Após Emirados Árabes, Sudão também quer acordo de paz com Israel

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Sudão, Haidar Badawi Sadiq, confirmou que o Sudão está buscando um acordo com Israel.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Quarta-feira, 19 Agosto de 2020 as 8:04

Sudaneses celebram a deposição do então presidente Omar al-Bashir em 2019, após 30 anos no poder. (Foto: Associated Press)
Sudaneses celebram a deposição do então presidente Omar al-Bashir em 2019, após 30 anos no poder. (Foto: Associated Press)

Poucos dias depois que os Emirados Árabes Unidos anunciaram seu tratado histórico com Israel, o Sudão também expressou interesse em assinar um acordo de paz com o Estado Judeu.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Sudão, Haidar Badawi Sadiq, disse na última terça-feira (18), que seu país está conduzindo negociações de paz com Israel e que "não há necessidade de que a inimizade continue".

"Israel e o Sudão vão ganhar com um acordo de paz", disse Sadiq à Sky News em árabe. Ele disse que o novo tratado de paz entre os Emirados Árabes Unidos e Israel abriu caminho para que mais países árabes estabeleçam relações diplomáticas com Israel.

“Analisamos um acordo desse tipo por meio dos interesses do Sudão, sem sacrificar nossos valores e princípios”, disse Sadiq.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, vem sugerindo relações com o Sudão há meses. Em fevereiro, o primeiro-ministro fez uma viagem histórica a Cartum (capital do país africano) para discutir a normalização dos laços.

Netanyahu disse na terça-feira que Israel dará as boas-vindas a um tratado de paz com o Sudão.

“Israel, Sudão e toda a região se beneficiarão do acordo de paz e serão capazes de construir juntos um futuro melhor para todos os povos da região. Faremos o que for necessário para transformar essa visão em realidade”, disse ele.

Um funcionário do governo sudanês disse à Associated Press que Jerusalém e Cartum realizaram deliberações nos últimos meses com a ajuda do Egito, dos Emirados Árabes Unidos e dos Estados Unidos.

"É uma questão de tempo. Estamos finalizando tudo. A ação dos Emirados Árabes nos encorajou e ajudou a acalmar algumas vozes dentro do governo que temiam uma reação do público sudanês”, disse ele, falando sob condição de anonimato.

Contexto

O Sudão, um país de maioria muçulmana, é historicamente inimigo de Israel e entrou em guerra contra o Estado Judeu durante a Guerra da Independência de Israel em 1948. O Sudão também se juntou aos exércitos árabes na luta contra Israel durante a Guerra dos Seis Dias em 1967.

Hoje, o frágil país está trabalhando para estabelecer a democracia depois que uma revolta popular levou os militares sudaneses a derrubarem o ex-presidente Omar al-Bashir em 2019. O país agora é governado por um governo militar-civil com possibilidade de eleições no final de 2022.

O ministro israelense das Relações Exteriores, Gabi Ashkenazi, disse que o anúncio do Sudão "destaca a mudança fundamental que está ocorrendo no Oriente Médio em geral, e no Sudão em particular."

“Em um futuro próximo, continuaremos discutindo a melhoria das relações até estarmos em condições de assinar um acordo de paz que respeite os interesses de ambos os países”, disse Ashkenazi.

Os líderes palestinos condenaram o Sudão por buscar a paz com Israel.

“Onde está o povo revolucionário do Sudão?”, perguntou o oficial sênior da Organização para a Libertação da Palestina, Hanan Ashrawi.

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, também pediu aos países árabes que não normalizem os laços com Israel.

"Consideramos isso uma apunhalada pelas costas e absolutamente repudiamos [esse acordo]", disse Abbas durante uma reunião com líderes palestinos na noite de terça-feira.

Onda de paz

Enquanto isso, muitos especulam que outros países do Oriente Médio, como Bahrein e Omã também seguirão o exemplo dos Emirados Árabes Unidos e farão acordos de paz com Israel. Na segunda-feira, Omã e Israel disseram que seus ministros das Relações Exteriores conversaram e concordaram em "manter contato direto e contínuo".

Israel espera que a Arábia Saudita, inimiga declarada do Irã, também concorde em manter relações com Israel. A Arábia Saudita ainda não comentou sobre o novo tratado de paz dos Emirados Árabes Unidos com Israel, mas o conselheiro sênior do presidente Trump, Jared Kushner, disse acreditar que o reino normalizará os laços com o Estado judeu.

“Acho que é inevitável que a Arábia Saudita e Israel tenham relações totalmente normalizadas e sejam capazes de fazer muitas coisas boas juntos”, disse Kushner à CNBC na semana passada.

veja também