Seu casamento pode durar

Seu casamento pode durar

Atualizado: Segunda-feira, 1 Fevereiro de 2010 as 12

Os desafios de construir uma vida a dois

O programador Diego, 22 anos, e a jornalista Fabiana Almeida, 28, se casaram há um ano. Desde que começaram a namorar,  o trato entre os dois era estruturar a vida profissional até o dia do casamento. Com a questão financeira resolvida para os dois, não havia mais motivos para adiar o sonho branco: o casal consolidou os votos no altar, diante da família e convidados, e efetivaram o chamado casamento de & O discurso parece retrógrado, mas Diego e Fabiana representam a realidade da maioria, e não o contrário. Estatísticas demonstram que o casamento ainda é a preferência dos brasileiros. Mesmo em tempos em que o sexo entre pessoas solteiras é cada vez comum, muita gente ainda faz questão da legalidade da união civil. Dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelaram que o número de casamentos realizados no Brasil prosseguiu em franca expansão em 2006.

A pesquisa contabilizou um total de 889.828 casamentos realizados no Brasil, número 6,5% maior do que o apurado no ano anterior. A constatação confirma uma tendência de crescimento nos índices de casamentos que vêm sendo registrados no país desde 2002.

O mais curioso é que 85,2% do total de casamentos realizados ocorreram entre solteiros. Destes, 30% estão na faixa etária de 20 a 24 anos, no sexo feminino, e 25 a 29 entre os homens. Traduzindo os números: os jovens continuam se lançando de cabeça nesse modelo de família.

Para Diego e Fabiana, o matrimônio não representa uma 'instituição falida', profetizada por muitos especialistas contemporâneos, mas, sim, a forma ideal de se constituir uma família. 'É a instituição que Deus criou', define a jovem. 'E, antes de mais nada, não cremos que o casamento seja apenas uma assinatura de contrato de acordo com a lei dos homens. Mas uma união abençoada por Deus, que foi quem instituiu o casamento em Gênesis', acrescenta o rapaz.

O gargalo do divórcio

Mas, apesar de tantos adeptos do casamento, nem tudo são flores. A vontade de ficar ao lado de quem se ama parece transpor todas as barreiras no início da união. No entanto, a realidade dos matrimônios no Brasil não tem sido tão florida assim. Desde que o divórcio foi instituído no país, há exatamente 30 anos, a prática da separação tem sido o principal recurso para "resolver" os problemas de relacionamento conjugal. No início, vêm os votos, o amor, a paixão, o sexo... Depois, as responsabilidades, incompatibilidades, a questão financeira e, por fim, a separação acaba minando o sonho branco de muitos casais.

O percentual de divórcios ainda é maior do que o número das uniões no país. O número de separações judiciais cresceu 1,4% no Brasil em 2006, em relação ao ano anterior. Já o número de divórcios aumentou 7,7% no mesmo período. Ou seja, as pessoas continuam se casando, mas o ideal de "até que a morte os separe" não é mais alcançado. Parafraseando o poeta Vinicius de Moraes, em seu famoso "Soneto da Fidelidade", o que vale na sociedade atual é a intensidade, não a longevidade da relação.

A pesquisa ainda revelou que é crescente a proporção de casamentos entre indivíduos divorciados com cônjuges solteiros. O percentual de homens divorciados que casaram com mulheres solteiras passou de 4,2% do total de casamentos realizados no país em 1996, para 6,5% em 2006. Também houve aumento do percentual de casamentos entre cônjuges divorciados: de 0,9% em 1996 para 2,2% em 2006.

Mais uma vez, os dados mostram que o casamento continua sendo perseguido mesmo entre aqueles que já viveram uma decepção conjugal. "As pessoas estão descobrindo que é impossível ser feliz sozinho. Daí a procura por valores que sempre deram certo. Aquilo que era ultrapassado está se tornando moda outra vez", explica o pastor Silmar Coelho, casado há 31 anos e pai de quatro filhos, doutor em Teologia e Liderança pela Universidade Oral Roberts, nos Estados Unidos.

