O mundo está preparado para atender os idosos?

O mundo está preparado para atender os idosos?

Atualizado: Sexta-feira, 7 Outubro de 2011 as 9:16

É muito bom viver num país cujo contingente de idosos aumenta sensivelmente. Porém, com isso, a seguinte pergunta sempre se faz pertinente: “O mundo está preparado para atender aos idosos?”

Geralmente a resposta a este questionamento é feita pensando-se apenas em aspectos referentes à saúde e à previdência social. São duas esferas essenciais para a população que envelhece, porém, como já falei em outros artigos, a população idosa, assim como aquela de outras faixas etárias, possui outras necessidades. Idosos precisam de oportunidades na área da educação, de acessibilidade, de cultura, de lazer, dentre outras.

Numa viagem recente ao Rio de Janeiro, fui com uma tia, já idosa, almoçar num restaurante em Copacabana. Ela se orgulhava em afirmar que este é o bairro com maior concentração de idosos no Brasil, apontando mesas onde senhoras alegres se divertiam, ou uma mesa onde uma senhora, dependente, almoçava com o auxílio de sua cuidadora, na companhia de outras senhoras. Interessante que o pianista que alegrava o local também já se mostrava bastante idoso e estava ali, trabalhando, tocando músicas que agradavam principalmente àqueles mais idosos. Neste contexto de domingo feliz, me coloquei a pensar: será que os setores de atendimento, de maneira geral, estão preparados para atender à população idosa?

As atendentes do restaurante se mostraram muito capacitadas para lidar com seus clientes idosos: atendiam com delicadeza, falavam num tom mais alto para serem compreendidas pelos clientes com dificuldades de audição e carregavam as bandejas daqueles que estavam de bengala. São pequenas atitudes como estas que fazem um grande diferencial no atendimento de idosos, muitos dos quais são sozinhos e realmente precisam ser atendidos em suas necessidades específicas.

Os responsáveis pelos setores de atendimento em geral e comerciários precisam se preocupar em fornecer um tipo de treinamento para seus funcionários: funcionários do comércio, bancários, operadores de telemarketing, operadores de caixa registradora, funcionários de repartições públicas e outros profissionais, independente de trabalharem em locais destinados exclusivamente para a população idosa sabem que um dia irão lidar com este público-alvo.

Primeiramente, é importante que a pessoa que irá lidar diretamente com o idoso se dispa de qualquer preconceito referente ao processo e envelhecimento: que não generalize que todos os idosos são ranzinzas, “caducos”, doentes ou pessoas difíceis de lidar. Isto já é um grande princípio. Também é essencial compreender que algumas condições associadas ao envelhecimento podem acarretar-lhes problemas e limitações, tanto do ponto de vista fisiológico, quanto cognitivo, quanto psicossocial e, devido a estas condições, eles irão requerer um tipo de atenção especial. Às vezes ter um pouco mais de paciência e respeitar o tempo do idoso, já que alguns são mais lentos para executar determinadas tarefas, já é suficiente.

Por outro lado, o profissional que irá lidar com idosos deve se lembrar que alguns não necessitam de nenhum tipo de ajuda, e tentar auxiliá-los pode ser o suficiente para que se sintam inúteis, dependentes ou mesmo para irritá-los. É imprescindível ter a sensibilidade de entender quando ajudar e como ajudar, para não parecer invasivo, superprotetor ou negligente para com o idoso.

Independente de nossa área de atuação, é sempre importante lembrar de que um dia poderemos vir a atender um idoso e devemos estar preparados para isso.

veja também