Sensibilidade exagerada

Sensibilidade exagerada

Atualizado: Quinta-feira, 26 Novembro de 2009 as 12

Muitas mulheres são naturalmente sensíveis, principalmente nos primeiros anos de vida de casada. Qualquer palavra proferida em tom mais enérgico por parte do marido produz um rio de lágrimas. Durante os primeiros meses de gravidez e nas semanas pós-parto, a mulher está hormonalmente mais sensível. O amadurecimento emocional de uma mulher é uma grande conquista, e ele só é alcançado com o passar dos anos. Contudo, é quando pensamos que temos total controle de nossas emoções que as coisas degringolam outra vez.

Eliane me confidenciou um episódio que seria engraçado se não tivesse lhe trazido tanto sofrimento. Certa vez, ela estava na fila do caixa de um supermercado esperando a sua vez quando, de repente, as compras da freguesa da frente caíram do carrinho. Eliane teve uma reação que a maioria de nós teria: ajudou a pegar os alimentos que haviam caído. Para a sua surpresa, a dona das compras ralhou com ela por ter colocado as mãos nas compras, alegando que não era higiênico tocar nos alimentos dos outros.

Além de se sentir tremendamente envergonhada com aquela cena, Eliane ficou emocionalmente abalada e não conseguia parar de chorar. Foi para casa chorando no carro e mesmo em casa não conseguia se compor. Ela não compreenderia por que um episódio tão bobo como aquele a abalara tanto. Hoje, passados alguns anos, ela analisa que tudo fazia parte do período de menopausa; que todos os sintomas que ela sentia contribuíam para a fragilidade emocional.

Se você se sente assim e fica triste por se entristecer à toa, bem-vinda ao clube! Mas, por favor, tire destes depoimentos forças para dar a volta por cima. Você não está doente! Não fique nutrindo a autopiedade e, o que é pior, se fazendo de coitadinha aos olhos do marido. Somos ou não mulheres de Deus? Precisamos levar soluções aos nossos maridos e não problemas. Muitas mulheres já passaram pelo processo pelo qual você está passando e estão aí, firmes e fortes!

Temos de aprender com o apóstolo Paulo a tirar da fraqueza, força, e da tristeza, alegria. (Hebreus 11.34).

Trecho do livro "Tempo de Pausa", de Jane Crivella.

veja também