Partos em jovens de 10 a 19 anos caíram 30% no Brasil

Partos em jovens de 10 a 19 anos caíram 30% no Brasil

Atualizado: Quinta-feira, 1 Outubro de 2009 as 12

A gravidez na adolescência é uma preocupação real dos profissionais de saúde e do governo. Ser mãe antes do tempo é um dos principais motivos para a evasão escolar. Na semana do Dia Mundial da Prevenção da Gravidez na Adolescência (26 de setembro), o Ministério da Saúde divulga que partos realizados na rede pública em adolescentes, de 10 a 19 anos, caíram 30% em 10 anos. No Sul, Sudeste e Centro-Oeste, a redução ultrapassou 35%.

O levantamento aponta que foram 485,6 mil partos em 2008, contra 699,72, em 1998. Segundo os responsáveis pela pesquisa, a queda se deve ao acesso de políticas de saúde e ações de incentivo para jovens procurarem os serviços. Entre as iniciativas estão a distribuição gratuita de métodos contraceptivos em postos de saúde e o aumento no número de equipes de Saúde da Família.

"Por causa dessas iniciativas, meninas e meninos estão mais informados sobre saúde sexual e reprodutiva e têm mais acesso a preservativos e métodos contraceptivos", afirma a coordenadora da área de Saúde do Adolescente e do Jovem, do Ministério da Saúde, Thereza de Lamare. Ela destaca ainda como fundamental na redução do número de partos entre adolescentes os programas que unem saúde e educação, como Saúde nas Escolas e Prevenção e Saúde nas Escolas.

Essas duas iniciativas levam aos alunos da rede pública informações sobre puberdade, saúde reprodutiva, prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e sobre o sexo seguro. "Um dos grandes desafios nessa área é educar e orientar o jovem", destaca Thereza. Com o intuito de melhorar o acesso dessa parcela a informações sobre saúde, o Ministério da Saúde realiza, a partir do dia 22 de setembro  - Dia Nacional da Juventude -, uma série de ações para incentivar o adolescente a procurar os serviços de saúde.

Com o objetivo de propagar a informação sobre sexo seguro entre os adolescentes, foi criada uma cartilha para garotos e outra versão para as meninas. O material, que contêm informações sobre saúde sexual e reprodutiva, tem previsão de ser distribuído em 433 municípios até outubro.

Outro dado que merece destaque é a queda do número de abortos legais, feitos quando a gravidez coloca a vida da gestante em risco ou quando é resultado de violência sexual. Entre janeiro de 1999 e fevereiro de 2006, os registros de interrupção de gravidez entre 10 e 14 anos caíram 2,37%. Na faixa entre 15 e 19 anos, a redução foi de 38,2%. A pílula do dia seguinte exerceu também um papel preponderante nesses indicadores, diz Thereza.

veja também