eles podem. Lembrar sempre que o salário não é 'meu' é 'nosso'! Porque depois que se casam, tudo passa a ser 'nosso', até as dívidas!  Ter sempre uma conta conjunta onde os dois sabem o que tem na conta", aconselha  os pastores Jessé e Suely Oliveira.

O pastor Ciro de Paula aponta ainda que o homem deve ser o provedor do lar. "Ele deverá atender o controle financeiro elaborando um orçamento que permita ao casal visualizar a renda e despesas mensais. Desta forma o casal terá condições de fazer um bom planejamento financeiro, mesmo aqueles que possuem menores condições financeiras", diz.

Para André Noronha, casado há três meses com Sara, as despesas de um casal não são as semelhantes às de duas pessoas solteiras e reconhece que é importante um controle nessa área. Durante o noivado, eles estudaram sobre economia doméstica e hoje tem um resultado bom na administração do dinheiro: "Acho que a Sara é atípica, porque ela se preocupa muito em relação ao dinheiro. Eu tive um problema sério financeiro antes, então minha vida financeira de casado está melhor do que a de solteiro", conta.

Debaixo dos lençóis

É no casamento que a relação sexual torna-se lícita. Ela coroa a união e faz com que verdadeiramente os cônjuges tornem-se um.

 A psicóloga e terapeuta sexual Marluce Nery, em entrevista ao GUIA-ME.com.br, explica a importância do ato-sexual para o matrimônio, responde as principais dúvidas e define os papeis de marido e mulher.

O Pré-nupcial Um check up anual é sempre bem vindo a qualquer pessoa e principalmente para o futuro casal que está se preparando para constituir uma família. Esses exames têm como finalidade avaliar as condições de saúde de ambos. É necessário consultar especialistas como: ginecologista (mulheres) e urologista (homens). Estes profissionais solicitam exames de sangue, espermograma, avaliação genética etc.

A importância do sexo no casamento O casamento só sobrevive sem o sexo se ambos estiverem em pleno acordo sobre tal abstinência, vai depender do casal. A relação sexual é a forma mais elevada de comunicar o amor um pelo outro e a expressão fundamental de intimidade. O sexo é um complemento maravilhoso quando há união como um todo, onde o casal sente-se feliz em dar prazer ao outro. O sexo foi separado por Deus: "tornar-se uma só carne" (Gn 2:24) une todos os aspectos do casal, principalmente o sexo.

Dor na primeira relação sexual Dores na penetração podem ter causas físicas e psicológicas. As doenças sexualmente transmissíveis (DST) podem irritar a mucosa que reveste internamente a vagina e provocar uma sensação de desconforto ou de ardência no contato com o pênis. Por isso o exame pré-nupcial é importante. A comunicação do casal deve ser clara. Normalmente o casal que terá sua primeira relação sexual, pode fantasiar ou repetir comportamentos ensinados pelos pais. É natural a expectativa, os medos, mas é necessário que se converse bastante no namoro para ambos se conhecerem. Na maioria das vezes a dor é psicológica, causada por traumas de abuso sexual, estupro, educação sexual repressora na infância; o que pode resultar em vaginismo, que é a contração involuntária da musculatura vaginal. Caso necessite, o casal pode fazer uso de géis lubrificantes a base de água que facilitam a penetração e fazem com que o pênis deslize de forma mais prazerosa, entretanto, cabe lembrar que a mulher necessita ser acariciada, beijada, sentir-se valorizada com as preliminares que a deixam naturalmente lubrificada.

Ser mulher e sentir prazer  Acontece que em nossa cultura, o homem aprende que sexo é bom, muitas vezes estimulado pelo pai a "ser mais homem" desde pequeno,  já a mulher recebe mais informações negativas do que positivas. Isso muitas vezes causa mais bloqueio na ala feminina. Ambos podem sentir prazer intenso no sexo pela cumplicidade, confiança e respeito nessa relação. Entre outros jogos sexuais; comunicar ao outro como gosta de ser tocado ou como se sente confortável pode proporcionar mais satisfação ao casal.

O tamanho do pênis e sua relação com o prazer O prazer na mulher são as carícias e beijos nas preliminares e o quanto ela se sente amada e confortável neste relacionamento.

Os pênis medem em geral 14 cm de comprimento e 2,5 cm de diâmetro. Podem chegar a 18, 20, 22cm de comprimento e 3,5cm de diâmetro. Maior do que isso é raríssimo; a não ser em casos de homens portadores de micropenia (este conceito normalmente refere-se a pênis menor que 3 cm quando ereto. Várias são as causas, como defeitos pré-natal, redução na produção de andrógenos, entre outros.Há tratamentos eficazes).

Métodos anticoncepcionais Varia de mulher para mulher, mas normalmente dois meses antes do casamento a mulher pode fazer uso da pílula anticoncepcional. O melhor é a orientação de um (a) ginecologista, pois existem outros métodos contraceptivos como: pílula intravaginal, injeção anticoncepcional, DIU, coito interrompido etc. Vale ressaltar que, em alguns casos, há margem de falha, prós e contras.

Falta de prazer na relação sexual O prazer está relacionado ao bem estar do casal: respeito, confiança, cumplicidade, trocas afetivas, gentilezas mútuas, são alguns ingredientes essenciais para o prazer. Fora isso, pode estar ligado a alguma disfunção sexual.

Tamanhos de Vagina O tamanho médio da vagina é de 7,6 cm ao longo da parede posterior com 2 cm de diâmetro. Em excitação aumenta para 10 cm e 6 cm respectivamente.

 Identificando o marido e a mulher A melhor definição está nas Escrituras Sagradas, que fala da mulher ajudadora, parceira espiritual, confidente, que oferece consolo e amizade como companheira para proporcionar incentivo e inspiração. E o esposo atencioso as necessidades físicas, materiais e espirituais dela. Maridos e esposas necessitam de reconhecimento e gratidão pela sua parceria dentro do relacionamento e um contínuo cuidado amoroso e fidelidade, ainda que a vida conjugal, algumas vezes, possa parecer mais fácil em outro lugar.

Por Nany de Castro

veja também