Eu sei em quem e porque tenho crido, por isso eu confio!

Eu sei em quem e porque tenho crido, por isso eu confio!

Atualizado: Quarta-feira, 29 Abril de 2009 as 12

"Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia nos dá hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; e não nos induzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém" (Mateus 6:9-13).

Leia: (Salmo 66, Mateus 15, João 15 e 1Pedro 3).

Jesus Cristo é o nosso maior exemplo de como nós devemos nos portar, para que as nossas orações possam subir ao céu como incenso agradável, chegando ao Trono da Graça do nosso Pai Misericordioso. Sendo assim, devemos dar o devido valor para o modelo de oração que o Mestre deixou para nós, que é um tesouro inestimável, cujos benefícios somente gozaremos não quando o recitarmos, mas sim quando o aplicarmos em sua totalidade nas nossas vidas.

Portanto, vós orareis assim:

"Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome"; no Salmo 66, o salmista faz uma declaração extraordinária, a qual é de suma importância atentarmos, pois ela revela que Deus tem prazer em nos ouvir, levando em conta as nossas aflições; quando também levamos em conta a Sua Soberania sobre as nossas vidas, dando a Ele o devido lugar em nossos corações, sem nos acovardarmos em testemunhar desta verdade diante dos povos. "A Ele clamei com a minha boca, e Ele foi exaltado pela minha língua. Se eu atender à iniqüidade no meu coração, o Senhor não me ouvirá; mas, na verdade, Deus me ouviu; atendeu à voz da minha oração. Bendito seja Deus, que não rejeitou a minha oração, nem desviou de mim a Sua misericórdia" (Salmo 66:17-20).

A declaração do salmista vem de encontro ao ensino do nosso Mestre Jesus, o qual nos exorta que, a boca fala do que o coração estiver cheio: "Mas, o que sai da boca, procede do coração, e isso contamina o homem" (Mateus15:18). Sendo assim, o que determinará para que Deus nos ouça, e responda as nossas orações, será o estado em que se encontram nossos corações. O que adiantará a nós exaltarmos a Deus com os nossos lábios, se os nossos corações estão cheio de iniqüidades? Como poderemos exigir que o Pai nos usa, se não O honramos com os nossos testemunhos?

Muitos enganam-se pensando que, santificar o nome do Pai, é simplesmente proferir para Ele elogios ou até mesmo realizar alguns rituais ou sacrifícios por meio das orações, dos louvores, dos jejuns, etc. Tudo isto não terá nenhum valor se não estiver de conformidade com aquilo que vai dentro dos nossos corações: "Hipócritas, bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo: Este povo se aproxima de Mim com a sua boca e Me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim". (Mateus 15:7-8).

Deus, nosso Pai, não está preocupado com o nosso exterior, mas sim com o nosso interior, pois bem sabemos que: "O Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens, como diz o profeta" (Atos 7:48); Ele quer habitar em nossos corações, através do Espírito Santo: "Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?" (1ª Coríntios 6:19). Portanto, reconhecer a soberania do Pai, como também santificá-LO, é bem mais que proferir palavras bonitas a Seu respeito ou até mesmo mencionar os Seus grandes feitos por meio da ministração da Palavra, mas sim, glorificá-LO com as nossas vidas, dando testemunho que Ele verdadeiramente habita em nós, obedecendo os Seus mandamentos, sabendo que em tudo por Ele seremos santificados, como nos ensina a parábola da Videira Verdadeira (João 15).

Que possamos considerar a exortação do apóstolo Pedro: "Antes, santificai ao SENHOR Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós, tendo uma boa consciência, para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, fiquem confundidos os que blasfemam do vosso bom porte em Cristo" (1ª Pedro 3:15-16); para que assim, possamos entrar confiantemente, diante da presença do Pai.

Pense: "Amados, se o nosso coração não nos condena, temos confiança para com Deus; e qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista" (1 João 3:21-22).

Ore: SENHOR, perdoe-me se tenho feito alguma coisa que tenha entristecido o Teu Santo Espírito, limpa o meu coração a cada dia para que eu possa Te servir mais e mais, exaltando-O e glorificando-O entre todos ao meu redor; no poder do Espírito Santo, para glória de Deus Pai, em nome de Jesus, Amém.

"Abençoe-nos Deus, e todos os confins da terra O temerão" (Salmo 67:7)

Erasmo Miranda de Araújo é presbítero e trabalha nos ministérios de Ação Social e Ensino.

veja também