Diga não para o divórcio

Diga não para o divórcio

Atualizado: Terça-feira, 6 Abril de 2010 as 12

Muitos casais, após várias tentativas frustradas de se entenderem, entregam os pontos e partem para a separação. Quando os desentendimentos começam a acontecer, três coisas precisam ser friamente analisadas: o descuido da vida cristã dos cônjuges, a ausência do perdão, a indisposição a mudanças necessárias que, incontestavelmente, precisam ser feitas e a ausência do amor.

Um homem apaixonado por Deus, consequentemente ama sua esposa de maneira especial. A vida espiritual de um ser humano reflete diretamente em sua vida sentimental e conjugal. Quanto mais próximo de Deus, mais próximo do cônjuge.

Quando há crise dentro de um casamento, é certo que a crise espiritual já está acontecendo há um tempo. É fato: . . . se o Senhor não edificar o lar, em vão trabalham os que o edificam Sl 127:1. Um casamento precisa ser regado a oração e à leitura da Bíblia.

Muitos casais jamais oram ou leem juntos a Palavra de Deus. Se não há lugar para Deus dentro de um relacionamento conjugal, como o casal achará forças para resistir ao enfraquecimento da relação? Como terá humildade para liberar o perdão? E, sem perdão, como um casamento conseguirá sobreviver?

Alguns casais insistem em tecer comentários negativos que aparentemente são inofensivos, mas penetram no coração do outro infligindo mágoa e ressentimento e destruindo os sentimentos mais bonitos.

Outros cônjuges permitem que fantasmas do passado assombrem o presente. Trazem à tona amarguras passadas e abrem cicatrizes e feridas. Por essa razão nunca se curam.

Há situações ainda de cônjuges que se recusam a passar por mudanças necessárias. Transformar alguns hábitos e manias que não agradam ao outro para fazê-lo feliz também é sinal de amor e maturidade. Mas muitos se recusam serem transformados.

Por Nilbe Shlishia

veja também