Apesar dos esforços, é consenso que o grande desafio dos casamentos atuais não está na união em si, mas na longevidade das relações. O IBGE constatou que o tempo médio de vida conjugal dos casais no Brasil é de 12 anos, e a maioria se separa quando está na casa dos dois anos de relacionamento. "Infelizmente, está havendo uma banalização do casamento como instituição divina, e isso é prejudicial para a sociedade", acredita o pastor e terapeuta familiar Josué Gonçalves, do Ministério Família e Graça. Ele acrescenta que o problema crucial do casamento nos tempos modernos está na falta de tempo com qualidade e no "amor sacrificial".

Segundo Gonçalves, grande parte das pessoas se casa sem nenhum preparo para viver a vida como Deus planejou para ser vivida. "Hoje, a ênfase é naquilo que é descartável, inclusive quando se trata de relacionamento. Não há profundidade no compromisso entre as pessoas. A maioria se casa sem ter a mínima noção do que significa uma "aliança", "um pacto". Pergunte para alguns casais de noivos por que eles estão se casando e não se assuste com as respostas. Pergunte para esses casais se eles sabem o que é uma "aliança"', afirma.

SOS do Casamento

Se depois de tentar tudo, a relação conjugal ainda estiver desencontrada, não desanime. Hoje, existem muitas formas de encontrar ajuda e resolver questões ligadas ao matrimônio.

Do ponto de vista editorial, nunca se viu tantos livros que esmiúçam o tema exaustivamente. Em geral, são obras baseadas no conceito bíblico do casamento, aliadas ao conhecimento clínico da psicologia. Se o discurso literário não for suficiente, uma outra fonte de ajuda são as terapias de casais, o aconselhamento pastoral e as reuniões de grupos especializados na área.

No Brasil, há dezenas de instituições que têm como objetivo dar suporte a pessoas que querem levar a união adiante. O Instituto Integração Família (Inif) é um exemplo. O grupo, formado por profissionais do Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos (CPPC), oferece atendimento a casais e famílias em clínica social. "Os casais em crise precisam de ajuda. Às vezes, o ideal é que os dois resolvam as crises sozinhos. Mas há casos em que as discussões se tornam muito repetitivas, e o casal não consegue romper o ciclo vicioso. Então, precisa-se de um mediador, terapeuta, conselheiro, pastor para ajudar o casal", orienta o psiquiatra e coordenador do instituto, Fábio Damasceno.

Além do trabalho direcionado, o Inif também oferece curso de especialização para profissionais da área de saúde que desejam trabalhar na área da família. Ainda há curso de psicoteologia para pastores e líderes que aconselham casais nas igrejas. "O curso oferece ferramentas de abordagem psicológica de casais com um enfoque bíblico", acrescenta Damasceno. Os interessados podem entrar em contato pelo site do CPPC (www.cppc.org.br) ou ainda pelos telefones disponíveis na página.

Um outro grupo com objetivos semelhantes, mas de alcance internacional, é o Casados para Sempre, que funciona como uma extensão do Marriage Ministries Internacional (MMI), criado nos Estados Unidos há 25 anos. O ministério está presente em 96 países e seu material já foi traduzido para mais de 30 idiomas. Um dos seus públicos-alvo é justamente atingir pessoas que contraíram matrimônio e pretendem continuar "casadas para sempre", apesar dos contratempos inerentes ao relacionamento conjugal.

Esse grupo também oferece um curso para noivos e namorados chamado "Noivos-ONE", que tem o objetivo de orientar os jovens sobre a vida em "uma só carne", como diz a Bíblia. Segundo o treinador de líderes, Sebastião Carvalho, o ideal seria a busca por esses grupos antes mesmo de ocorrer algum problema. "Não adianta querer colocar um cadeado somente depois de a casa ter sido assaltada. A melhor coisa é a prevenção. Aí, quando os tradicionais problemas que afetam a maioria dos casais baterem à porta, o casal resistirá com maior eficiência", argumenta.

