Entrevista: Pra. Fernanda Hernandes Rasmussen

Entrevista: Pra. Fernanda Hernandes Rasmussen

Atualizado: Segunda-feira, 13 Outubro de 2008 as 12

Por Myrian Rosário

Ela é um bom exemplo de como o Senhor pode usar até mesmo a adversidade para fazer com que seus servos cresçam, amadureçam na fé e conquistem maior intimidade com Ele. Nos primeiros anos da Igreja Renascer em Cristo, Fernanda Hernandes era apenas uma adolescente filha de pastores sobre quem a mãe, Sônia, sempre falava nos seus programas de rádio e televisão. Hoje, aos 27 anos, casada há sete com Douglas Rasmussen e mãe de dois filhos - Davi de 5 e Carol de 3 anos, ela é respeitada em todo o Brasil como a Pastora Fê, a herdeira natural da Bispa Sônia Hernandes, uma mulher bela e forte, que conhece o Senhor por andar com Ele. Nessa entrevista exclusiva para o Portal Guia-me , ela fala sobre sofrimento, crescimento, vida com Deus e revela como uma educação baseada nos princípios sólidos da Palavra tem feito a diferença em sua vida.

Guia-me: Como você se sente sendo a sucessora natural da Bispa Sônia?

Pra. Fê: Eu não enxergo as coisas assim. Acredito muito na continuidade. Meus pais me criaram para ser serva de Deus. Não fui criada para ser pastora, mas optei por isso porque enxerguei neles aquilo que alegrava os olhos de Deus. Com a ausência deles do Brasil fui fazer coisas que nunca tinha feito, como ministrar. Sempre vi os meus pais fazendo isso e coloquei em prática tudo aquilo que tinha aprendido por toda a vida. Não faço nada com o objetivo de ser a sucessora, claro que eu sou a sucessora, mas meu propósito maior é dar continuidade ao trabalho deles.

Guia-me: Como você encarou tudo o que aconteceu e está acontecendo com seus pais?

Pra. Fê: Foi o maior aprendizado da minha vida. Aprendi coisas que não havia aprendido na Faculdade nem nos cursos que fiz. Aprendi e cresci com a vida e no melhor lugar que existe: no meio do povo de Deus.

Guia-me: Como é ficar longe dos seus pais?

Pra. Fê: É difícil, mas em nenhum momento eu me senti abandonada. Pelo contrário, tenho me sentido abraçada pela minha mãe no colo de outras mulheres que também a consideram como mãe. Aonde quer que eu vá, sempre há um testemunho da ação de Deus na vida de muitas mulheres através da vida da minha mãe. Eu fui criada sempre "emprestando" meus pais para Deus. Agora só estou "emprestando" mais uma vez e com a certeza de que tudo vai passar. Como meu pai diz: "A espera não pode matar a esperança".

Guia-me: Como você se sentiu quando tudo aconteceu?

Pra. Fê: Eu sofri, chorei, mas nunca me senti agredida. Eu poderia ter ficado deprimida, ter dormido o dia inteiro, ter murmurado, mas decidi usar as armas espirituais. De novembro a maio de 2007 eu li a Bíblia inteira. Também fiz todos os jejuns que podia. Eu me fortaleci em Deus. Ministerialmente, era hora de desenterrar os talentos, de mostrar para Deus o que eu ia fazer com eles. É na hora da luta que a pessoa mostra o seu caráter.

Guia-me: Como tem sido a sua vida com tantas atividades: a igreja, os programas de TV, o marido e os filhos?

Pra. Fê: É ótimo estar sempre ocupada. Não tenho tempo para ficar deprimida, para ficar doente, nem para ser uma mulher problemática. Ser mãe é uma bênção. Meus dois filhos são o maior presente que Deus poderia me dar na vida. Eu e o Douglas estamos juntos há 11 anos e, em meio a todas dificuldades, me senti ainda mais segura por tê-los.    

Foto: Rodrigo Borba

veja também