MENU

Israel

Arqueólogos reconstroem como o exército assírio sitiou a cidade bíblica de Laquis

Os assírios controlavam terras que se estendiam do Irã moderno até o Egito.

Fonte: Guiame, com informações da CBN NewsAtualizado: sexta-feira, 19 de novembro de 2021 16:55
Relevo do palácio de Tiglath Pileser III em Nimrud, retratando uma cena de cerco com dois escudos maciços em forma de L protegendo os soldados assírios. (Foto cortesia: Museu Britânico)
Relevo do palácio de Tiglath Pileser III em Nimrud, retratando uma cena de cerco com dois escudos maciços em forma de L protegendo os soldados assírios. (Foto cortesia: Museu Britânico)

Em 701 antes de Cristo, o império assírio era uma superpotência que empreendeu uma campanha sangrenta contra o Reino de Judá, enquanto zombava abertamente do Deus que os libertou do Egito.

“Depois de tudo o que Ezequias fizera tão fielmente, Senaqueribe, rei da Assíria, veio e invadiu Judá. Ele sitiou as cidades fortificadas, pensando em conquistá-las para si” (2 Crônicas 32: 1).

Os assírios controlavam terras que se estendiam do Irã moderno até o Egito. Em vez de usar o poder de fogo e os aviões de guerra que vemos na batalha hoje, os assírios dominaram com rampas de cerco.

Agora, pela primeira vez, uma equipe de arqueólogos reconstruiu como os assírios podem ter construído uma rampa de cerco maciça usada para conquistar a cidade bíblica de Laquis (Lachish) – a segunda cidade mais importante depois de Jerusalém naquela época. Os vestígios arqueológicos da cidade de Laquis permanecem até hoje no sul de Israel.

A equipe de pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém e da Universidade de Oakland usou escavações arqueológicas em Laquis, textos assírios e bíblicos, iconografia e imagens de drones do século 21 para criar um mapa digital detalhado de onde ficava a rampa há quase 3.000 anos. Eles publicaram suas descobertas no Oxford Journal of Archaeology.

O rei assírio Senaqueribe supervisionou pessoalmente a destruição de Laquis e ordenou que seu exército construísse uma rampa que pudesse alcançar as muralhas da cidade da Judeia.

Os pesquisadores descobriram que a rampa era composta de 3 milhões de pequenas pedras pesando cerca de 6 quilos cada. Reunir tantas pedras levaria tempo, então os soldados assírios provavelmente as escavaram o mais próximo possível da extremidade da rampa - cerca de 80 metros de distância das muralhas da cidade.

“Em Laquis, há de fato um penhasco exposto da rocha local exatamente no ponto onde seria de se esperar”, disse o Prof. Yosef Garfinkel, da Universidade Hebraica.

Senaqueribe

Os homens de Senaqueribe trabalharam sem parar para construir a rampa, passando cada pedra manualmente.

“O tempo era a principal preocupação do exército assírio. Centenas de operários trabalharam dia e noite carregando pedras, possivelmente em dois turnos de 12 horas cada. A mão de obra provavelmente foi fornecida por prisioneiros de guerra e trabalhos forçados da população local. Os trabalhadores eram protegidos por escudos maciços colocados na extremidade norte da rampa. Esses escudos avançavam alguns metros em direção à cidade por dia”, explica Garfinkel.

O profeta Isaías testemunhou o ataque da Assíria contra Judá e os menciona em algumas de suas profecias, dizendo: “Nenhum deles cansado, nenhum deles tropeçando, nenhum deles dormindo ou sonolento, nenhum deles com cinto desamarrado, nenhum deles com alça da sandália quebrada" (Isaías 5:27).

Segundo os pesquisadores, os homens terminaram a rampa em 25 dias.

“Este modelo presume que os assírios eram muito eficientes, caso contrário, levaria meses para ser concluído”, diz Garfinkel. 

Enquanto os residentes de Laquis observavam o exército assírio construir a rampa, eles tentariam defender a cidade atirando flechas e jogando pedras no chão.

Rampa

Na etapa final da rampa, vigas de madeira foram colocadas no topo das pedras e seguradas aríetes com peso de até uma tonelada. Os aríetes bateriam nas muralhas da cidade balançando para frente e para trás.

A Bíblia diz que enquanto Senaqueribe sitiava Laquis, ele enviou uma mensagem ao rei Ezequias e aos habitantes de Jerusalém, zombando deles enquanto seus homens cercavam a Cidade Santa.  

“Em que você está baseando sua confiança, para permanecer em Jerusalém sob cerco? Quando Ezequias diz: 'O Senhor nosso Deus nos livrará das mãos do rei da Assíria', ele está te enganando, para que você morra de fome e sede”. (2 Crônicas 32:10)

Senaqueribe também ridicularizou a Deus, dizendo: “Assim como os deuses dos povos de outras terras não resgataram seu povo de minhas mãos, o deus de Ezequias não livrará seu povo de minhas mãos”. (2 Crônicas 32:17)

A Bíblia diz que ao ouvir isso, o rei Ezequias e o profeta Isaías clamaram a Deus, “e o Senhor enviou um anjo, que aniquilou todos os guerreiros e os comandantes e oficiais do acampamento do rei assírio. Então, ele se retirou para sua própria terra em desgraça (2 Crônicas 32:21) ... Então, o Senhor salvou Ezequias e o povo de Jerusalém das mãos de Senaqueribe, rei da Assíria, e das mãos de todos os outros (2 Crônicas 32:22).

Garfinkel acredita que há mais a ser descoberto sobre a destruição assíria de Laquis. Ele está planejando novas escavações no sítio arqueológico no futuro.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições