Não se desespere! Há tempo para tudo

Não se desespere! Há tempo para tudo

Atualizado: Terça-feira, 20 Outubro de 2009 as 12

"O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios, vem do Senhor" (Provérbios 16.1)

A paternidade /maternidade é uma carreira para a qual nem todos estão preparados. Talvez a razão de tanta gente falhar em ser pai e mãe deva-se ao fato de insistirem em possuir e não em dirigir os filhos. Dizemos que são "nossos", mas a Palavra de Deus diz que eles não nos pertencem.

Quando o namoro está firme, se transformando em noivado, já é tempo de o casal começar a planejar a família que gostariam de ter.

Deixe-me compartilhar algumas considerações que considero importantes a quem planeja ter filhos:

- Estabelecer planos em longo prazo para a vida de casados:

Vocês têm aspirações profissionais? Como os filhos se encaixam nelas? Será preciso adequá-las? Quantos filhos gostariam de ter? Os dois concordam com o número? Ter filhos ocasionará alguma mudança drástica em seu estilo e/ou padrão de vida? Como? Que outras alterações os filhos podem vir a causar em um casamento? Vocês já conversaram sobre o tipo de disciplina e os suportes emocionais e espirituais que pretendem dar a seus filhos? Estas são apenas algumas perguntas que podem servir de trampolim para que o casal converse e discuta o assunto "filhos". Felizmente os pais têm (em sua grande maioria) nove meses para se adequar. Eles podem usar esse período para se preparar emocional, mental, espiritual e até financeiramente para o aumento da família. Vamos conversar um pouco sobre este assunto. Para começar vamos ver alguns pontos importantes:

A.    O que a Bíblia diz sobre filhos?

Os filhos são bênçãos do Senhor (Salmos 127.3). No Antigo Testamento eles eram, desde pequenos, treinados no ofício dos pais e os ajudavam. Além disso, carregavam o nome da família e o transmitiam aos filhos que, com zelo, faziam o mesmo. Depois, quando os pais ficavam muito velhos eles assumiam seus ofícios e os sustentavam inteiramente.

Vemos também, na Bíblia, algumas passagens em que casais sem filhos chegaram a tomar atitudes extremas para tê-los. Esse foi o caso de Sara que "empurrou" seu marido para que tivesse filhos com sua serva, por achar que Deus estava demorando demais para responder sua oração e dar-lhes filhos (Gênesis 16.2).

Ana, também, caiu em profunda depressão por não poder ter filhos. Ela jejuou e orou desesperadamente por muitos anos. Finalmente fez um trato com Deus: se tivesse um filho o dedicaria a Ele (1 Samuel 1).

Nos dias de hoje, na maioria das culturas, os filhos não são mais aguardados com vias a ajudar no sustento da casa. Muito pelo contrário, eles representam custo e despesas extras e altas. Apesar disso, muitas são as famílias que desejam-nos ardentemente e, na impossibilidade de tê-los, tomam as mais radicais medidas para consegui-los. Até mulheres profissionais que antes de se casar apregoavam não querer ter filhos, por volta dos trinta e poucos anos mudam de idéia.

Há pessoas que nos surpreendem. São super organizadas em sua vida profissional fazendo o tempo render e obtendo resultados expressivos. Por essa facilidade de gerenciamento era de se esperar que, em nível pessoal, utilizassem o mesmo padrão.  No entanto, suas vidas particulares são desorganizadas. Não planejam a vida familiar, não param para analisar quantos filhos gostariam de ter, como educá-los, nada...

Simplesmente "ficam grávidos", ou não, dependendo da época fértil da mulher. E os filhos vão crescendo de qualquer jeito, sem muito cuidado, carinho ou atenção específica.

B- Como os filhos podem afetar o casamento?

Ser pai é uma imensa responsabilidade. A Bíblia nos orienta a ensinar, diligentemente, a Palavra de Deus a nossos filhos (Deuteronômio 6.6-7), a criá-los nos caminhos do Senhor (Provérbios 22.6), a discipliná-los adequadamente (Hebreus 12.7-11) e a não nos tornarmos motivos deles tropeçarem (Mateus 18.6).

Como pais tentamos passar os valores que consideramos importantes para a construção de caráter de nossos filhos, o que torna mais doloroso ter de discipliná-los, educá-los e mesmo assim vê-los se afastar de nós atrás de outros valores. E é nesse ponto, pai, que Deus desenvolverá em nós paciência e aumentará nossa capacidade de perdoar. E isso será um simples reflexo da graça e misericórdia que o próprio Deus tem para nós (Salmos 103.11-14).

