Não confunda desejo de comprar com necessidade

Não confunda desejo de comprar com necessidade

Atualizado: Terça-feira, 2 Dezembro de 2008 as 12

Por Myrian Rosário

Nessa época do ano, quando muitos têm sua renda incrementada com o recebimento do 13º salário e prêmios anuais, a mídia reforça o seu arsenal de fábrica de sonhos, veiculando propagandas minuciosamente produzidas para transformar desejos em necessidades. Sem perceber, você se pega pensando naquela TV de plasma, naquele home theater, naquela geladeira de inox nova ou, atraída pelo brilho das vitrines, sente-se impulsionada a comprar roupas, sapatos e bolsas que seguem as últimas tendências de moda sem questionar se está mesmo precisando de tudo aquilo. "Confundir desejo com necesidade é o primeiro grande erro que se comete quando o assunto são as finanças", afirma o consultor Paulo de Tarso, diretor do Finaças Para a Vida. "A sociedade vai criando determinados desejos que vão se transformando em necessidade. Por exemplo, celular. Até pouco tempo isso nem existia e hoje tem gente que não consegue viver sem ele".

Paulo de Tarso explica que muitos modismos vão se agregando ao consumo mensal das pessoas e acabam desestruturando as famílias a ponto de as pessoas passarem a gastar mais do que ganham. "E só se consegue manter esse padrão com o endividamento", alerta. O consultor lembra ainda que os juros do cartão de crédito podem chegar a 15% e que, apesar disso, muitos têm como hábito pagar apenas o valor mínimo da fatura. É bom pensar em tudo isso da próxima vez que estiver diante de uma vitrine.

veja também