"Individualismo excessivo" entre os adultos ameaça o bem-estar das crianças

"Individualismo excessivo" entre os adultos ameaça o bem-estar das crianças

Atualizado: Terça-feira, 17 Fevereiro de 2009 as 12

Um importante relatório da Children's Society divulgado no dia 2 de fevereiro, afirma que a procura agressiva do sucesso pessoal por parte dos adultos é agora a "maior ameaça" das crianças. O relatório "Uma Boa Infância" afirma que muitos dos problemas que afetam os jovens de hoje têm as suas raízes no "individualismo excessivo" e na “crença que existe entre os adultos de que o principal dever de um indivíduo é aproveitar ao máximo a sua própria vida, em vez de contribuir para o bem dos outros".

Esses problemas incluem uma taxa elevada de separações familiares, adolescentes rudes, pressões comerciais para uma sexualização prematura, publicidade "sem escrúpulos", competição nos estudos, e a aceitação de desigualdades salariais.

O relatório foi elaborado com base no inquérito Good Childhood, o primeiro inquérito Britânico independente sobre infância encomendado pela Children's Society e realizado ao longo de três anos por uma equipe de onze especialistas. As suas conclusões baseiam-se em entrevistas realizadas a mais de 30.000 crianças, adultos e profissionais.

O relatório do autor, Lord Richard Layard, afirma: "Os nossos dados mostraram claramente quão estressante a vida se tornou para muitas crianças de todas as classes sociais. Identificamos um fator comum nestes problemas, que é o individualismo excessivo existente na nossa cultura. Isto precisa de ser revertido, e as crianças precisam aprender que ser útil aos outros é no final das contas mais satisfatório do que a luta interminável por uma posição social".

A pesquisa aponta também que o número de crianças que experimentam dificuldades comportamentais ou emocionais significativas, aumentou de oito por cento em 1974 para 16 por cento no presente, e que as crianças com padrastos ou madrastas, ou de famílias monoparentais, estão 50 por cento mais propensos a sofrer de problemas a curto prazo no que diz respeito ao sucesso escolar, auto-estima, depressão e ansiedade. Apesar de 70 por cento das crianças concordarem que "os pais se darem bem é um dos fatores mais importantes na criação de crianças felizes", apenas 30 por cento dos pais concordam com a afirmação.

Ele também adverte que valores como a generosidade, a justiça e a noção de obrigação social são cada vez mais difíceis de ensinar numa sociedade onde "os pais e as crianças ouvem repetidamente que precisam possuir mais bens materiais e competir com sucesso". A saúde mental das crianças também está sendo danificada por uma maior exposição à televisão e à internet, afirma.

Os autores do relatório apelam a uma "mudança de coração significativa na sociedade" e pedem aos pais que ajudem as crianças a desenvolver qualidades espirituais. Eles recomendam que os pais tenham um compromisso a longo prazo entre si, e "procurem viver em harmonia".

Bob Reitemeier, diretor-executivo da Children's Society, afirmou: "Este importante relatório da Children's Society diz que a procura agressiva de sucesso individual por parte dos adultos é atualmente a maior ameaça para as nossas crianças, e estamos determinados a fazer alguma coisa em relação a isso. Essencialmente, o relatório traz um tabu ao público - o de termos de enfrentar a nossa cultura individualista e egoísta. Precisamos compreender que somos responsáveis coletivamente para o bem-estar de todas as crianças e que juntos podemos melhorar a infância".

por Jennifer Gold

 

veja também