Uso do sling sob alerta

Uso do sling sob alerta

Atualizado: Terça-feira, 16 Março de 2010 as 12

O sling, em alta nos últimos anos, é uma opção que facilita a vida da mãe, proporciona contato físico com o filho - podendo até acalmá-lo - e , até agora, era considerado seguro para crianças de 0 a 4 anos. Feito a partir da simples fórmula que combina uma faixa de tecido que se ajusta ao corpo do adulto por meio de duas argolas, essa espécie de "canguru" possibilita à criança permanecer em diversas posições e aos pais, braços e mãos livres. Um alerta publicado por uma comissão americana especializada em segurança de produtos, a U.S. Consumer Product Safety Commission (CPSC), explicando a importância da correta utilização do sling, colocou em xeque a segurança efetiva do produto.

De acordo com um comunicado oficial, a instituição afirma que, no último ano, cerca de três bebês, todos abaixo dos quatro meses de vida, tiveram a morte associada ao modo ao qual foram carregados dentro do sling. Com esses dados, a comissão contabiliza 14 mortes nos últimos 20 anos – o que deixa claro que os casos são raros, mas que é preciso ter cuidado. Para garantir a segurança de mães e filhos, eles recomendam então que o acessório seja usado a partir dos quatro meses de idade.

Segundo Alessandro Danesi, pediatra do Hospital Sírio Libanês (SP), não existem estudos propriamente ditos a respeito do uso e dos possíveis riscos que o sling oferece. "Costumo recomendar o uso do sling a partir dos três meses de vida, quando o tônus muscular do pescoço já está melhor. Bebês fixam cabeça e pernas ao redor dos três meses de idade", afirma. É exatamente esse o argumento usado pela comissão, que atribui as mortes por sufocamento pela dificuldade de crianças muito pequenas em manter o controle do pescoço quando inclina a cabeça para baixo, dentro do sling.

A maneira correta de utilizar o sling

Ainda de acordo com a CPSC, o sling deve ser evitado por crianças com menos de quatro meses de vida e que estejam doentes, fracas, abaixo do peso ou as que têm algum tipo de limitação física. A posição correta para manter os bebês mais novos é com o queixo para cima, rosto visível, nariz e boca descobertos.

por Aline Ridolfi

veja também