Cristãos e judeus se unem para comemorar o Rosh Hashaná, o Ano Novo Judaico

Hoje é iniciado o Rosh Hashaná, que celebra a conclusão da criação do universo por Deus.

fonte: Guiame, com informações de Breaking Israel News

Atualizado: Quarta-feira, 20 Setembro de 2017 as 3:56

Judeu ortodoxo soprando um Shofar no Muro das Lamentações, no feriado de Rosh Hashaná. (Foto: EPA/Abir Sultan)
Judeu ortodoxo soprando um Shofar no Muro das Lamentações, no feriado de Rosh Hashaná. (Foto: EPA/Abir Sultan)

A partir desta quarta-feira (20) é iniciado um período intenso de celebrações em Israel, começando com Rosh Hashaná (Ano Novo judaico), continuando com o Yom Kipur (Dia do Perdão) e terminando com Sucot (Festa dos Tabernáculos).

O que antes era considerado uma experiência exclusivamente judaica, hoje reúne muitos cristãos que também decidiram guardar as festas descritas pela Bíblia. Esse é o caso da norte-americana Kim Kunkel, 29 anos, que aprendeu sobre os feriados bíblicos através de seu pai.

Filha de um cristão devoto, Kim ouvia seu pai lendo livros sobre o Templo e as “festas de Deus”. “Gostaríamos de comemorar feriados judeus e datas tradicionalmente cristãs”, disse ela ao site Breaking Israel News.

O movimento de cristãos que estão aderindo aos feriados bíblicos tem sido visto com bons olhos pelos judeus, de acordo com David Nekrutman, diretor do Centro de Compreensão e Cooperação Judaico-Cristão.

“O Rosh Hashaná é um feriado universal. É o aniversário do mundo. Toda a criação está sendo julgada se está reconhecendo o Deus de Abraão, Isaque e Jacó como rei do Mundo”, disse o especialista.

O Rosh Hashaná celebra a conclusão da criação do universo por Deus, prosseguida pelos dez dias de arrependimento, que culminam no Yom Kipur. Após a celebração do Ano Novo, a tradição judaica diz que o período de dez dias marca o início do juízo de Deus sobre a criação, sendo o Yom Kipur o dia do veredicto.

Sendo assim, os dez dias entre Rosh Hashaná  e Yom Kipur é um período de muita oração, súplica e arrependimento, com o toque do Shofar a cada serviço. No entanto, muitos cristãos têm uma compreensão teológica diferente a respeito do Yom Kipur.

“Eu ainda penso mais como uma cristã evangélica”, disse Kunkel. “Podemos sentir culpa e não tem certeza sobre o pecado em alguns momentos da vida, mas podemos pedir perdão ou nos arrepender a qualquer momento do ano. Nós realmente não seguimos toda a tradição do Yom Kipur, isso ainda é uma ideia nova para mim”.

Nekrutman explica que esta dificuldade não é incomum, já que o judaísmo e o cristianismo têm abordagens muito diferentes para o arrependimento. “Na tradição judaica, o arrependimento é universal e não individual”, explicou. “Dizemos que ‘nós pecamos’. No Yom Kipur, nos voltamos para o Rei em arrependimento nacional”.

veja também