Volte às aulas com segurança

Volte às aulas com segurança

Atualizado: Quarta-feira, 3 Fevereiro de 2010 as 12

O início das aulas é sempre um período de expectativa para os alunos e, também, de apreensão para os pais, pois muitos estudantes se deslocam sozinhos da casa para a escola e vice versa, ficando expostos à violência urbana.

Para ajudar crianças, jovens e pais, o SESVESP (Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo) elaborou uma série de dicas para a volta às aulas na Cartilha Segurança da Criança e do Adolescente. "Escolher um meio de transporte para o aluno facilita a aplicação dos métodos de segurança e dá mais tranquilidade à família", explica o presidente do SESVESP, José Adir Loiola.

No caso da escolha recair no transporte escolar, é aconselhável que os pais acompanhem o serviço de longe, esporadicamente. Caso os pais ou o responsável sejam encarregados pelo transporte, é preciso ter atenção em alguns detalhes, como:

- Ao deixar a criança na escola, espere que ela passe pelo portão da instituição e espere por um sinal de "ok" de algum funcionário;

- Toda criança deve saber o seu endereço, telefone, nome completo dos pais ou responsáveis e quem vai levá-la e/ou buscá-la na escola;

- Orientar as crianças que vão e voltam a pé da escola para que caminhem juntas, isto é, em grupos. Uma criança nunca deve andar sozinha e todas precisam evitar locais ermos;

- Fazer rodízio com os vizinhos para que sempre um adulto conduza um grupo de crianças à escola também é uma opção;

- Orientar as crianças para que não conversem com estranhos nem se aproximem de casas, terrenos e garagens de desconhecidos. Explicar bem a elas que não devem, nunca, entrar em carros de estranhos, mesmo se forem atraidas com a promessa de presentes;

- Exigir por escrito que a escola confirme previamente (e em todas as vezes que isso ocorrer) qualquer solicitação de dispensa antecipada de uma criança;

- Se um dos pais estiver telefonando de casa, a escola deve confirmar a solicitação retornando a chamada telefônica. De preferência, a criança deve identificar a voz do pai, da mãe ou do responsável ao telefone;

- No caso de dúvida, o responsável ou o encarregado de segurança da escola deve tentar identificar o autor da solicitação de saída antecipada da criança, fazendo perguntas sobre hábitos e informações da mesma. Se a dúvida persistir, não deve ser permitida a saída da criança em hipótese alguma.

Sesvesp - Recebeu sua Carta Sindical no ano de 1988 e vem trabalhando desde então como entidade que congrega e representa a categoria econômica de segurança privada, segurança eletrônica e dos cursos de formação e aperfeiçoamento de vigilantes no Estado de São Paulo. O sindicato tem a preocupação constante de defender a categoria e oferecer uma prestação de serviços que possa minimizar os problemas de suas associadas. É o primeiro em lançar cursos para as empresas do segmento com linguagem específica. www.sesvesp.com.br

veja também