Graça, para relacionamentos sem graça

Graça, para relacionamentos sem graça

Atualizado: Sexta-feira, 7 Agosto de 2009 as 12

A graça de Deus é o óleo que faz a engrenagem funcionar, sem ela é só atrito e rangido

Durante muitos anos pairou em minha mente uma dúvida que me assombrava. Eu me indagava se não faltava algum ponto vital no ensino bíblico a respeito do casamento.

Já ouvi muitas palestras, li muitos livros e artigos que falavam sobre os alicerces adequados para a construção de um casamento sólido; ensinei em centenas de seminários sobre liderança, submissão, papel do marido e da esposa, como resolver conflitos etc.

No entanto, para mim parecia que o elemento que seria a base para todos os outros, ainda estava faltando. Até que descobri que esse elemento é a graça.

Nos últimos anos, minha querida esposa Judith tem me ensinado muito sobre a graça de Deus. Em meus seminários para a família, estou acrescentando ao meu material, mais dados bíblicos sobre essa graça e como ela pode ser aplicada para o enriquecimento e estabilidade do casal.

Casamento é a união de dois indivíduos imperfeitos. Cada um traz para o relacionamento uma série de hábitos, fracassos, preconceitos e idiossincrasias.

Não importa a quantidade de boas intenções, não importa a qualidade da paixão e do romantismo, o fato é que existem forças que minam o casamento ameaçando enfraquecê-lo e até destruí-lo.

É necessário um elemento poderoso para unir o homem e a mulher quando suas imperfeições os distanciam e isolam. É absolutamente indispensável que o casal entenda as implicações do seu compromisso de amor.

A graça é o elo vital que providencia a coesão que mantém as duas pessoas juntas. Ela permite que o amor se desenvolva.

O compromisso diz:

- Eu ficarei com você até que a morte nos separe.

A graça diz:

- Eu o aceito e o tratarei com dignidade mesmo se você falhar comigo.

Graça é a qualidade espiritual que proporciona a base para todos os relacionamentos saudáveis.

Os cristãos deveriam ser especialistas quando o assunto é graça. Nós já deveríamos ter descoberto mais profundamente o Deus incrivelmente gracioso que temos.

O apóstolo Paulo escreveu em Efésios 2.4,5: "Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões – pela graça vocês são salvos". Deus foi bondoso conosco quando nós não nos importávamos com ele.

Gostaria de citar um pequeno trecho do livro "Depressão e Graça", que minha esposa escreveu:

"Graça é demonstrar bondade a quem não merece. Seria mais ou menos o quadro de uma rainha, com todas as suas roupas finas e caríssimas jóias, abaixando-se para ajudar um mendigo imundo, malcheiroso, cheio de feridas e, para completar, criminoso. Falamos muito sobre o amor de Deus. Graça, no entanto, é a forma de expressão do amor para enfrentar a imperfeição, o fracasso ou o pecado".

Mesmo após ter conhecido a Deus e recebido a salvação través de Jesus Cristo reconhecemos, penosamente, que somos incapazes de viver vidas dignas diante dele. Apesar disso, o Senhor é paciente e bondoso conosco. Se alguém tem motivos para tratar os outros com graça, somos nós.

Confesso que quando me casei com Judith, há trinta e oito anos, eu sabia pouco sobre o que é praticar a graça no casamento. Descobri que eu criara muitas expectativas a respeito da minha esposa. Silenciosa e interiormente planejei minha tática de como iria mudá-la para que ela coubesse perfeitamente no meu molde. Fiquei muito impaciente porque percebi que ela não tinha lá tanta disposição em colaborar com meu plano! Afinal de contas, como ela não entendia que Deus me designara para liderá-la? (!!!!!) Eu ficava irritado porque Judith não cooperava comigo, um agente do Senhor especialmente selecionado para refiná-la! Para mim, esta atitude madura e arejada era a essência do que eu achava que havia aprendido no seminário!

No entanto, através dos anos de convivência com essa mulher rica em graça, o Senhor começou a me mostrar que quando um relacionamento está baseado numa aceitação incondicional, toda relação é transformada.

O comportamento do casal e sua própria comunicação sofrem um processo de modificação.

