FIDELIDADE - Por que as pessoas traem? - Coluna Pr. Josué Gonçalves

FIDELIDADE - Por que as pessoas traem? - Coluna Pr. Josué Gonçalves

Atualizado: Quinta-feira, 5 Fevereiro de 2009 as 12

Jardim fechado és tu, minha irmã, esposa minha, manancial fechado, fonte selada. (Ct 4:12).

Eu sou um muro, e os meus seios são como as suas torres; então eu era aos seus olhos como aquela que acha paz (Ct 8:10).

"Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido. O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher ao marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. Não vos priveis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência" (1 Co. 7:2-5)

Causas não-neuróticas:

Insatisfação sexual no casamento que pode levar à busca de compensação. A perda de atração pelo companheiro(a). O desejo sexual vai ficando reprimido e as fantaaias vão se multiplicando até levar ao adultério. A excessiva absorção no trabalho pode produzir no outro uma sensação de rejeição e abandono. O tédio, que vem da repetição, da rotina e que gera indiferença sexual e emocional. Extensos períodos de ausência. A pressão do estar longe de casa durante longos períodos de tempo pode ser esmagadora. Doenças físicas de vários tipos. Gestações sucessivas.

Causas neuróticas:

Os "mimados" - são aqueles que acreditam que precisam de tudo o que desejam. Encaram caprichos temporários como necessidades básicas. Os casos nunca correspondem sua expectativas, que são, aliás, irreais (ex: a síndrome do fim de semana perfeito, do sexo perfeito).

Os "narcisistas" - eles consideram-se irresistíveis, têm uma necessidade constante de reconhecimento e admiração, uma enorme preocupação consigo mesmos e uma total incapacidade de corresponder. Adultério para eles é uma experiência de auto-engrandecimento.

Os "os fujões" - são aquelas pessoas que estão fugindo não apenas de si mesmas, mas da própria vida.

Os "imaturos" - são os que através da infidelidade procuram afirmar, provar eternamente sua masculidade ou feminilidade. A vida transforna-se num teste contínuo de sedução. A mola propulsora desse comportamente é ansiedade.

Os "inseguros" - são pessoas que se autodesvalorizam, não se respeitam e não têm auto estima. Usam o adultério como fuga.

Os "vazios" - são os que sofrem de um grande vazio existencial  e se recusam a dar um sentido para a própria vida. Estes vão tendo relacionamento promíscuos para encobrir a falta de nexo dentro de si mesmos.

Os "vingativos" - São os que traem tendo como motivação um sentimento de vingança.  

A fidelidade conjugal dá segurança ao casamento e garante a bênção de Deus na vida do casal. Veja o a Palavra de Deus diz: "Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros"(Hb. 13:4)

Na verdade, o adultério é a manifestação da necessiade de cura, libertação interior.

Extraído do livro: "Casais Debaixo da Graça"

Josué Gonçalves é terapeuta familiar, escritor e conferencista internacional. Bacharel em Teologia pelo IBAD - Instituto Bíblico das Assembléias de Deus, com especialização em aconselhamento pastoral e terapia de casais. Acesse www.familiaegraca.com.br

veja também