Os noivos Diego e Fabiana já fazem parte dessa realidade. Ainda durante o período do namoro, eles procuraram ajuda e aconselhamento para o futuro casamento. "Fizemos o Aconselhamento Pré-matrimonial (APM) da AD em Cordovil (Rio de Janeiro), onde congregamos. Trata-se de uma espécie de entrevista com um pastor-psicólogo que conversa com os dois juntos e também separadamente. Nela, são abordados assuntos de toda espécie que irão influenciar na nossa união. Achamos que foi muito importante. Todos devem fazer", aconselha o jovem casal. É claro que a convivência trará problemas inéditos. Mas a base teórica servirá de fundamento para encontrar as soluções, além de evitar algumas questões mais ordinárias.

Os especialistas em família são unânimes em dizer que, apesar das dificuldades, vale a pena lutar pelo casamento. "Estou casado há 32 anos. A palavra divórcio não existe no meu vocabulário. Estou muito mais apaixonado hoje do que no dia em que me casei. Meu casamento é perfeito não porque eu não tenha problema, mas porque eu e minha esposa aprendemos a resolver os problemas sem culpar e agredir um ao outro", testemunha Silmar Coelho.

Para Josué Gonçalves, é possível, sim, mesmo no mundo de hoje, se manter casado para sempre, desde que o casal esteja disposto a praticar os princípios estabelecidos, sobretudo, pela Palavra de Deus. "Não existe outro caminho. A Bíblia é o mais completo manual sobre vida conjugal e familiar. No Sermão da Montanha, Jesus deixou os princípios fundamentais para se construir um projeto de vida a dois à prova de tempestade", finaliza.

Dez princípios para manter-se casao para sempre

1. Reconhecer e deixar um espaço para as diferenças

2. Entender o casamento como uma escola, onde os dois se matriculam para aprender a ser o que nunca foram

3. Humildade para aceitar aprender sempre. Alguém disse: "O desejo de mudar é uma grande prova de amor". Só os humildes se mantêm abertos para as mudanças necessárias

4. Praticar a arte do diálogo construtivo.

É impossível construir um relacionamento de qualidade quando o casal não pratica o diálogo. Todo casal deveria saber que, no processo de comunicação, o ponto-chave é ouvir de forma empática, ouvir com o coração o coração do outro

5. Tratar com dignidade a família de origem do outro. Lembre-se, respeito gera respeito

6. Cultivar o amor, não deixando o romantismo acabar e renovando a paixão sistematicamente

7. Praticar a fidelidade

8. Separar tempo um para o outro

9. Dividir responsabilidades e cumpri-las com maestria

10. Reaprender a se apaixonar

Autoconhecimento

No dia-a-dia dos matrimônios, o que se verifica é que as crises giram em torno de palavras-chave como dinheiro, comunicação, filhos, sexo, responsabilidades, embora não exista uma única fórmula que resolva todos esses problemas conjugais. Mas, antes mesmo de se casar, é preciso entender sobre si mesmo.

"A gente precisa entender qual é a raiz dos problemas. Muitas vezes, as pessoas estão casadas com o passado. Elas não se conhecem, não se entendem, não sabem qual expectativa têm com relação ao outro e cobram do outro algo que nem mesmo sabem o que é", explica a terapeuta de casais Elizabeth Pimentel.

As questões de ordem financeira geram igualmente muitos contratempos no casamento, principalmente numa sociedade em que as mulheres também levam o sustento para casa. O dinheiro sempre foi a "causa" do sucesso ou do fracasso de muitos relacionamentos. No entanto, as dicas para enfrentar essa questão são bem razoáveis. O primeiro conselho segue a linha do bom senso. Josué Gonçalves aconselha: "É vital para o matrimônio que o homem e a mulher saibam ganhar e administrar o dinheiro. O equilíbrio financeiro contribui para o bem-estar do casal".

