O sono da gestação

O sono da gestação

Atualizado: Sexta-feira, 21 Maio de 2010 as 9:19

Todo mundo fala sobre a velha máxima de que grávidas sentem mais sono e que é preciso aproveitar para descansar durante a gestação porque, depois que o bebê nascer, você vai dar adeus às noites bem dormidas. Mas ninguém conta que você pode ter, sim, dificuldade para dormir na gravidez, ainda que nunca tenha sofrido com isso. Um estudo da Faculdade Norte-Americana de Obstetrícia e Ginecologia, de Chicago, que avaliou o sono de 189 gestantes, mostrou que os problemas na hora de dormir podem piorar com o passar dos meses de gestação. A ansiedade, somada às mudanças hormonais e físicas, é a grande vilã.

Com a ajuda de especialistas, CRESCER selecionou as situações que mais tiram o sono das grávidas e traz soluções práticas para cada uma delas. Para facilitar ainda mais, dividimos as dicas por trimestre. E, se os sonhos são parte das suas queixas, agora você vai entender o que eles significam. Nós também adiantamos a solução para o próximo desafio: o “quarto trimestre”, quando você vai reaprender a dormir com um bebê em casa.

Primeiro trimestre: muito sono durante o dia

O início da gravidez é marcado mais por mudanças hormonais do que por físicas, já que o bebê ainda é menor que um grão de feijão, e seu corpo trabalha a mil para garantir o bom desenvolvimento do feto. Esse esforço extra pode deixar você cansada e sonolenta, enquanto a brusca variação hormonal vai trazer insegurança e ansiedade, o que pode prejudicar - e muito - as suas noites de sono.

Enjoo

Não, eles não são comuns apenas pela manhã. Podem aparecer à noite também. O principal culpado é o hormônio progesterona, que desacelera os movimentos gastrointestinais. A comida permanece no estômago por mais tempo e se move lentamente pelo sistema digestivo.

Solução: Faça uma refeição leve para facilitar a digestão e jante mais cedo. Se você comia às 21 horas, adiante para as 19h30. Deixe os alimentos gordurosos ou muito temperados de lado. Chocolates podem causar refluxo. Pouco antes de dormir, se tiver fome, coma bolachas salgadas. Deixe mais algumas no criado-mudo, ao lado da cama, caso você acorde enjoada.

Ronco

A retenção de líquido (e o inchaço) pode dificultar a respiração. As narinas ficam mais inchadas e o espaço para o ar diminui. Essa mudança pode causar ronco durante a noite.

Solução: Beba muita água durante o dia para melhorar a circulação e ponha menos sal na comida. Assim você evita a retenção de líquido e, por consequência, o inchaço. Outra indicação - que é boa para a vida toda - é fazer drenagem linfática duas vezes por semana. Converse antes com o seu obstetra.

Medos

Os que aperecem no começo da gravidez, como sofrer um aborto espontâneo, são os responsáveis pela falta de sono à noite. Mesmo quem fica muito sonolenta de dia (neste caso, tire uma soneca, se for possível), pode sofrer de insônia mais tarde.

Solução: Faça uma atividade física logo pela manhã. Ela ajuda a despertar durante o dia. E, à noite, procure relaxar. Escute uma música que você goste bastante e que traga boas lembranças, tome um banho morno, deite e leia um livro ou veja um filme - romances, nada de drama ou tragédia.

Segundo trimestre: equilíbrio hormonal

Você vai se sentir melhor. A fase crítica dos enjoos e azias já passou e a produção de hormônios se estabilizou. Aquela ansiedade sem fim que você tinha também diminui porque agora você sente o bebê mexer e sabe, por meio de exames, que ele está crescendo e se desenvolvendo com saúde.

Câimbra

Infelizmente, elas começam agora e aumentam progressivamente até o fim da gravidez. As causas são a falta de minerais, como cálcio e potássio, e o comprometimento da circulação. É comum ter crises durante a noite, como dor na panturrilha.

Solução: Inclua alimentos ricos em cálcio e potássio na sua dieta, como leite, e derivados, tomate e, claro, bananas. Anote essa receita do suco anticâimbra: bata duas fatias de melão no liquidificador, junte meia banana e bata mais um pouco até ficar cremoso.

Falta de ar

Como o bebê está crescendo, o aumento do tamanho da barriga e do útero podem comprimir a região do diafragma e causar dificuldade para respirar. E deitada é ainda maior.

Solução: Não existe um método infalível. O segredo é manter a calma e controlar a respiração. Quando sentir falta de ar, sente-se na cama, respire devagar pelo nariz e solte o ar pela boca. Faça isso por cinco minutos. Se for preciso, dê uma volta pela casa, abra uma janela e inspire o ar.

 Síndrome das pernas inquietas

É uma sensação incômoda que provoca uma irresistível vontade de mexê-las. Os sintomas vão se acentuar durante a noite, quando você estiver deitada. A síndrome está ligada à ansiedade e, na maioria das vezes, costuma passar depois do parto.

Solução: O segredo é relaxar antes de dormir. Faça uma automassagem nas pernas, com movimentos verticais do peito do pé em direção ao quadril. Use um creme ou óleo para a mão escorregar com mais facilidade.

Terceiro trimestre: noite interrompida

Esses são os meses mais difíceis. Achar uma posição para dormir vai exigir paciência e as dores nas costas aumentarão. Em compensação, começou a contagem regressiva para ter seu bebê nos braços.

Falta de posição para dormir

É como um jogo. Deitar de bruços não dá mais, com a barriga para cima a sensação de falta de ar é frequente e do lado direito os médicos não indicam porque você pode comprimir a veia cava, principal responsável pela circulação de sangue do corpo.

Solução: Deixe a veia cava livre para trabalhar e se acostume a deitar do lado esquerdo. A circulação flui melhor e evita o ronco. Use travesseiros a seu favor. Coloque um entre as pernas, outro fininho embaixo da barriga para apoiá-la e mais um nas costas – pedir ajuda para montar esse esquema é providencial.

Dor nas costas

É preciso apelar para a física para explicar por que suas costas podem doer! O que acontece é uma mudança do centro de equilíbrio do corpo. Conforme o útero se amplia, as costas são projetadas para trás e a barriga, para frente.

Solução: Tome um banho longo e deixe a água morna escorrer bastante pelas costas. Acupuntura pode minizar os sintomas também. Mas primeiro converse com seu médico e procure um profissional credenciado à Associação Brasileira de Acupuntura.

Idas ao banheiro

Quem corria para o banheiro muitas vezes vai ter que ir ainda mais. O peso do útero sobre a bexiga provoca muita vontade de fazer xixi, e ela não desaparece à noite...

Solução: Evite tomar líquido duas horas antes de dormir e, quando for ao banheiro, segure a base da barriga e dê uma leve levantada para permitir que toda a bexiga esvazie. Como agora a regra é quanto mais perto do banheiro, melhor, se for preciso troque de lugar com seu companheiro na cama. Feche as portas dos armários e tire objetos do caminho. Vale-tudo para não tropeçar no escuro durante a madrugada.

Abner Lobão Neto, ginecologista e obstetra, coordenador do pré-natal personalizado da Unifesp (SP); Jurandir Piassi Passos, ginecologista e obstetra, especialista em medicina fetal pela Unifesp; Antonio Julio Sales Barbosa, obstetra do hospital e maternidade Santa Catarina (SP); Edilson Ogeda, obstetra do hospital Samaritano (SP)

Por: Bruna Menegueço

veja também