Estrada e estresse, a dura tarefa de viajar com os filhos

Estrada e estresse, a dura tarefa de viajar com os filhos

Atualizado: Terça-feira, 19 Abril de 2011 as 10:32

Viajar com crianças, de carro, exige planejamento, mas, acima de tudo, paciência. Nós fomos muitas vezes ao litoral com o trio, desde que eram bebezinhos. De Campinas, onde morávamos, a Ubatuba, a viagem toma cerca de 4 horas, menos se tiver sorte, mais se tiver azar. Nós chegamos a fazer a viagem em 5 horas, não por causa de trânsito, mas por causa das crianças. Um dos segredos para o sucesso de uma viagem com crianças é não ter pressa. Porém, ficar tanto tempo dentro do carro é chato pra qualquer um, imagina pra gente pequena.

Ao passo que foram crescendo, a dinâmica das viagens foi se transformando. Porém, Bia e eu sempre fomos muito, mas muito pacientes com eles. Quando bebês, a dificuldade maior era levar tudo o que precisávamos. O carro ia lotado, mas as crianças dormiam a viagem toda porque ajustávamos a hora da partida pra depois do almoço deles. Levávamos muitos CDs com musiquinhas e estorinhas pra distrair, caso acordassem antes de chegarmos. E mamadeiras, é claro, com suco, água e leite.

Quando maiorzinhos, quando já andavam, com 1 ano e meio ou 2 anos, apesar de sairmos depois do almoço, parávamos pra trocar as fraldas, pra esticar as pernas e tomar um lanche. A parada era longa, coisa de 1 hora. O trio foi ficando maior e a gente procurava parar em lugares que tivessem coisas pra eles fazerem, pra se distraírem e gastarem energia e ao mesmo tempo relaxarem do estresse da estrada.

Com 4 ou 5 anos, a viagem foi ficando mais fácil. Uma mala grande pros três, umas coisinhas pra distrair na viagem, uma parada por banheiro. Mas eles sempre dormiram quase o tempo todo. Depois dessa idade, chegamos a fazer a viagem algumas vezes sem parar nenhuma vez, mas isso foi bem raro.

Lembro de uma vez na viagem de volta, que um deles, acho que o Mario, ficou superestressado. Começou a chorar e não parava mais. Estava calor, muito sol, o menino estava cansado de ficar sentado. E o choro dele começou a contagiar os outros dois, que começaram a reclamar. Tive que achar um retorno, sair da estrada, para num lugar tranquilo, abrir as janelas e deixar os três brincarem dentro do carro. Ficamos uma boa meia hora parados ali. Tivemos muita paciência pra acalmá-lo e nada de pressa pra chegar. Esse episódio foi tão marcante que até fotos tirei dos três no carro.

veja também