Dependendo do caso, a divisão das rendas pode gerar contenda entre marido e mulher na distribuição dos pagamentos. Logo, a dica é que os dois façam um só caixa no fim do mês para pagar todas as despesas. "Não dá para dizer "meu dinheiro e sua dívida', e, sim, "nosso dinheiro e nossa dívida". O acordo tem de fazer parte de todas as decisões e aquisições do casal. Separar o dinheiro é o início da separação do casamento", sentencia o pastor Sebastião Carvalho, treinador de líderes do Ministério Casados para Sempre, instituição que atua no aconselhamento para a família em 96 países há 25 anos.

Respeito às opiniões

A convivência a dois também pode encontrar travas pelo caminho. Nesses casos, o egocentrismo e a falta de diálogo são apontados como principais entraves na construção de uma boa relação. Muita gente se casa e continua com a cabeça da época de solteiro, quando tudo girava em torno dos seus interesses e, às vezes, a pessoa demora a se tornar um cônjuge. O conselho para quem vive esse impasse é aprender a dialogar com o outro e descobrir o que agrada o parceiro, "mesmo que isso signifique renunciar à sua própria vontade", adverte Sebastião Carvalho.

Um exemplo claro desse problema aconteceu com Helenir Vieira, 48 anos, no início do seu casamento com David Reis, 54. Romântica confessa, ela esperava receber mais carinho, embora David nunca tivesse apresentado esse lado igualmente romântico. Resultado: instalou-se a primeira crise do casal. "Quando casei, imaginava um mar de rosas. Sei que cada pessoa tem natureza diferente. Mas, na época, não pensava assim. Sou melosa, gosto de ficar abraçando, e queria que ele fosse assim também. Mas o David sempre foi muito calado. Isso me causou muito impacto. Muitas vezes, me revoltava e achava que ele não gostava de mim", conta Helenir.

Por outro lado, ele também tinha suas reclamações, principalmente quando se tratava de suas convicções, quase sempre ignoradas por ela. E David lembra: "No início, a vontade dela tinha de prevalecer o tempo todo. Ela acreditava que o seu ponto de vista era sempre o certo. Em contrapartida, minhas opiniões sempre estavam erradas. Quando ela percebeu que ambos podem pensar certo e errado, as coisas começaram a se desenvolver melhor".

A harmonia na relação só foi possível por meio de muito diálogo e da mudança de atitude em relação às divergências e particularidades de cada um. Ambos, ao seu modo, foram abrindo mão de algumas características - e adquirindo outras -para tornar a convivência possível e agradável. Mesmo depois de 30 anos, o conflito de idéias existe, mas o respeito mútuo trouxe equilíbrio e afinidade para o casal. "Hoje em dia, vivemos mil vezes melhor do que no início do casamento. Ele, inclusive, se tornou mais carinhoso, do jeito que eu queria."

Outro ponto nevrálgico da relação é, sem dúvida, a sexualidade. No bojo do casamento, uma série de responsabilidades e atividades pode sobrecarregar o casal. A correria diária, a chegada dos filhos ou o excesso de trabalho são alguns exemplos. No entanto, o importante é construir a sexualidade e não negligenciá-la. "O casal não pode abrir mão disso. Tem de conversar sobre o assunto. Não pode deixar que as situações tomem tanto espaço a ponto de esquecer o sexo. E deve ter tempo para namorar, para sair sozinho", aconselha Elizabeth Pimente

Após trocarem as alianças, o casal terá outro desafio: multiplicar a família depois de alguns poucos anos de união. "Somos loucos para sermos pais. Planejo esperar uns três anos para curtirmos um pouco mais a vida a dois, embora o Diego peça para diminuirmos esse prazo", revela Fabiana. Para Diego, o quadro de sua família está bem claro: "Casados, felizes, com dois filhos e aproveitando todas as bênçãos que Deus reservou para a nossa família".

Por Noemi Vieira

veja também