Vacina contra gripe em crianças

Vacina contra gripe em crianças

Atualizado: Sexta-feira, 25 Março de 2011 as 11:41

Você já deve ter ouvido falar que está chegando a época de vacinar o seu filho contra o vírus da   gripe . Sim, o período da imunização deve acontecer entre os meses de março e junho. Isso porque, como a vacina pode demorar até um mês para fazer efeito, quando chegar o inverno - época de maior circulação do vírus influenza -, a criança já estará imunizada.   Dar ou não a vacina contra a gripe é uma decisão que varia entre os pediatras. No entanto, a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que todas as crianças a partir de 6 meses sejam imunizadas. “O objetivo é evitar a manifestação da doença, que afeta as vias respiratórias e provoca febre alta, falta de apetite, indisposição, podendo levar até a internação”, diz Victor Nudelman, pediatra e alergista infantil do Hospital Israelita Albert Einstein (SP). A vacina é ainda mais fundamental para aquelas com doenças respiratórias, como asma, e que têm contato com adultos e idosos com a saúde fragilizada.   Este ano, o Ministério da Saúde vai oferecer, gratuitamente, entre os dias 25 de abril e 13 de maio, vacina contra a gripe para crianças entre 6 meses e 2 anos. Nas clínicas particulares, ela já está disponível e custa, em média, R$ 70, cada dose. Essa dosagem, aliás, deve ser orientada pelo pediatra do seu filho. Nos postos de vacinação, as crianças até 2 anos tomarão meia dose na primeira vez e outra meia dose após 30 dias.  

Segurança da vacina Há ainda muita dúvida a respeito da vacina contra a gripe. É comum os pais dizerem que as crianças ficaram gripadas depois que receberam a dose. Vale lembrar que a vacina não causa gripe, porque é feita com um vírus morto. “Porém, ela protege somente contra três tipos do vírus influenza, mas há outros que circulam durante o inverno, como o sincicial e rinovírus, que não têm vacina”, afirma Marcos Lago, infectologista e pediatra da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e membro do departamento de infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. Muitas vezes também a criança fica resfriada, e não gripada, confundindo a família.   Outro medo comum é em relação à segurança da vacina. Fique tranquila. Segundo Marcos Lago, estudos já realizados mostraram que a incidência de efeitos colaterais estão dentro dos limites de segurança. Não se assuste se o seu filho tiver uma febre baixa, dor e vermelhidão no local da picada e mal-estar. Esses sintomas não são por causa do vírus, mas por causa de substâncias da vacina.  

veja também