Dicas para trabalhar mais feliz

Dicas para trabalhar mais feliz

Atualizado: Domingo, 27 Dezembro de 2009 as 12

Quer sofrer menos no seu ambiente de trabalho? O segredo é ter bom humor!

Reveja suas atitudes

Todo mundo tem um colega baixo-astral. Ele se atrasa com frequência, mal cumprimenta as pessoas e vive se lamentando durante o almoço.

Os pessimistas se defendem dizendo que agem assim porque não se sentem reconhecidos. Mas eles não percebem que os maiores prejudicados com essa postura são eles mesmos.

Se você não resiste à tentação de se afundar em lamentos, está na hora de prestar atenção em suas atitudes. De quebra, livre-se de gastrite, depressão, ansiedade, perda de apetite, dor muscular e outros problemas. Gostou? Então, comece a sorrir! Veja as dicas nos próximos slides.

Aprenda a ser mais leve

Veja como tornar a vida profissional bem mais fácil.

. Entenda que o baixo-astral prejudica você.

. Assuma a responsabilidade por suas escolhas e pare de culpar os outros.

. Liste as situações que lhe fazem subir pelas paredes e veja se não está exagerando na dose.

. Peça a uma amiga que avise você sempre que seu negativismo se tornar irritante.

. Invente novas maneiras de descascar abacaxis.

. Procure não se cobrar tanto.

. Evite levar tudo para o lado pessoal.

. Coma direito, exercite-se e durma como se não houvesse amanhã.

. Cultive amizades que divirtam você fora do trabalho.

. Sugira ao colega resmungão modos diferentes de encarar a vida.

As 8 atitudes mais comuns de quem é baixo-astral - fuja delas!

. Perde a paciência por qualquer coisinha - até com gente rindo por perto.

. Ao falar com os outros, lembra o Saraiva (Francisco Milani), do Zorra Total.

. Vive falando de outras pessoas pelas costas.

. Insiste no comportamento pessimista, mesmo quando muda de emprego.

. Nunca sente a menor vontade de sair da cama para pegar no batente.

. Está desmotivada e não faz nada para mudar isso.

. Acha que é a última bolacha do pacotinho quando o assunto é capacidade ou experiência profissional.

. Toda vez que é criticada, precisa segurar a vontade de voar no pescoço dos outros e passa o dia praguejando.

Por Beatriz Levischi

veja também