Manual anti-birra

Manual anti-birra

Atualizado: Quinta-feira, 9 Abril de 2009 as 12

Entenda o porquê de as crianças fazerem certos tipos de manha e coloque um ponto final nos "chiliques"

Mesmo quem se prepara psicologicamente para ser mãe fica meio perdida diante de um acesso de birra do filho. Nessas horas, bate a dúvida: "Será que estou educando direitinho?" "Os pais devem se dispor a mudar e entender que essas alterações são fundamentais para a criança melhorar o comportamento e amadurecer", diz a psicóloga educacional Rosângela Cabrera, de São Paulo. Conheça os problemas mais comuns entre os pequenos, retratados no livro "Crianças de 1 a 3 anos: Manual do Proprietário" (Ed. Gente), e veja como solucioná-los da forma bem eficaz.

Quando a criança:

Com raiva, morde quem está perto

Nesse caso, ela está carente de atenção. Se não houver repreensão, tende a repetir o ato ao se sentir ameaçada. Por isso, com muita calma, coloque-a de castigo. Depois, libere-a e exija um pedido de desculpas. Converse com ela, mostre que é errado e que não conseguirá nada quando agir dessa maneira.

Atira brinquedos, belisca, bate e chuta as pessoas

"A criança não sabe respeitar o espaço alheio nem lidar com situações que a incomodam", afirma Rosângela. Deixe-a de castigo, mas oriente antes: diga que essas atitudes podem machucar outras pessoas e aconselhe-a a dividir seus brinquedos.

Atira comida

Se, quando menor, fazia isso e os pais achavam "bonitinho", ela reproduzirá o gesto, julgando-o correto. Se for ainda bebê, repreenda para o erro não se repetir. Se for maior, mande a criança recolher a comida do chão. "Explique o valor do alimento e a importância dele", ensina a especialista.

Tem acessos de raiva, atira-se no chão e grita

Caso seu filho não tenha sido punido ao fazer isso pela primeira vez, prepare-se para um repeteco mais cedo ou mais tarde. Se estiver em locais públicos, ignore-o. Quando se acalmar, volte a lhe dar atenção. Mantenha-se firme. Se ceder, ele perceberá como esse comportamento chama a sua atenção e não vai parar nunca.

Chora por tudo

A primeira forma de comunicação é o choro. Mas, depois, chega a hora de ensiná-la a mostrar sentimentos. Certifique-se de que as necessidades básicas estão ok e use as táticas dos acessos de raiva. Outro meio é mandá-la agir como uma criança crescida, afirmando: "Você já é uma mocinha".

Não aceita ouvir "não" de ninguém

"Na maioria das vezes, o problema está nos pais, que não impõem limites", conta a psicóloga. Para a proibição ter crédito, em vez de falar "não coloque os pés no sofá", diga: "Sente-se direito". Se obedecer, demonstre carinho e elogie.

veja também