Pare de se comportar como a irmã de seu marido

Pare de se comportar como a irmã de seu marido

Atualizado: Quarta-feira, 14 Maio de 2008 as 12

Pare de se comportar como a irmã de seu marido

 A separação de um casal cristão é sempre motivo de muita tristeza. O choque, porém, ainda é maior quando os cônjuges se dão muito bem e, "de repente", o relacionamento despenca.

Existem casais que se dão muito bem afetivamente, mas acabam perdendo o interesse pelo sexo. Isso acontece porque, com o passar dos anos, homem e mulher caem no erro de se tratarem apenas como "amigos" ou "irmãos", e o peso desse laço muitas vezes cria a dificuldade de se resgatar a qualidade da relação de amor.

Algumas mulheres acabam achando que tudo isso é perfeitamente normal, pois afinal ela e o marido "se dão tão bem". A verdade é que satanás, de alguma forma, sempre tentará fazer acordos com o homem. Nada melhor do que tocar naquilo que Deus mais ama e preza, que é a comunhão entre marido e mulher.

Alguns fatores relacionados à infância e à adolescência podem gerar uma visão negativa da sexualidade, "disparando um gatilho" de desinteresse. Um dos exemplos mais comuns é a ausência de troca de carinho entre os pais. Muitos filhos que não estão acostumados a ver os pais de mãos dadas, trocando olhares ou beijinhos, certamente têm um pouco mais de dificuldade de assimilar, quando adultos, uma rotina romântica dentro do lar.

Uma outra questão que também precisa ser avaliada no esfriamento sexual é a presença de um quadro disfuncional no casal ou em um dos cônjuges.

O desejo sexual hipoativo, como é diagnosticado clinicamente, é a diminuição ou ausência completa do desejo e motivação para uma atividade sexual. O problema no Brasil já é a principal queixa feminina e estima-se que 35% das mulheres sofram dessa dificuldade.

A monotonia na rotina sexual do casal também causa desinteresse em criar situações prazerosas após o casamento e o desejo de conquistar e inovar. Não são poucos os cônjuges que se acomodam, deixando de se arrumar e investir em passeios como pousadas e hotéis.

Outro fator de grande peso para o esfriamento de um relacionamento pode ser o acúmulo de mágoas e ressentimentos. Tudo isso, com o tempo, vai se transformando em uma lixeira emocional e comprometendo a auto-estima, conseqüentemente tirando o brilho e a beleza da cumplicidade de uma relação.

O que muitos casais cristãos não entendem é o valor da santidade atribuída a uma relação sexual entre casados. A intimidade entre marido e mulher é indiscutivelmente motivo de louvor a Deus. Basta dizer que esse foi o primeiro mandamento de Deus ao homem: "E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra..." Gênesis 1:28

Esse mesmo Deus incentiva literalmente o sexo entre casados, quando declara: "Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade, corça de amores e gazela graciosa. Saciem-te os seus seios em todo o tempo; e embriaga-te sempre com as suas carícias." Provérbios 5:18;19

O estado de Israel não somente incentivava os recém-casados como o resguardavam dentro da lei: "Homem recém-casado não sairá à guerra, nem se lhe imporá qualquer encargo; por um ano ficará livre em casa e promoverá felicidade à mulher que tomou. (Deuteronômio 24:5)

Deus criou os órgãos sexuais para o prazer do ser humano. Ele não criou algumas partes do corpo boas e outras ruins, todas são boas. Quando terminou a obra da criação, disse Deus: "Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom" (Gênesis 1:31). O sexo também é parte desta criação muito boa.

Um casal que diz viver sob o amor de Deus. mas não manifesta a alegria de uma vida sexual ativa e feliz, certamente está vivendo de fachada e mentira. Isso é pecado. Se os cônjuges não são felizes na vida sexual, serão incompletos também na área espiritual, emocional e profissional.

Procurando em Deus uma solução

O livro de Cantares de Salomão pode ajudar e muito um casal que encontra dificuldades em se relacionar sexualmente. Num dos poemas, a mulher toma a iniciativa e procura o companheiro para amá-lo, deixando-o exausto (3:3-5). Ele faz elogios ao corpo da amada (4:1-5) e ela manifesta o desejo que sente pelo amado (5:3-6). A falta deste gerou nela uma "enfermidade de amor" (5:8). Ela faz elogios ao corpo do amado, objeto dos seus desejos (5:10-16). Ele novamente elogia o corpo da amada (7:1-5). Confessa que a amada é deliciosa (7:6). Ele continua os elogios (estatura, seios, respiração, paladar) (7:7:9). Ela o convida para amá-la no meio das vinhas (7:11,12).

As citações acima são retiradas da Bíblia Sagrada e não de uma literatura pornográfica. Cristãos que ignoram a santidade e a beleza do sexo apresentam uma mente enferma e pecaminosa.

Errar por não conhecer as Escrituras é ignorância. Se marido ou esposa manifestam sentimento de culpa por ter relações sexuais com o cônjuge, certamente trazem consigo o engano de uma concepção errada de santificação. Onde há sentimento de culpa há a mão de satanás. Esse sentimento precisa ser repreendido em nome de Jesus e o casal descobrir as alegrias de um casamento feliz.

veja também