Os avós e a educação dos netos

Os avós e a educação dos netos

Atualizado: Segunda-feira, 26 Julho de 2010 as 10

Ficar na casa dos avós geralmente é sinônimo de diversão. É comer pipoca e bolo de chocolate, brincar de luta no tapete da sala, ter a comida preferida na hora da refeição e ouvir muitas histórias. Mas não é apenas nas brincadeiras e na fuga da rotina que o papel deles é desempenhado; os avós podem ser conselheiros, educadores e um conforto em momentos difíceis.

A importância deles no desenvolvimento das crianças foi atestada em uma nova pesquisa da Universidade de Oxford, na Grã-Gretanha, com 1,5 mil crianças e adolescentes de 11 a 16 anos. Os estudiosos observaram que as crianças que tiveram os avós por perto cresceram mais felizes. Principalmente nos dias de hoje, quando os pais têm uma rotina atribulada, a proximidade é ainda mais benéfica - e necessária.

De acordo com o estudo, quase um terço das avós maternas tomam conta dos netos regularmente na Grã-Bretanha. Em entrevista a BBC Brasil, Eirini Flouri, do Instituto de Educação de Londres, disse que, em épocas de separação dos pais, muitos avós desempenham um papel importante ao trazer conforto aos netos e estabilidade a toda a família. A pesquisa também levantou que os avós foram muito importantes no momento de superar dificuldades como a implicância de colegas da escola e no planejamento do futuro, como a escolha da faculdade.

No colo dos avós é seguro

Alguma vez você pensou que seus pais ou sogros não dariam conta de um bebê ou que poderiam ficar desatentos por alguns minutos e ele se machucaria? Os americanos levam essa história tão a sério que fizeram uma pesquisa e constataram que crianças que ficam com os avós não têm esse risco aumentado por conta da idade dos cuidadores. Se você deixar seu filho com os avós - principalmente agora, que você está no trabalho e seus filhos de férias -, fique tranqüilo e não se esqueça de deixar também:

• uma quantia em dinheiro, para eles comprarem o que a criança precisar

• uma lista de telefones para emergências

• recomendações com horários da rotina do bebê

E lembre-se do ônus: eles vão palpitar, sim, sobre a educação da criança. Mas com uma boa conversa, entrar em um acordo não será tão difícil.

Para entender mais sobre o papel dos avós na educação dos netos, conversamos com as avós e especialistas Teresa Bonumá, terapeuta de casais , e Edimara Lima, psicopedagoga da Prima Escola Montessori , em São Paulo. Veja o que elas disseram:

CRESCER: Como os avós contribuem na educação dos netos?

Teresa Bonumá: Os avós têm uma função de continuidade na educação das crianças, que começa com os pais. Eles podem e devem mimar os netos, brincar, levar para passear, dar conselhos, ter pequenos segredos, mas sempre respeitando a disciplina e os costumes impostos pelo pai e pela mãe.

Edimara Lima: Um papel muito importante está na formação da identidade. São os avós que carregam essa herança e, ao repassá-la, ajudam na construção das raízes, o que é muito importante para o desenvolvimento da criança. A minha filha adorava quando eu contava para ela algumas histórias da família, e hoje em dia, eu faço isso com o meu neto.

CRESCER: Até onde vai a interferência dos avós?

Teresa: Mesmo que não concordem, os avós precisam agir de acordo com os princípios dos pais. Se eles não querem que o filho coma chocolate ou tome refrigerante, os avós não podem fazer isso quando o neto está na casa dele. As crianças precisam de regras, que devem ser impostas pelos pais e seguidas pelos avós.

Edimara: Além disso, os avós também não devem criticar os pais em frente ao neto.

CRESCER: Quando os avós vivem na mesma casa que os netos, o que muda nessa relação?

Teresa: Nesse caso, os avós precisam entender que, apesar de participarem da educação da criança, o papel deles está em segundo plano. Eles não podem interferir quando o pai está dando uma bronca no filho. Apesar de não ser fácil, é preciso estabelecer um limite entre autoridade dos pais e dos avós para que a própria criança não confunda os papéis. O segredo está em muita conversa.

Edimara: A situação é mais delicada. Mas, como estão todos na mesma casa, é preciso que as regras sejam únicas e respeitadas por todos.

veja também