A graça diz:

1. Nunca te Condenarei

Quando falamos através da graça, nos preocupamos em edificar nosso cônjuge. Exaltamos seus pontos fortes. As palavras proferidas pela graça são impregnadas de paciência, perdão e compaixão. A graça se compromete em não rebaixar ou destruir nosso marido ou esposa. A graça não usa palavras duras de crítica ou que ridicularizam ou atacam. A graça dá vida, não morte! (Efésios 4.9).

A graça diz:

2. Em nosso casamento, você está livre de minhas regras, exigências e leis.

Existe certa manipulação entre os cônjuges. Cada um tenta estabelecer o controle do relacionamento aspirando egoísticamente seu próprio ganho.

Às vezes uma pessoa tenta manipular a outra crendo realmente que sabe o que é melhor para ela. No entanto, pouco a pouco isso torna a relação restrita e destrutiva.

Porém, num casamento baseado na graça, ambos ficam livres da necessidade de esforço e performance para obter amor, aceitação e compreensão. Isso propicia um ambiente de liberdade e crescimento mútuo.

Portanto, não existe receio, desconfiança e, em conseqüência, nenhuma postura defensiva de autoproteção.

A graça diz:

3.Eu o aceito como alguém igual a mim

"...sois juntamente herdeiros da mesma graça de vida" (1 Pedro 3.7).

Quando o Espírito da graça reina no casamento, ficamos livres da obsessão de "ser o senhor sobre o outro" e nos tornamos cônjuges genuínos na nossa busca de Deus pela vida. Não temos necessidade de hierarquias socialmente impostas. Ambos seguros, vivendo sob a liderança do Senhor, um não se sentindo ameaçado pelo outro.

A graça diz:

4.Eu o convido a compartilhar comigo suas mais profundas feridas e medos – tanto quanto seus sonhos e desejos.

"Não tenha medo! Eu nunca ridicularizarei o que está no íntimo do seu coração".

O relacionamento fundamentado na graça abre as portas da cumplicidade no compartilhar.

Que base maravilhosa para desenvolver um relacionamento saudável! Um casamento baseado na graça de Deus. O Senhor nos capacita a compreender e mostrar graça, porque ele a tem demonstrado em todas as suas ações para conosco.

Infelizmente, muitos não compreendem a natureza graciosa do Senhor. Eles ainda o encaram como um severo senhor feudal exigente e intransigente.

Portanto, essas pessoas nunca conseguirão interagir em seus casamentos com liberdade, generosidade e amor maduro.

Pode ser que você esteja passando por sérios problemas conjugais. A graça à qual me refiro é sua maior necessidade neste momento. Essa graça o alcançará através do reconhecimento de que Deus enviou ao mundo Jesus Cristo, seu Filho cheio de graça e verdade, para oferecer a vida dele em troca pela sua. Através do seu encontro com Cristo, você receberá graciosamente esse presente.

Absolutamente nada que você possa fazer obterá méritos suficientes para recebê-lo, porque é de graça.

Quando você tomar essa decisão, então terá a capacidade de demonstrar graça ao seu cônjuge, mesmo que ele não a mereça. E é isso que transformará sua vida e seu casamento.

Queridos amigos,

- Graça é um sorriso caloroso e convidativo.

-  Graça é dar liberdade para o outro fazer do jeito dele e não do meu.

-  Graça diz: "Eu fico admirado como você consegue me amar, apesar das minhas incoerências".

-  Graça é não permitir que minhas contrariedades estraguem um passeio, um momento romântico.

-   Graça é constatar paciência diante da irritação.

-    Graça é contar aos outros os seus pontos fortes e não superestimar seus pontos fracos.

Que cada um de nós, nascidos de novo, possamos continuar a crescer cada vez mais na graça de Jesus Cristo e a aprender no dia-a-dia a sermos melhores despenseiros dessa maravilhosa graça.  

Jaime Kemp é doutor em ministério familiar e diretor da Sociedade Religiosa Lar Cristão. Foi missionário da Sepal por 31 anos e fundador da missão Vencedores por Cristo. É palestrante internacional e autor de 40 livros. Casado com Judith, é pai de três filhas e avô de dois meninos.

veja também