Homem iniciou êxodo de mais de 2 milhões de judeus russos a Israel

Natan Sharansky chegou a ser preso por tentar defender seu povo da repressão socialista na União Soviética e ajudá-lo a retornar para Israel.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Terça-feira, 25 Setembro de 2018 as 11:15

Natan Sharansky abriu caminho para a migração de mais de 2 milhões de judeus russos para Israel. (Foto: CBN News)
Natan Sharansky abriu caminho para a migração de mais de 2 milhões de judeus russos para Israel. (Foto: CBN News)

Quando o povo judeu volta de diversos lugares do mundo para morar em Israel, significa não apenas o final feliz de uma longa jornada, mas também o cumprimento de uma profecia bíblica. Uma das histórias mais famosas sobre este retorno é de Natan Sharansky, cuja imigração da antiga União Soviética para Israel preparou o caminho para o êxodo de dois milhões de judeus russos de volta para a terra de seus ancestrais.

Há 50 anos Sharansky vem realizado um trabalho de reconectar o povo judeu a Israel. Houve um tempo, no entanto, que nem mesmo ele via nada de bom em sua herança.

"Eu nasci em 1948 na União Soviética, na Ucrânia. Não tínhamos nada da cultura judaica em nossa vida. Fomos totalmente assimilados — nenhuma instituição judaica, nenhuma cultura judaica, nenhuma sinagoga", disse Sharansky à CBN. "Mas havia uma coisa muito comum à vida dos judeus em nossa vida e isso era anti-semitismo que sofríamos. Então parecia não haver nada de positivo em ser judeu. Tudo parecia negativo".

Isso mudou em 1967, quando Israel derrotou os exércitos do Egito, Síria e Jordânia na Guerra dos Seis Dias, reunindo Jerusalém sob a soberania israelense. "Aqui Israel sai vitorioso após a tentativa dos países árabes de destruí-lo", continuou Sharansky. "E a União Soviética fez muitos esforços para destruir Israel".

Sharansky também tem na memória o momento que outros judeus soviéticos começaram a procurar de fato as suas próprias raízes como povo de Israel.

"Todo mundo liga você a Israel e diz: 'Como seus soldados poderiam fazer isso?' E você quer entender, 'por que no mundo são meus soldados?' E foi aí que começamos a ler sobre nós mesmos e de repente descobrimos que havia uma história tão singular, que começa não com essa ditadura comunista, mas começa com o Êxodo [bíblico] do Egito e esse desejo de ser livre", explicou. "E descobrimos que há um Estado de Israel que você quer fazer parte dele; é isso que lhe dá forças para começar a lutar pelos seus direitos como judeu e para partir para Israel".

Socialismo x Liberdade

Quando questionado se a União Soviética permitiria que os judeus russos emigrassem, Sharansky respondeu que "era impossível".

"Foi um regime que já matou dezenas de milhões de cidadãos, então não teriam problemas em matar outras centenas de judeus", disse ele. "Mas tivemos sorte. Nossa luta desde o primeiro dia tornou-se a luta de todos os judeus do mundo e na época também muitos não-judeus, e eles conseguiram ligar todos os interesses da União Soviética com o destino de judeus da União Soviética".

Como defensor dos direitos humanos e do movimento sionista, Sharansky também ficou conhecido como um refusenik — um judeu a quem foi recusada permissão para deixar a União Soviética e imigrar para Israel.

"Quando eles me prenderam finalmente depois de alguns anos de minhas atividades, eles me acusaram de alta traição e explicaram que eu não sairia vivo. Eu seria condenado à morte se não dissesse publicamente que eles estavam certos e nós estávamos errados", explicou ele.

Condenado a 14 anos de prisão, ele cumpriu nove anos dessa pena, em grande parte por espalhar a verdade sobre os abusos dos direitos humanos na União Soviética.

Quando o repórter da CBN perguntou a Sharansky sobre o que o fortaleceu naqueles momentos difíceis na prisão, o homem apontou a mensagem da Bíblia como sua base.

"Meu hebraico não era bom o suficiente. E eu estava lendo e lendo, comparando palavras diferentes, frases e assim surgiu a primeira frase que eu entendi plenamente. Ela foi do Salmo 23 — e 'quando eu passar pelo vale da morte, não temerei mal algum porque tu estás comigo", explicou Sharanksy.

"Você era um crente em Deus antes disso?", perguntou o repórter.

"Não há explicação física porque você está pronto para sacrificar sua vida se você não entender que existem coisas que são muito maiores do que sua sobrevivência física", disse ele. "Quando eu entendi isso, eu fui liberada. Eles levaram todas as roupas da prisão, me deram roupas civis e me levaram para o avião, então eu estava deitado na neve me recusando a me mover até que eles me trouxessem de volta o meu livro de Salmos "

"Você ainda o tem com você?", continuou o repórter. "Está sempre comigo", disse ele, mostrando seu livro estimado.

Livre para retornar

Sharansky e sua esposa, Avital, se casaram um dia antes dele ser preso. Ela então liderou a campanha por sua libertação, que foi bem sucedida, 12 anos depois.

"Então eu cruzei a fronteira e o avião de Israel me levou e foi assim que eu conheci — depois de 12 anos — a minha esposa. E foi assim que eu conheci nosso povo judeu", disse ele. "Então, o dia que, começou na prisão soviética da KGB, terminou perto do Kotel [Muro das Lamentações], com milhares de nossos amigos celebrando a minha libertação".

A luta de Sharansky desempenhou um papel importante na queda da Cortina de Ferro, que abriu a porta para dois milhões de judeus deixarem a União Soviética.

Anos depois, Sharansky liderou a Agência Judaica, a organização que ajuda a trazer novos imigrantes para Israel. "É realmente a história do Êxodo que se repete na história moderna", disse ele.

"Deus fala conosco por suas ações", disse Sharansky. "Veja o que Ele está fazendo com o povo judeu e eles são a melhor prova de Sua presença. O que aconteceu com a União Soviética? A União Soviética não existe mais. Veja o que aconteceu com Israel. Não há país no mundo livre com Uma economia tão bem-sucedida e forte. E nós trouxemos tantos judeus de tantas culturas diferentes. E como todos eles estão se tornando um povo unido a uma visão. Então esse é o milagre".

veja também