Ego, como eu te amo!

Ego, como eu te amo!

Atualizado: Quarta-feira, 2 Setembro de 2009 as 12

Há pouco tempo recebi em minha casa a ilustre visita de uma tia, graças a Deus, salva no Senhor. Digo ilustre, pois ela é uma mulher que, embora muito humilde, reconhece o valor do Senhor na sua vida. Quando vejo e sinto isso em outros irmãos, simplesmente não me resta outra coisa a não ser admirá-los.

Foi tão interessante a conversa com ela, pois percebi como as pessoas tem um “ego” tão elevado.

Enquanto minha tia me falava sobre o egoísmo e a arrogância humana em não perdoar para não se "rebaixarem", fiquei pensando no olhar do Senhor para nós. Como é possível termos orgulho em não perdoar? Como podemos ser tão egoístas e dizermos que amamos a Deus? Por amar ao Senhor não posso deixar que o ego me domine, pois minha vida já está renunciada à cruz. Já estou crucificado. Como é possível haver tantas disputas por cargos? Como podemos nos tornar "rebeldes" aos nossos líderes, revoltados com as decisões que eles tomam? Como é possível causar uma divisão no Corpo do Senhor?

Como é possível tapar os nossos ouvidos ao clamor do pobre? Como é possível fingir por tanto tempo dentro da casa do Senhor? Como podemos ficar mais preocupados com nós mesmos em vez de destruir fortalezas, muros que nos impedem de um relacionamento melhor com nossos irmãos? Isso tudo sem contar aquelas situações em que há quem fique triste ou bravo porque não fizeram uma tarefa conforme você pediu, ou não deixaram você cantar ou tocar, ou você fez algo que outro levou o crédito ou você não fez nada e ainda queria levar o crédito. Essas foram algumas perguntas e situações que fiquei pensando comigo mesma, procurando entender tudo o que eu estava ouvindo. Resultado: assim como não entendi (e continuo não entendendo), não consigo me conformar.

Como há pessoas no nosso meio, no nosso convívio cristão, que se acham tão “super-poderosas”, querem toda a atenção, todo o brilho, todo o foco em si mesmas, e obviamente, ainda querem ser donas da razão. O engraçado é que, ao conversar com pessoas assim, elas ainda dizem que “toda a glória é para Deus”, claro, para serem vistas como modestas.

Além disso, ainda, ouvi de um amigo meu a engraçada expressão de que pessoas desse tipo podem ser denominadas de “semi-querubim”, para as mais “humildes” e “vice-Deus” (já ouviu essa?), para as que se acham "maiorais". Expressões assim podem mesmo ser engraçadas, porém, a triste notícia é quem muitos que se olham assim, vivem no engano, querem permanecer no engano, querem viver uma vida de aparência, deixando de viver a maravilhosa graça de Deus. Não se deixam ao menos ser “moldados” pelo Oleiro, para que reconheçam como são pequenos diante do Altíssimo. Fico pensando no olhar expressivo de Deus a nosso respeito. Por mais que possamos nos enganar, jamais, nada e ninguém poderá enganar ao Senhor. Ele nos criou, conhece cada detalhe do nosso DNA, sabe que somos falhos, mas mesmo assim nos ama. Entretanto, sua glória, Ele não dá a ninguém (Is 42.8). Quer aceitemos ou não.

O nosso ego é importante na nossa formação como pessoa. Não existe ninguém sem ele. O ego, resumidamente na psicologia, nada mais é que a forma como nos olhamos e temos a concepção de nós mesmos, somando todos os nossos pensamentos, ideias, sentimentos ou percepções. A questão está no ego quando "adorado", protegido, o "ser mais importante que os outros", pois faz com que as pessoas olhem para si como se fossem o centro de tudo. É o egocentrismo tomando o lugar que deveria ser do Senhor. Pessoas egocêntricas são aquelas que só pensam nelas, insensíveis às necessidades dos outros. Não pedem perdão. A dura verdade é que dentro das igrejas encontramos muitas pessoas assim.

Neste ponto, o ego é algo tão precioso na vida do homem que se torna praticamente outro ser vivo querendo manter um outro vivo.

Quem não gosta de um elogio ou ter seu ego massageado? Todos nós gostamos. Elogiar alguém não é o problema. A questão é o que o elogiado fará com o elogio que recebeu. Como reagirá verdadeiramente? Não são nossas palavras que nos condenam ou nos promovem e sim nossas atitudes. Portanto, não deveríamos amar, adorar e se deixar dominar por este "ser" chamado ego e sim, olharmos e amarmos a nós mesmos como salvos em Cristo, remidos e dependentes do Senhor, trazendo bons frutos e frutos que permaneçam.

Para quem está no mundo o ego é tudo para se sobreviver e a palavra diz que o mundo jaz no maligno. Isto significa que se você é cristão e não tem uma mente renovada em Deus para saber quem é você em Deus e quem é Deus em você, é certo que viverá uma vida de engano, porque o mundo já está perecendo no mal.

Para o cristão o amor ao ego deveria ser substituído pelo amor a si mesmo como "nova criatura". Amar a si mesmo, além de mandamento, tem como objetivo amar ao próximo. Ame ao seu próximo como a ti mesmo. Quem ama a Deus também tem que amar ao seu irmão (1Jo 4.21). Imagine se Deus olhasse só para si mesmo ou para nós com olhar egocêntrico? Certamente não estaríamos aqui. Deus foi o primeiro exemplo de amor e generosidade quando enviou o que tinha de melhor: Jesus. Deus deu da sua primícia, pensando não em si mesmo, mas em todas as gerações que passariam a existir e a conhecê-lo. Por que relutamos tanto, preferindo ficar com o nosso ego em vez de aprendermos com esse exemplo?

Como precisamos reconhecer nossa pequenez diante de Deus! Quantas vezes deixamos de ser abençoados por falta da revelação dessa palavra e por falta desse reconhecimento. Temos uma visão tão limitada do que realmente é importante. Se conquistarmos algo, damos o crédito a nós mesmos. Se deixarmos de conquistar, culpamos o Senhor. Até quando viveremos nos enganando? Quem de fato está errado? É tempo de sondarmos o nosso coração e, se for o caso, buscar do Senhor o seu perdão...

“Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte.” (1Pe 5.6)

Escrito Por Jaqueline Santos Sales

veja também