Sonhar com frequência desenvolve a mamória e raciocínio

Sonhar com frequência desenvolve a mamória e raciocínio

Atualizado: Quarta-feira, 12 Novembro de 2008 as 12

Ações e reações produzidas pelo corpo humano são de extrema importância para compreensão de atitudes e comportamento que envolve o ser humano, como por exemplo, o ato de sonhar, que há muito tempo desperta inúmeras discussões e curiosidades entre os estudiosos e pesquisadores.

Esta reação do organismo, que ocorre na mesma área do cérebro responsável pela atenção, memória e estados emocionais, faz com que a pessoa se aproxime dos conteúdos oníricos - os sonhos - que estão ligados ao universo da alma. Refletir sobre os sonhos é iniciar um processo de descobertas e redescobertas.

Todo ser humano é capaz de sonhar e os resultados são os acontecimentos do dia-a-dia. Ao dormir, as imagens que foram registradas pela consciência são projetadas - como um curto circuito do inconsciente - e, ao dormir, surge nos sonhos um estado que reproduz as imagens armazenadas pela memória no sonho.

Muitas vezes, conseguimos controlar os sonhos, mas na maioria das ocasiões não passamos de meros expectadores, sem controle das ações, tudo porque a mente inconsciente é livre e tem a liberdade de sonhar, imaginar e projetar para um passado e para um futuro.

Os sonhos estão ligados à organização das idéias, onde é possível entrar em contato com as questões que pertencem ao inconsciente. Recordar ou falar sobre o sonho permite refletir e modificar algumas formas de pensamentos, onde aprendemos a lidar com as emoções, imagens e movimentos revelando a essência das ações, onde não existem censuras, proporcionando desta forma o autoconhecimento.

Como o sonho reflete as ações diárias, ele pode acalmar e ao mesmo tempo gerar ansiedade e tensão, porém tudo depende de seu conteúdo, no momento de tratar as cenas e desvendar as imagens inconscientes.

Sonhar proporciona aprendizagem e melhora o estado de percepção e atenção. O sonho que é reproduzido proporciona elaborações dos conteúdos internos que mobilizam espontaneidade e criatividade para lidar com as questões relacionais.

A interpretação dos sonhos compete a quem sonha realizar uma reflexão, despertando descobertas e integrando o processo de autoconhecimento, que desvenda e proporciona o encontro de descobertas e redescobertas das relações humanas entre o processo de consciência e inconsciência.

As pessoas que sonham com mais freqüência, normalmente apresentam memória e raciocínio mais desenvolvidos do que aqueles indivíduos que sonham menos, uma vez que ao relatar o sonho e exercitar a auto-reflexão, o individuo torna-se mais consciente e alerta de seus atos e ações.

O fato de muitas vezes não se lembrar do sonho está ligado ao stress, falta de treino para relatar ou lembrar, falta de tempo para olhar para si e a resistência aos conteúdos oníricos. Também pode acontecer de no decorrer do dia flashes dos sonhos surgirem em conseqüência de cenas ou ações similares as que estão gravadas na mente. Os sonhos podem mostrar traços recorrentes de muitos atos.

*Madalena Cabral Rehder - é autora desse artigo, psicóloga, psicodramatista didata e docente supervisora, autora de várias publicações cientificas e atualmente é coordenadora do Núcleo de Especialização em Psicodrama e Sociodrama de Santo André.

veja também