Uma cama para três

Uma cama para três

Atualizado: Quinta-feira, 21 Outubro de 2010 as 5:10

São 5 da manhã e você está tendo um sonho delicioso. De repente, sente um pé minúsculo passando pelas suas costas e uma mãozinha encostada no seu ombro. Aí você acorda e descobre que aquele ser fofo de 3 anos se encaixou no meio da cama e já caiu num sono profundo. E agora?

E agora você – ou seu marido - deveria se levantar, se despedir por um momento do edredom gostoso e levar a criança de volta para a cama dela. Sentar um pouco ao seu lado, cantar ou contar uma história até que ela pegue no sono de novo. Mas o que você mais quer é virar para o lado e voltar àquele sonho em que estava antes da interrupção.

É normal a criança procurar o seu ninho. Ela quer se aconchegar, se sentir protegida e querida. Principalmente naquelas fases em que tem medo de escuro, medo de crescer ou medo de perder o amor dos pais. Se o casal está em crise, a criança pode perceber isso e achar que, estando sempre junto, irá garantir que seus pais vão ficar com ela.

E, na verdade, o fato dos filhos dormirem na cama dos pais pode ser um sintoma de crise entre o casal. "Às vezes o problema do casal se reflete na vontade de ter um terceiro entre eles", explica a psicoterapeuta Érica Brandt, mãe de Rodrigo e Carolina.

Claro que, se a criança dorme uma vez com os pais, não significa que a relação vai mal. Mas se o pai ou mãe insiste em levar o filho para a cama, aí, sim, é problema. Principalmente se isso acontece por meses ou até anos.

Mas existem outros motivos para os pais quererem o filho na mesma cama. Algumas mães têm dificuldade de se separar da cria. E aí vem o problema: a criança não adquire autonomia. "Ela tem de desenvolver a sua individualidade", explica Érica. E esse grude com os pais vai atrasar o seu crescimento.

Outro motivo para deixar a criança dormir ali, bem no meio, é a dificuldade de frustrá-la. A hora de dizer não é sempre complicada. "O que está sendo colocado é que tem o lugar do adulto, do qual a criança não deve participar. Isso envolve ciúme, inveja e frustração para a criança", diz a psicanalista Vera Iaconelli, mãe de Gabriela e Mariana.

O relacionamento dos pais sofre quando dorme todo mundo junto. Se eles não estavam em crise antes, agora podem entrar. Primeiro, porque perdem a privacidade. Segundo, porque muitas vezes a mulherquer a criança na cama, e o marido não quer. OU vice-versa. Aí o pai ressente com a presença do filho, e fica insatisfeito com a muçher. Também tem o fator dormir mal - afinal de contas a cama de casal éfeita para duas pessoas, e não três.

"O quarto da criança precisa ser o mundo mágico dela, onde ela brinca, dorme, conversa com os brinquedos, e o quarto dos pais precisa ser um quarto de encontro do casal. Cada um precisa do seu espaço", explica Érica.

Para quem já deixou o pequeno invadir a cama uma vez, fica bem mais difícil mudar a regra. O ideal é não se deixar: vencer pela preguiça e ser firme. Pode ser um processo cansativo, que envolva algumas noites em claro, mas logo o filho aprende. "A criança desiste quando percebe que os pais são irredutíveis, como em qualquer birra", explica Vera. A psicanalista ainda orienta os pais a fazerem um rodízio nas madrugadas e conversarem com a criança dizendo que ela já está grande. "Coloque o crescimento como um ganho, não como uma perda".

Com um pouco de paciência, você poderá ter de novo uma boa noite de sono (ou algo mais). Seu casamento vai agradecer.

veja também