Uma das perguntas que mais recebemos em nossos seminários para a família é: "Todos os casais devem, necessariamente, ter filhos?" Creio que entre os dons que Deus nos deu, um dos mais preciosos é a capacidade de trazer vida a este mundo. No entanto, isso não significa que todos devam ter filhos, pois inclusive, nem todos podem tê-los.

C- Estamos dispostos a pagar o preço de aumentar a família?

É muito importante saber o que leva um casal a querer filhos, pois motivos errados suscitam formas inadequadas de criá-los.

1.       Primeiramente, se você está querendo um filho para tentar salvar seu casamento, não faça isso! Essa atitude pode simplesmente virar um "tiro pela culatra" e em vez de cooperar com o casal pode vir a prejudicá-lo.

2.  Em segundo lugar não tenha filhos para se realizar através deles, levando-os a ter uma vida sufocada por suas exigências. É natural que os pais se alegrem com as vitórias e se entristeçam com as derrotas, mas sem tentar viver através deles.

3.  Em terceiro lugar, não procure ter filhos simplesmente para agitar uma vida entediante. Filhos não são brinquedos nem jogos.

4.  Por outro lado, os filhos podem enriquecer as nossas vidas das mais variadas formas, se vierem pelas razões adequadas.

Com tudo isso a curiosidade está grande, não é? Bom, infelizmente, devo colocar que não há motivações 100% puras e corretas. Nenhuma é absolutamente perfeita, como nós também não o somos. Creio, no entanto, que há dois princípios básicos que devem guiar nossos pensamentos:

PRINCÍPIO 1

Considerem ter filhos se você e sua esposa desejarem ardentemente estender o seu amor para criar uma terceira pessoa que seja parte de ambos. Gênesis 1.28 diz que devemos "ser frutíferos e encher a terra".

PRINCÍPIO 2

Considerem ter filhos se o seu amor por uma criança transbordar, seja ela filho natural ou adotivo.

Quando nos tornamos pais continuamos a ser pessoas com vida própria, a ter necessidades que não serão totalmente satisfeitas pelo fato de termos gerado e criado filhos. O casal deve se lembrar de que começou em dois e, se a vida seguir o curso normal, também terminará nos dois.

"Curta" os filhos, mas nunca se esqueça de continuar a investir no relacionamento com o seu cônjuge. É neste ponto que muitos casais "pecam" e acabam até se separando. Se o casal não tiver conhecimento desse fato e do risco que corre a tendência normal será de centralizar as atenções nos filhos e relegar o cônjuge.

Creio que seja uma boa medida que o casal planeje aumentar a família depois de já ter dado um tempo razoável para se conhecer melhor e  se ajustar.

Os bebês, por serem totalmente dependentes, levam os pais a um grande desgaste. E aquela coisinha fofa implica em mais do que simples atenção: requer planejamento de educação. Os pais precisam conversar para partir do mesmo ponto e caminhar lado a lado. Disciplina deve fazer parte de uma educação eficaz e os pais devem começar disciplinando-se a si próprios no que se refere a utilizar a mesma forma de correção.

É muito importante essa fase de planejamento antes da chegada dos filhos. Pais conscientes das adaptações necessárias e que estão dispostos a cooperar entre si, já sentem o estresse da fase. Dá, então, para calcular o nível de desgaste de um aumento inesperado da família!

Há príncipes virando sapos e princesas virando bruxas por ocasião da chegada de um bebê. Essas situações podem ser suavizadas quando o casal está consciente do preço a ser pago, inclusive, o financeiro. Por tudo isso reforço a importância do planejamento!

Há casais que já tendo vários filhos do mesmo sexo decidem arriscar mais e vão tentando, tentando até que chegue o tão esperado menino, ou menina. Os pais têm condição de sustentar uma família grande? Curtem cada um dos filhos? Que Deus os abençoe e à sua prole!

Acima de tudo que Deus dê aos casais a firmeza e a união entre si, enquanto a família aumenta!

Jaime Kemp é  doutor em ministério familiar e diretor da Sociedade Religiosa Lar Cristão. Foi missionário da Sepal por 31 anos e fundador da missão Vencedores Por Cristo. É palestrante internacional e autor de 43 livros. Casado com Judith é pai de 3 filhas e avô de 2 netos.

veja também